Start Stop: e se?…

Por BORIS FELDMAN25/09/16 às 15h15

Quanto mais se exige eficiência nos motores modernos, mais eles vão se utilizando de recursos eletrônicos para reduzir consumo e emissões sem prejuízo do desempenho. Um destes dispositivos que vem equipando um grande número de importados e até alguns nacionais mais modernos é o “Start-Stop”.

Ele identifica que o carro parou e desliga automaticamente o motor até que o motorista pise novamente no acelerador. Aí ele o aciona novamente. A vantagem de não deixar o motor ligado enquanto o carro está parado é a economia de consumo e emissões. No trânsito urbano, estima-se uma redução de 10 a 20%. Nas rodovias, como não existe o “para e anda”, ele praticamente não muda os números de consumo.

Entretanto, além dos sensores conectados à central eletrônica para que ela seja informada que o carro parou e desligue o motor, o sistema exige também um reforço dos componentes envolvidos pois a bateria, motor de arranque e alternador são muito mais solicitados com dezenas de liga/desliga adicionais por dia.

Mas, como toda novidade, o motorista costuma ficar preocupado com o carro que tem o start-stop, embora ele tenha sempre a possibilidade de desliga-lo. A dúvida é: “…e se a bateria estiver fraca? O sistema vai exigir tanto que ela acaba arriando e eu fico a pé!”

Mas o sistema eletrônico já pensou nisso e, caso perceba que a bateria esteja com baixa carga, ele mesmo impede o start-stop de funcionar. E também em outras situações, como por exemplo, num dia muito quente e o ar condicionado ligado no máximo. Se a temperatura interna do carro começa a subir, ele volta a ligar o motor (que aciona o compressor do equipamento) mesmo que o carro ainda esteja parado.

A situação inversa foi também prevista pelo sistema, como, por exemplo, se uma porta do carro tiver sido aberta enquanto o motor estava desligado pelo start-stop: neste caso, o sensor percebe, informa à central eletrônica e ela não permite que o motor volte a ser acionado. Ou seja, é um sistema inteligente e projetado para evitar qualquer transtorno ou situação de risco.


Boris Responde

Tem alguma dúvida sobre o funcionamento do seu carro? O que vai melhor no carro flex: gasolina ou etanol? Quando substituir o cinto de segurança? Com que frequência trocar o óleo do motor? O Boris responde essas e outras dúvidas. Digite sua pergunta na caixa abaixo.


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário