Simulador na autoescola: foi uma novela até aqui

O dispositivo ajuda o aluno a se preparar para situações perigosas na estrada, evitando acidentes

Por BORIS FELDMAN26/05/18 às 19h30

O motorista brasileiro dirige mal. Primeiro, por não ter sido devidamente educado para se comportar adequadamente no trânsito. Segundo, pelas deficiências das autoescolas que oferecem cursos para os candidatos à carteira de habilitação. E daí a importância do simulador na autoescola.

simulador na autoescola
(Divulgação)

Qualquer esforço no sentido de tornar o brasileiro um motorista mais consciente e melhor preparado tem que ser aplaudido de pé. Recentemente, ninguém menos do que o presidente da associação das autoescolas de São Paulo declarou que nestes cursos, “os alunos fazem de conta que aprendem, os professores fazem de conta que ensinam”.

Além das deficiências do aprendizado, ainda existem as irregularidades. Outro dia, várias destas escolas foram flagradas simulando a presença de alunos para cumprir o horário mínimo estabelecido pelo Detran.

Não é a toa que o Brasil detém o triste troféu de estar entre os países com número recorde de vitimas em acidentes rodoviários. E as estatísticas confirmam que os defeitos mecânicos nos veículos participam em quantidade mínima nestes registros: ou é culpa do governo que não tomou conta da rodovia ou do motorista que errou ao volante.

A novela dos simuladores na autoescola começou em 2013, e nesse tempo eles foram e deixaram de ser obrigatórios diversas vezes. No último capítulo foi estabelecido que, a partir de janeiro de 2017, as autoescolas se tornaram obrigadas a incluir no curso cinco aulas no simulador, consideradas essenciais para que o aluno tenha noção de como se safar de situações adversas ao volante.

Aula teórica nenhuma tem como explicar ao aluno seu comportamento no asfalto molhado, por exemplo. Colocá-lo ao volante de um automóvel real deslizando na estrada é impossível. Ao contrário do simulador que pode estabelecer na tela uma situação complexa de trânsito e treinar o “motorista” a se safar com segurança.

O simulador na autoescola tem a vantagem de preparar com muito mais eficiência o cidadão candidato à motorista e, quem sabe, reduzir esta verdadeira carnificina rodoviária brasileira.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário