Razão perde para emoção do consumidor

Quando o assunto é carro, o consumidor deixa a racionalidade para trás e vai perseguir o que ama, por mais nocivo que seja

Por BORIS FELDMAN13/06/18 às 15h00

Nem sempre a compra de um automóvel se reveste de racionalidade. Ao contrário, a razão perde para emoção do consumidor. O que explica as muitas “manias” do mercado brasileiro. A irracionalidade de ter sido único no mundo a optar – durante dezenas de anos – pelo automóvel de duas portas. Brasileiro abominava as quatro portas e justificava o injustificável com argumentos estapafúrdios: “Não quero ser confundido com táxi”. “É mais seguro para as crianças”. “Faz menos barulho de porta”. “É mais simples de fechar”. E outras aberrações do gênero. Há quem diga que foi mania induzida pelo Fusca, primeiro carro de centenas de milhares de brasileiros.

emoção do consumidor

As fábricas tiveram que rebolar para eliminar duas portas de modelos produzidos por suas matrizes. Caso do Volkwagen Santana e Dodge Polara que só tinham versões quatro portas em outros países. No Opala, era tragicômico presenciar madame chique se contorcendo para chegar ao banco traseiro do cupê de duas portas, com motorista ao volante.

A atração pelas picapes diesel era também uma incógnita que revela a emoção do consumidor. Nas décadas de 70 e 80, eram motores piores que os atuais, bem mais barulhentos, fumacentos e lerdos. Dizia-se que quem vibrava não era o motorista, mas o carro. Explicava-se a preferência pelo custo do diesel menor que o da gasolina. Mas as contas não fechavam, pois o investimento inicial era muito mais elevado e exigia que se rodasse quase dez mil quilômetros por mês para amortecê-lo. Depois, o argumento irrefutável de que o valor de revenda da picape a gasolina despencava no mercado de usados. Óbvio, pois a tara era pelo diesel.

Alguns acessórios e equipamentos sem nenhum objetivo racional também tomaram conta do mercado brasileiro. “Engate-bola” e “quebra-mato” estiveram na berlinda durante anos, apesar dos problemas e perigos provocados por ambos. O primeiro conquistou uma legião de fãs com a falsa ideia de proteger a traseira do carro. Como virou febre, ninguém dava a menor pelota para o alerta de que ele eliminava o poder de absorção do parachoque e provocava empenamento do monobloco ao sofrer uma batida traseira. Além de danificar os carros estacionados atrás e a canela de pedestres próximos. O “Quebra&Mata” era o próprio símbolo do machismo, uma exaltação ao poder de quem estivesse ao volante. Mas contrário à filosofia de suavizar o eventual impacto contra um pedestre. E ainda pior no caso de criança, que era fatalmente atingida na cabeça pela trapizonga.

Mania mais recente é da abominável película que escurece o vidro. Apesar de ter um limite de escurecimento, o chamado “insulfilm” tem suas funções desvirtuadas e intensidade de coloração muitas vezes superior à permitida, provocando dupla insegurança: de dentro, à noite, principalmente com chuva, o motorista perde quase completamente a visibilidade. De fora, nada se enxerga no interior do automóvel, nem mesmo se o motorista estiver ao volante com a arma de um sequestrador apontada para sua cabeça.

E como explicar a atração exercida pelos utilitários esportivos, os SUV’s que já liquidaram com dois segmentos de automóveis no mercado (station-wagon e minivan) e avançam céleres pelo território dos sedãs? Contrariam todas as regras da boa convivência e harmonia com o meio ambiente: são enormes e “espaçosos”, bebem demais e emitem em excesso por serem muito mais pesados. Representam uma ameaça quando se chocam com automóveis “normais” por serem mais altos. O centro de gravidade elevado compromete a estabilidade e exige um arsenal de dispositivos eletrônicos para mantê-los disciplinadamente no asfalto. E não adianta tentar convencer madame de que apenas passam uma impressão de maior segurança.

Mas, se tivesse explicação, não seria mania…

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Celio* 14 de junho de 2018

    Li, gostei mas não precisava, pois concordo com tudo, hehehe…

  • Sérgio Moura 14 de junho de 2018

    Reportagem muito ruim…. começou bem e…. péssimo – gastei tempo.

Deixe um comentário