O justo deixa de pagar pelo pecador

Por BORIS FELDMAN07/11/16 às 19h17

Nesta época de vacas magras, vale qualquer iniciativa para estimular as vendas do carro zero km. Uma das dificuldades do mercado são os juros elevados e o crédito sumido da praça. Os empresários do setor perceberam que alguns dos fatores que fazem crescer as taxas de juros podem ser eliminados. E solicitaram ao governo uma ferramenta jurídica que acelere o processo de busca e apreensão dos carros de clientes inadimplentes.

Atualmente, quando se compra um carro com parte financiada e não se pagam algumas prestações, a financeira, comprovada a inadimplência, abre um processo para resgatar o carro. Que, aliás, está em seu nome até que a dívida seja quitada.

Porém, a burocracia jurídica de praxe no Brasil emperra todo o processo durante meses ou anos. Com problemas adicionais: como o cliente sabe que terá o carro apreendido mais dia menos dia, ele resolver se “vingar” da empresa praticando até vandalismos no automóvel. E subtraindo acessórios, pneus, etc.

Não é regra, pois muitos clientes são honestos, sabem que se tornaram inadimplentes e até levam o carro voluntariamente de volta. Tentam negociar a dívida. Mas em alguns casos, quando o oficial de justiça finalmente consegue localizar o dono e o carro, ele já tem pouco para levar de volta.

A ideia seria de agilizar o processo de resgate do automóvel de modo que ele seja apreendido no máximo 60 dias depois de comprovada a inadimplência. Caso esta mudança seja implementada, a financeira se beneficiará com uma sensível redução de custos, pois poderá levar o carro a leilão mais rapidamente. Além disso, terá o que levar a leilão…

Esta agilidade reduziria o prejuízo das empresas nos casos (não poucos) de inadimplência e poderiam, portanto, diminuir as taxas de juros cobrados no financiamento. Hoje, todos pagam juros elevados para cobrir – em parte – os clientes inadimplentes. Deixariam os justos de pagar pelos pecadores…

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário