Câmbio automático: você sabe usar?

Muitos motoristas que aderiram ao automático desconhecem vários detalhes, dicas para operar corretamente esse tipo de caixa de marchas

Por BORIS FELDMAN06/06/18 às 20h30

Durante muitos anos o brasileiro teve aversão ao câmbio automático. Medo da manutenção e pavor dos custos das peças e assistência técnica, pois eram raros os mecânicos especializados e não havia estoque de componentes, uma vez que era pequeno o volume de automóveis com este tipo de caixa de marchas.

Quando as importações voltaram em 1990 (estavam proibidas desde 1974) praticamente todas as marcas premium (alemãs principalmente) trouxeram a maioria de seus modelos com câmbio automático. E o brasileiro percebeu que ela não é um “bicho-papão”, até por ter evoluído muito e, neste período, ter recebido muitas inovações eletrônicas. Hoje, até carros compactos já passaram a oferecer a caixa automática.

transmissao automatica cambio automatico neutro

Muitos motoristas que aderiram ao automático desconhecem vários detalhes sobre seu funcionamento. Por isso, algumas dicas são úteis para operar corretamente este tipo de caixa. A primeira é: jamais engatar “R” (de ré, ou reverse), ou “P” (de estacionamento ou Parking) com o carro andando, ainda que devagarinho, para evitar trancos no câmbio.

Em segundo lugar, numa descida mais íngreme e longa, não coloque a alavanca em ponto morto (“N”), que corresponde à “banguela” no carro com câmbio manual. Ao contrário, o motorista deve reduzir a marcha pois mesmo o câmbio automático permite que se tire do “D” (Drive) e se engate marcha mais forte como “4” ou “3”, ajudando o sistema de freios a manter uma velocidade reduzida mesmo ladeira abaixo.

Em terceiro lugar, não se esqueça de que a maioria das caixas automáticas é lubrificada simultaneamente com o motor. Se a alavanca estiver em “N” com o automóvel descendo rapidamente uma ladeira, o motor estará em marcha-lenta mas o câmbio girando rapidamente, empurrado pelas rodas em movimento. E o problema é um desgaste anormal da caixa pela falta de lubrificação.

Foto iStock | Reprodução

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

3 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Edinaldo 18 de julho de 2018

    Bom dia!
    Eu tenho um corolla 09/10 xei, com 31.000 km rodados, durante a revisao na autorizada toyota o mecanico sempre me informa que nao é necessario fazer a troca do oleo da caixa de marcha do carro automatico,afinal, é ou n é necesario?
    Obrigado

    • Ricardo 11 de agosto de 2018

      Vc sempre deve realizar a substituição do oleo do cambio a cada 40 mil km para evitar desgastes dos discos de composite.

  • Quando o câmbio é um CVT? 27 de junho de 2018

    No meu caso é um Versa é só tem a opção de reduzir para primeira marcha

Deixe um comentário