[Vídeo] Moto ‘antiqueda’ é apresentada

Tecnologia promete prevenir quedas de motociclistas caso ocorra derrapagem dos pneus em uma curva

Por AutoPapo23/05/18 às 14h13

A moto “antiqueda” pode estar perto; ao menos é o que promete a Bosch, fabricante de autopeças e de sistemas de segurança veicular. A invenção consiste em utilizar um jato de ar de alta pressão para estabilizar o veículo caso ocorra uma desestabilização em uma curva. Em alta velocidade, uma queda de moto nessas circunstâncias pode ser fatal.

A “mágica” acontece graças a duas turbinas de ar, instaladas uma de cada lado da moto, movidas por geradores de gás que entram em ação automaticamente quando sensores detectam deslizamento dos pneus. Com a ajuda do jato, que é expelido no sentido contrário ao da queda, o piloto consegue manter o controle.

A moto antiqueda funciona em pistas secas e molhadas, prevenindo acidentes em diferentes situações. Porém, assim como ocorre com os airbags de um carro, ele não pode ser reaproveitado, e precisa ser substituído após entrar em ação. A empresa divulgou um vídeo mostrando o sistema funcionando na prática, em um autódromo.

Confira!

A Bosch não divulgou informações sobre preços, mas a tendência é de que o equipamento tenha os custos de produção reduzidos caso comece a ser aplicado em nível industrial. Desse modo, pode ser que os fabricantes comecem a produzir motocicletas “à prova de tombos” antes do que se imagina.

Não é a primeira vez que uma tecnologia promete proteger os motociclistas de tombos: no ano passado, a Honda apresentou uma moto-conceito capaz de sem equilibrar sozinha, graças a um sistema de auto-balanceamento com tecnologia robótica.

moto antiqueda é desenvolvida pela Bosch

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodolfo 24 de maio de 2018

    JEFFTHER LOPES,
    Muito obrigado! Mas os acidentes a gente não pode ter o controle de tudo, pois mesmo que a gente ande na linha e com atenção sempre vai ter alguém desatento ou imprudente que fatalmente pode cruzar o nosso caminho.
    Então veja que a moto não adimite falhas nem do seu motociclista e nem de ninguém que cruze o seu caminho. Me lembro que um dos maiores tombos de moto do meu irmão foi ao atropelar um cachorro logo após fazer uma curva de uma avenida. Por sorte meu irmão não foi atropelado por um outro carro ou caminhão. Note que se ele estivesse em um carro não existiria esse perigo!

  • Jeffther Lopes 24 de maio de 2018

    falow tudo jovem….compartilho da sua visão, pois tenho os mesmos anseios que vc, pois qdo renovei minha CNH, acrescentei a categoria A, puramente por inveja das “menininhas de 50 quilos andaram em motos de 600 cc”, enfim…sofri um acidente e não perdi as pernas por milagre….nunca mais andei naquilo…gosto muito de motos, mas não tenho coragem em andar mais…alguns acham que se trata de covardia ou falta de prática, contudo hoje tenho convicção que é amor a vida mesmo…..

  • Rodolfo 24 de maio de 2018

    Em complemento ao que eu disse abaixo:
    “Nos últimos três anos, a Unidade de Emergência do Agreste, em Arapiraca, realizou 82 procedimentos de amputação de membros em vítimas de traumas. Os números servem como alerta aos condutores de motocicletas, uma vez que 70% destes procedimentos foram realizados em pacientes vítimas da violência no trânsito, em sua maioria motociclistas e passageiros deste modelo de veículo”.
    Fonte:
    http://gazetaweb.globo.com/portal/noticia.php?c=22602
    Meu irmão trabalha em hospital e diz que chega lá muito motoqueiro que tem que amputar a perna ou o pé porque este membro foi esmagado na colisão. Fica aqui a pergunta: “Moto realmente vale a pena?”

  • Rodolfo 24 de maio de 2018

    Uma coisa nunca moto vai proteger… contra colisão lateral principalmente. E numa colisão lateral o para-choque é a perna do motociclista. Tem uma frase que define bem o que é moto:
    “Moto: o para-choque é você!”
    Eu tenho carta de carro e moto AB desde 2004, mas não dirijo mais moto desde 2005, e nem pretendo voltar a dirigir. A vida é muito frágil!

Deixe um comentário