Motores pequenos aguentam o tranco?

Mantendo-se a mesma potência em motores cada vez menores, sua tendência não é de perder em durabilidade e “abrir o bico” em quilometragens cada vez mais reduzidas? A resposta é negativa!

Por BORIS FELDMAN19/05/18 às 09h30

Há uma tendência mundial em reduzir o tamanho dos motores (cilindrada) para se enquadrá-los nas exigências de consumo e emissões. É o chamado “downsizing”, pois as leis estão cada dia mais apertadas em todo o mundo. Então, aperfeiçoar o “coração” do automóvel é fundamental para se atingir os objetivos estabelecidos pelo governo e pela própria competição entre marcas. Até nos EUA, país que tem os carros mais beberrões do mundo, o mercado está se movimentando e exigindo modelos mais eficientes. Lá, os enormes V8 estão abrindo espaço para os V6. Estes, substituídos pelos quatro cilindros em linha.

Motores pequenos aguentam o tranco?

No Brasil, motores 1.0 de 4 cilindros estão sendo transformados em tricilíndricos. Alguns já opcionalmente equipados com turbinas para colocar mais de 100 cv nas rodas. E aí vem a pergunta muito coerente: mantendo-se a mesma potência em motores cada vez menores, sua tendência não é de perder em durabilidade e “abrir o bico” em quilometragens cada vez mais reduzidas?

A resposta é negativa: primeiro porque toda essa potência se obtém graças a novas tecnologias como redução de atritos internos, multiválvulas, sistema de injeção direta e outras. Segundo, porque os engenheiros que projetam motores levam em conta que ao aplicar uma turbina, aumenta-se consideravelmente o esforço sobre seus componentes. Vários deles são alterados para resistirem a cargas mais elevadas.

Terceiro, porque não se reduz consumo apenas com motores mais eficientes: os engenheiros das fábricas trabalham também na redução de peso, pois quanto mais leve, menos bebe. Também na aerodinâmica da carroceria: quanto mais facilmente ela corta a barreira de ar à frente, menor o consumo de combustível. Ou com pneus “verdes”, que reduzem o atrito com o asfalto. Além de diversos outros recursos do gênero que aumentam o número de quilômetros rodados por litro de combustível. E, consequentemente, na redução de emissões no escapamento…

Foto Fiat | Divulgação

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • ricardo peres 24 de março de 2018

    é e num é. né. eles querem reduzir custos (aqui) pois a tributação-robalheira continua nas alturas. portanto, eles têm q fazer milagres para conseguir vender carros aqui na roça. que esses motores vão abrir o bico mais cedo, é batata. chinezolization all over.

Deixe um comentário