De grão em grão

Por BORIS FELDMAN18/09/16 às 15h05

Está enganado quem pensa que consumo de combustível só se reduz no motor. Claro que ele é importante e decisivo: quanto mais eficiente, mais energia produz sem abusar do consumo e das emissões.

Se dois automóveis são equipados com o mesmo motor porém um pesa 300 kg mais que o outro, claro que seu consumo será superior. Aerodinâmica também influi decisivamente. Maior ou menor atrito dos pneus no asfalto também contribui para o consumo. E vários outros fatores.

Como o governo federal estabeleceu o programa Inovar Auto com redução de impostos para as fábricas que tornarem seus modelos mais eficientes, todas as marcas estão empenhadas na redução de consumo e emissões. Carros compactos da Volkswagen, Ford, Hyundai, Nissan e Fiat já contam com motores 1.0 de apenas três cilindros, com desempenho superior aos de quatro.

A General Motors ainda não lançou seu motor tricilíndrico no Brasil. Mas vai aplicando todos os outros recursos disponíveis para ganhar eficiência em toda sua gama de modelos. E, dentro da teoria de que, de grão em grão a galinha enche o papo, vai mexendo daqui e dali para reduzir consumo sem perder desempenho.

Comentamos recentemente nesta coluna sobre o Chevrolet Spin que ganhou uma inédita persiana (entre os modelos brasileiros) atrás da grade, que se abre e fecha de acordo com a necessidade de refrigeração do motor. Quando ela se fecha e impede o fluxo de ar, ganha em aerodinâmica e reduz consumo. Além disso, mudou componentes internos do motor para reduzir atrito, e até de externos como alternador (que gera energia elétrica para recarregar a bateria), reprojetado para roubar menos potência. Até o ventilador que refrigera o radiador foi também remodelado. Ela não perdoou nem mesmo o óleo do motor: passou a recomendar o 0W20, um dos menos viscosos do mundo. Explica-se: quanto menos viscoso (mais fino), menor o esforço a ser vencido pelas partes móveis, como os pistões por exemplo. E menos energia jogada no lixo.

O resultado deste “grão em grão” é uma significativa redução de consumo. E de impostos…


Boris Responde

Tem alguma dúvida sobre o funcionamento do seu carro? O que vai melhor no carro flex: gasolina ou etanol? Quando substituir o cinto de segurança? Com que frequência trocar o óleo do motor? O Boris responde essas e outras dúvidas. Digite sua pergunta na caixa abaixo.


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário