Tira daí esta mão cheia de gordura!

Por BORIS FELDMAN21/11/16 às 19h43

Tem motorista que entra em pânico se estiver na estrada e de repente surgir um trecho com neblina da pesada. Principalmente à noite, quando a visibilidade piora sensivelmente. Mas existem dicas que podem suavizar o sofrimento.

O que se deve fazer: não usar faróis altos, mas os baixos, pois seu facho chega mais rapidamente no asfalto e sofre, portanto, menos interferência da própria neblina, iluminando melhor o trecho à frente. Se o carro tiver faróis de neblina, tanto melhor, é hora de acioná-los, e também o traseiro – que vem a ser aquela luz vermelha mais forte, para sinalizar seu carro para os motoristas que vêm atrás, no caso de neblina ou chuva forte.

Como os vidros do carro estão fechados, a possibilidade de embaçar o para-brisa é elevada e vale a pena acionar o ventilador. Posicionando as saídas de ar voltadas contra o vidro. Se o carro tiver o equipamento de ar-condicionado, tanto melhor: ele deve ser acionado ajustando o fluxo de ar contra o parabrisa, para desembaçá-lo rapidamente.

O que não se deve fazer: jamais acionar o pisca-alerta rodando com o carro. Ele só deve ser ligado ao estacionar no acostamento. Ou quando se estiver reduzindo a velocidade devido a um congestionamento mais à frente.

Outra dica é não usar as mãos para limpar o embaçamento do para-brisa, pois elas deixam gordura no vidro e, mais tarde, quando ele se embaçar de novo, a visibilidade vai ficar ainda mais prejudicada pela sujeirinha que se gruda na gordura. Tenha sempre um paninho ou uma flanela para limpar o para-brisa nestas ocasiões. Existe à venda em postos e lojas de peças uma flanela química própria para esta situação que contem uma substância especial para evitar o embaçamento. Quando ele começa a perturbar a visibilidade, basta umedecê-la e esfregar na parte interna dos vidros para que eles não se embacem durante horas.

Finalmente, dirigir à noite com neblina é quase impossível se o automóvel tiver estas películas tipo insulfilme nos vidros, aquela exageradas e que excedem (na maioria dos casos) o percentual de escurecimento previsto pela legislação. São muito perigosas pois prejudicam sensivelmente a visibilidade. À noite, com neblina e chuva, nem dá para enxergar nada à frente…

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário