BMW Série 1

Um premium do povo?

Por Bárbara Angelo02/04/16 às 15h40

Você provavelmente deve achar um absurdo os preços dos veículos no país, especialmente dos considerados populares. E se pudesse pagar módicos R$ 119.950 pelo popular da BMW, o Série 1? Produzido na fábrica da montadora em Araquari, Santa Catarina, o hatchback pode ser uma delícia de se guiar, mas convenhamos: tem um precinho para lá de salgado.

(BMW/Divulgação)

Pelo já citado valor você leva para casa um carro sem sensores de estacionamento e tampouco câmera de ré para dar uma forcinha. Os bancos são forrados em couro sintético e dão aquele aspecto de modelo de categoria inferior. Tudo bem que modelos de entrada de marcas premium deixam um pouco a desejar no pacote de itens, mas a BMW poderia ter dado uma caprichada, especialmente por causa do valor cobrado para que o cliente tenha o hatch na garagem. Tudo bem, leitor, temos ar condicionado dual zone, faróis em LED e piloto automático, só que poderíamos ter mais recheio.

Quanto ao trem de força, nada a reclamar. O propulsor 2.0 Flex de quatro cilindros em linha cumpre seu papel com maestria. Entregando 184cv de potência a 4.800rpm e 27,5kgfm de torque em baixíssima rotação (a partir de 1.500rpm), o motor é acompanhado de câmbio automático de oito marchas. Além disso, a tração traseira dá aquele tesão extra na hora de guiar o possante, que conta com três modos de condução ao gosto do freguês.

Depois da reestilização, lançada no início do ano passado, o Série 1 ficou mais atraente aos olhos. Na traseira, que exala elegância, as lanternas invadem a tampa do porta-malas. A dianteira não sofreu tantas alterações, mas a grade proeminente dá ao hatch um ar de ferocidade. Agora, basta saber se você está disposto a gastar os R$ 119.950 sugeridos pela montadora para “pagar de invocadão” — sem todo o luxo que um BMW poderia oferecer.

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário