Chave codificada: prós e contras dessa tecnologia

Chave codificada é uma ótima inovação tecnológica que beneficia os proprietários de automóveis. Porém, ela não é nada barata

Por Boris Feldman12/01/19 às 07h00

Chave codificada: para o bem e para o mal…

[TRANSCRIÇÃO]

Toda inovação tecnológica é do tipo cara ou coroa: vantagens de um lado e desvantagens do outro. As chaves de ignição mais modernas, por exemplo, têm um chip interno que deve ser reconhecido pela central eletrônica, para dificultar o roubo do automóvel. Mas elas custam muito mais caro que as antigas, sem eletrônica.

Quando você compra um carro zero, a concessionária entrega a chave original e uma reserva. Entretanto, nem todos que compram um carro usado se lembram de exigir essa chave reserva e, no caso de uma emergência, nem sempre o chaveiro da esquina irá conseguir copiar a chave com facilidade. Aí o jeito será recorrer ao fabricante do carro, o que nem sempre sai barato e rápido, principalmente nos carros importados.

Então, aquela chave antiga que você mandava copiar por 20 ou 30 reais, hoje num nacional compacto barato do tipo Onix ou Etios, ficará no entorno de 500 reais. Mas, se o seu carro for um BMW, Mercedes ou outro importado,  pode preparar seu saldo bancário. Pois, essas chaves custam no entorno de dois mil e quinhentos reais, mais quinhentos reais pra codificarem. O prazo de entrega pode ser de 30 a 40 dias. Então, além do tombo o coice: a chave pode custar uma nota preta, e ainda por cima te deixar sem o carro por mais de um mês.

chave codificada

Chave codificada | Shutterstock

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário