Querosene no tanque? Só se for de avião a jato

O mito do querosene tem origens lá na época do pró-álcool, mas mesmo naquela época, a ideia não tinha o menor sentido

Por BORIS FELDMAN23/06/18 às 17h00

É surpreendente a quantidade de boatos e falsas dicas que circulam (principalmente na internet) sobre o automóvel. Como reduzir o consumo, ganhar desempenho, controlar combustíveis e outras tantas, pois não faltam no Brasil “técnicos” em manutenção mecânica que não fazem a menor ideia do que estão falando. Voltou recentemente à baila a mal-explicada dica para se misturar querosene no tanque com etanol, que é muito “seco” e, com esta mistura, proteger o motor.

querosene no tanque

Antes do flex, houve uma época (Pro-álcool) que só se produziam carros com motor a etanol. Existiam postos (eu cheguei a ver um deles) que instalavam um bomba de querosene. Pois principalmente os motoristas de táxi aderiam à ideia e colocavam alguns litros dele ao abastecer com etanol. Perguntei ao dono do posto se aquela bomba era para aviões. Ele me olhou surpreso e eu disse que querosene como combustível, só em turbinas.

Não há dúvida de que a gasolina tem um poder maior de lubrificação que o etanol, o que poderia fundamentar tecnicamente esta dica. Hoje, com o flex, há quem aconselhe o motorista, depois de abastecer várias vezes com o álcool, intercalar um tanque de gasolina. Neste caso, mal não faz, embora seja desnecessário. Mas colocar querosene no tanque pode causar danos ao motor e deve ser evitado.

A rigor, existe uma utilização para o querosene no automóvel, mas não é no motor. Quando o carro passa por uma estrada que está sendo asfaltada, costuma grudar “piche” na pintura. Uma mancha preta difícil de ser removida. Esfregar água com shampoo não adianta. A solução é misturar 5% de querosene na água (não mais do que este percentual) e lavar a região atingida pelo piche.

Não se esquecer, logo depois, de lavar a região com bastante água pura para remover qualquer resíduo do querosene, pois ele pode atacar a pintura.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário