O Inmetro desrespeita o brasileiro!

Por BORIS FELDMAN10/12/16 às 10h53
(Fabiano Azevedo/AutoPapo)

No passado eram apenas as geladeiras. Depois a etiqueta de consumo foi estendida para outros eletrodomésticos. E finalmente chegou ao consumo do automóvel, quando o Inmetro criou o Programa de Etiquetagem Veicular de Consumo. Com a adesão de todas as marcas presentes no mercado brasileiro, todos os modelos expostos no show-room de qualquer concessionária tem que ter dependurada a etiqueta do consumo, dando ao consumidor uma idéia de quanto bebe aquele modelo em relação aos concorrentes do mesmo segmento.

Chegou a vez dos pneus: desde outubro os fabricados no Brasil devem ostentar uma etiqueta que os classificam de acordo com três características.

A primeira é o atrito dele com o piso, que resulta num maior ou menor consumo de combustível do carro. A segunda indica seu comportamento no asfalto molhado: melhor ou pior que os concorrentes? A terceira característica é o ruído que emite, medido em decibéis. A partir de abril de 2018 a etiqueta será obrigatória para qualquer pneu comercializado no país.

Até aí, tudo bem. Entretanto, na minha opinião, o INMETRO se “esqueceu” de exigir o que mais interessa o consumidor: qual a durabilidade do pneu em relação aos concorrentes? Este índice é chamado de Treadwear e já existe em outros países. Varia de 60 a 700. Claro que a durabilidade varia em função do piso, da calibragem, dos cuidados do motorista. Entretanto, o índice é determinado numa prova a que são submetidos todos os pneus, instalados em carros que rodam mesma distância (9.600 milhas) e se avalia então seu desgaste.

O pneu que tem desgaste de acordo com um padrão estabelecido pelo governo tem índice de 100. O que roda apenas 60% tem Treadwear de 60. O que roda o dobro faz jus ao índice 200, e assim por diante.

O motorista só tem conhecimento deste índice em pneus que chegam em carros importados, com o Treadwear gravado em sua banda lateral, indicando durabilidade maior ou menor. O consumidor tem, portanto, mais esta opção para avaliar o pneu a partir desta informação que só existe em países onde ele é respeitado.


Boris Responde

Tem alguma dúvida sobre o funcionamento do seu carro? O que vai melhor no carro flex: gasolina ou etanol? Quando substituir o cinto de segurança? Com que frequência trocar o óleo do motor? O Boris responde essas e outras dúvidas. Digite sua pergunta na caixa abaixo.


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário