Protetor de cárter pode ser prejudicial?

O protetor de cárter, popularmente chamado de "peito de aço", nem sempre é um acessório recomendado. Entenda!

Por BORIS FELDMAN14/06/18 às 12h03

Leitor do AutoPapo diz que se lembra de ter recebido como brindes, no passado, ao comprar um carro zero km, o protetor de cárter e um tapetinho de borracha. E que recentemente, ao tentar levar o protetor como vantagem no negócio, ouviu do vendedor da concessionária que a fábrica não autorizava a colocação do equipamento. E estranhou a resposta.

O leitor não especificou seu automóvel, mas pergunta o motivo de a fábrica não recomendar a instalação daquela chapa de aço sob o motor que tantas vezes protegeu seu carro ao passar sobre obstáculos no asfalto como tampas de bueiro viradas, lombadas fora da lei e pedras.

Projetos mais sofisticados podem realmente ser prejudicados com o protetor e neste caso a fábrica não o homologa. Mesmo assim, fabricantes não autorizados produzem o protetor que são comercializados em algumas lojas de equipamentos e acessórios.

Se a fábrica não permite o protetor de cárter é porque ele pode prejudicar o comportamento do automóvel. Pode, por exemplo, prejudicar o fluxo inferior de ar que ajuda a refrigerar o motor. Ou interferir na aerodinâmica sob o chassis, aumentando sua resistência à barreira de ar e aumentado consumo e emissões.

No caso de o carro passar por um trecho alagado, o protetor pode desviar a água para o filtro de ar. Essa água vai parar dentro do motor e provocar o temido calço hidráulico, destruindo parte de seus componentes internos.

Outro problema do protetor de cárter é interferir na resistência do carro no caso de um impacto frontal, mudando seu comportamento e prejudicando o nível de proteção aos ocupantes. No caso de colisão frontal, pode também prejudicar o projeto do carro de impulsionar o motor para baixo, evitando sua entrada na cabine de passageiros.

Algumas fábricas, Volkswagen entre elas, passou a produzir o cárter com uma liga reforçada na parte inferior exatamente para protegê-lo de impactos, tornando desnecessário o protetor.

protetor de cárter pode ser prejudicial

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Gerson 22 de agosto de 2018

    bá e se bater no cárter e estiver no interior estrada de chão ou mesmo em Porto Alegre que é só cratera quem vai pagar o prejuízo. os carros que não têm é para baratear o custo e enviar no pé do ouvido do povo já destrossado pela ganância destes tranqueiras deste brasil.

  • Oscar 14 de junho de 2018

    Tive um Toyota e pediram para eu retirar o protetor pois em caso de colisão o motor não desceria e sim entraria na cabine

  • Schiller 14 de junho de 2018

    Mandei colocar o peito de aço, por causa das pedras soltas no caminho p/ não amassar o referido Tampa do Carter que fica logo abaixo; Mas a concessinária cobrou como fosse referencia de modelo completo em ´série e sem nota nota fiscal. Um absurdol de abuso de ganancia !. UP ! 2p. suspensão frágil

  • José A J Vital 14 de junho de 2018

    Boa matéria. Novidade pra mim !

Deixe um comentário