Três dicas erradas sobre o flex que merecem certificado de besteirol

Até as concessionárias produzem umas besteiras dessas

Por BORIS FELDMAN26/05/18 às 13h30

O motor flex existe desde 2003, mas ainda provoca dúvidas, dezenas de sugestões sem pé nem cabeça e dicas erradas sobre o flex. Como existem “técnicos” em mecânica de automóvel no Brasil!

Ouvinte do nosso AutoPapo diz ter comprado um Hyundai zero e o vendedor, na hora da entrega, recomendou que ele usasse apenas o álcool nos quatro primeiros abastecimentos. Depois poderia passar, se quisesse, para gasolina. Ele pergunta: é isso mesmo, só posso usar gasolina depois de abastecer quatro vezes com o etanol? Não, não é nada disso.

dicas erradas sobre o flex

Carro flex foi projetado para usar qualquer combustível do primeiro até o último dia de vida. Pena que o leitor não tenha dito qual concessionária disse esta besteira, pois eu iria mandar um “Certificado de Besteirol” para ela dependurar na parede.

Outro exemplo? A Ford recomenda no manual que os carros flex sempre abastecidos com etanol, devem encher o tanque com gasolina sempre que se trocar o óleo do motor. Aparentemente é um surrealismo: o que tem troca de óleo a ver com combustível no tanque?

Mas tem lógica: a recomendação faz o dono do carro que usa exclusivamente o etanol abastecê-lo cada 10 mil km com gasolina. A rigor, esta dica – mesmo sendo da fábrica – está sujeita a chuvas e trovoadas. Carro flex pode ser abastecido com etanol ou gasolina (ou qualquer proporção dos dois) a vida inteira. É verdade que o uso prolongado do etanol forma uma pequena gosma nas válvulas, que seria eliminada pela gasolina. Mas, o que provoca esta gosma? Rigorosamente nada.

Uma outra recomendação estranha de algumas fábricas, embora não seja das dicas erradas sobre o flex, é a de, ao abastecer com gasolina, usar exclusivamente a comum. Mas a aditivada não é recomendada por todos os técnicos? Sim, mas como ainda não existe no Brasil um padrão de aditivação, a fábrica não tem como testar seus motores com todas as gasolinas aditivadas do mercado e se isenta de responsabilidade recomendando a comum, que é rigorosamente a mesma em todos os postos de todas as marcas.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

8 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodolfo 29 de maio de 2018

    …. O motor flex deu o poder ao cidadão a escolher qual combustível usar independentemente de safra da cana de açúcar ou crise do petróleo no mundo… porém as pessoas se esquecem que o motor flex não é a prova de etanol ou gasolina batizados. …. Pois combustível batizado com solvente degrada o óleo rapidamente… gerando borra de óleo que pode até a chegar a fundir o motor.
    …. Só para ressaltar o perigo do combustível batizado, sejam o que aconteceu com a Revista Quatro Rodas – Edição de Agosto/2002 – página 90 quando o Palio 2000 – 1.0-L a gasolina que usou gasolina batizada sem o pessoal saber, e então no desmonste dos 60.000 km viram o motor lavado de borra.
    …. Vale lembrar que se batiza com solvente tanto o etanol quanto a gasolina, o solvente é mais barato que a gasolina e que o etanol porque ele é o resíduo a destilação do petróleo. Os solventes são mais baratos conforme tabela da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP (ConcorrênciaPREÇOS MÉDIOS PONDERADOS SEMANAIS PRATICADOS PELOS PRODUTORES E IMPORTADORES DE DERIVADOS DE PETRÓLEO).
    …. Assim fica a dica: Escolha o combustível pela qualidade e não pelo preço, pois o barato pode sair muito caro!

    • Edivania 8 de julho de 2018

      E como a gente vai saber se o combustível é bom?

      • Cleber 20 de setembro de 2018

        Desconfie de preços muito baixos ou promoções. Procure se fidelizar a um posto conceituado e livre de denúncias.

  • Elaine 28 de maio de 2018

    A minha ultima tentativa de mudar de combustível, me rendeu uma dor de cabeça, pois segundo o mecânico, afetou o sistema de injeção…
    resumo, fiquei no prego!!!

  • Lenca 27 de maio de 2018

    Tres dicas erradas… A primeira tudo bem, a segunda: “Mas tem lógica:”, a terceira: “embora não seja das dicas erradas sobre o flex”.

  • Edenilson Pozzo 27 de maio de 2018

    Quanto à formação de resíduos nos injetores pelo uso prolongado de etanol é próprio da constituição química do mesmo um resíduo com características de goma, concordo com o uso alternado de gasolina. Já no uso alternado de gasolina e álcool as montadoras deixam a desejar,os sensores e as ECU,s são muitos lentos para o reconhecimento de qual combustível está sendo usado , dor de cabeça para o proprietário na primeira partida do dia seguinte ao abastecimento.

  • Gilberto Damante 27 de maio de 2018

    O que provoca a gosma nas válvulas? Dificuldade de partida e engasgos em transientes. Você também fala besteirol.

  • HUGO GABRIEL RONCHI 27 de maio de 2018

    Infelizmente vcs tbm merecem um certificado de besteirol. Colocar metade gasolina e metade etanol, como vcs sugerem que possa ser feito tranquilamente. Causa problemas na leitura do combustível pela sonda lambda, podendo o carro ficar falhando e perder potência. O ideal é abastecer ou com etanol ou com gasolina. Somente um por vez.

Deixe um comentário