Uma lei que pode fazer você economizar

Por BORIS FELDMAN12/10/16 às 15h31

Você já ouviu falar em montadora. É como se chama – meio que impropriamente – a fábrica de automóveis, que produz algumas centenas de componentes, mas encomenda de fornecedores terceirizados outro tanto para montar seus modelos. Daí o nome “montadora”. Só que agora foi criada também a “desmontadora”. É o antigo ferro-velho, agora regulamentado com legislação federal e também algumas estaduais, de modo a se colocar uma certa ordem no setor que, por enquanto, operava sem nenhum padrão de comportamento técnico nem ético. A primeira ideia seria evitar a comercialização de peças de carros roubados, o que estimula o crime. É possível, com novas técnicas eletrônicas, rastrear a origem dos componentes de um automóvel. E ter certeza de que não tiveram origem no crime organizado.

A segunda ideia é impedir o reaproveitamento de peças envolvidas com a segurança veicular. Nada de utilizar, ao reparar um carro acidentado, componentes da suspensão, direção ou freios. Mas, nada impede que se volte a utilizar painel de instrumentos, porta-malas, para-lamas, capô ou até um motor completo, nenhum deles comprometido com a segurança do automóvel.

Essa nova regulamentação trouxe outra vantagem em sua esteira: tornou viável o seguro “popular”, criado recentemente para dar cobertura a modelos mais “velhinhos”, com mais de dez anos de fabricação. Para baratear o seguro do carro, é importante a redução do custo do reparo, possível agora com a permissão de se usar peças das “desmontadoras”, o que não era permitido no reparo do veículo coberto por uma apólice de um seguro tradicional. Neste, só se podiam utilizar peças originais adquiridas na concessionária.

O seguro popular já deveria estar vigente desde abril, mas ainda estão sendo discutidos vários de seus detalhes. Existem setores favoráveis e outros contrários à sua aprovação, cada um querendo puxar a “sardinha para a sua brasa”. Quando aprovado e implantado, estima-se que vai reduzir em cerca de 30% o custo dos seguros convencionais.

Veja mais sobre:


Boris Responde

Tem alguma dúvida sobre o funcionamento do seu carro? O que vai melhor no carro flex: gasolina ou etanol? Quando substituir o cinto de segurança? Com que frequência trocar o óleo do motor? O Boris responde essas e outras dúvidas. Digite sua pergunta na caixa abaixo.


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário