Novo Honda Fit: primeiras impressões

No conjunto mecânico apenas a direção mudou, mas o design e o recheio de equipamentos está bem diferente

Por Daniel Camargos25/09/17 às 10h18

Dirigir o Novo Honda Fit 2018 passa quase a mesma sensação de guiar o Honda Fit 2017. A fabricante japonesa deu um leve tapa no visual do modelo, atualmente na terceira geração, e distribuiu alguns itens que antes eram opcionais como de série nas versões do monovolume compacto. O AutoPapo dirigiu o veículo em um trajeto de 60 quilômetros na Grande Belo Horizonte, entre Inhotim (Brumadinho) e a Pampulha, e identificou as já conhecidas qualidades e falhas do Fit.

Novo Honda Fit

No ciclo urbano o desempenho é bom e o casamento entre e o motor 1.5 e a transmissão CVT oferece conforto ao motorista no anda-e-para corriqueiro das metrópoles. A versão testada, a ELX, que está no topo da linha, simula sete velocidades e tem aletas no volante para troca de marchas. Na estrada, quando é preciso fazer uma ultrapassagem, ou nas subidas, o giro do motor sobe e o ruído chega a incomodar. O uso das aletas para “corrigir” as trocas pode ser uma maneira de rodar mais suave.

Leia também: testamos o Fiat Argo 1.0

Nada de diferente da versão 2017. Assim como a suspensão, bem acertada, que entrega conforto e estabilidades nas curvas. O motor 1.5 rende 116 cv e recebe a nota A em consumo, seguindo os critérios estabelecidos pelo Inmetro para medição.

Novidade importante é que todas as versões receberam o pacote VSA de assistência à direção, que conta com Controle de Tração (TCS), Assistente de Frenagem de Emergência (BAS), Alerta de Frenagem de Emergência (ESS), Distribuição Eletrônica de Frenagem (EBD), Assistente de Partida em Rampa (HSA) e assistente ativo de direção, o MA-EPS.

Entenda: o significado da “sopa de letrinhas” por trás da eletrônica do seu carro 

Novo Honda Fit
Versão topo de linha EXL (Honda/Divulgação)

Outra mudança foi o ajuste na direção elétrica, que, segundo a fabricante, oferece respostas mais justas. Na prática, o motorista tem que ter hipersensibilidade para notar a diferença. A versão de entrada, a DX, é equipada com câmbio manual de cinco marchas, mas segundo a Honda, responde por apenas 5% das vendas do modelo. O câmbio CVT está em todas as outras versões, incluindo a nova, a Personal, pensada para pessoas com deficiência (PcD) – mas que pode ser comprada por todos os clientes.

Veja preços e versões do novo Honda Fit:

  • DX – MT: R$ 58.700
  • Personal – CVT: R$ 68.700
  • LX – CVT: R$ 70.100
  • EX – CVT: R$ 75.600
  • EXL – CVT: R$ 80.900

Somente a versão de entrada DX é equipada com câmbio manual. Conta com airbag duplo, freios ABS, assistente de frenagem, controle de tração e estabilidade, sistema que induz o motorista a esterçar o volante no sentido correto em caso de perda de controle do veículo, assistente de partida em rampa, ajuste de altura do banco do motorista, vidros elétricos tipo “um toque” para as janelas dianteiras, sistema de áudio e rodas de liga leve.

A versão Personal é equipada com câmbio CVT, controle de velocidade de cruzeiro e repetidores de seta nos retrovisores. Já a versão LX oferece ainda faróis de neblina, controle de áudio e telefonia no volante e sistema rebatimento de bancos. A EX acrescenta apoio de braço revestido em couro com porta-objetos, ar-condicionado touchscreen, vidros elétricos tipo um toque para todas as janelas, câmera de ré, aletas para trocas de marchas, rodas de 16 polegadas, airbags laterais e luzes diurnas de LED junto aos faróis de neblina.

A topo de linha, a EXL, tem bancos revestidos em couro, airbags de cortina, faróis de LED, luzes diurnas integradas ao conjunto óptico, rebatimento elétrico dos retrovisores e novo sistema multimídia com tela tátil de sete polegadas e GPS, compatível com Android Auto e Apple CarPlay.

Novo Honda Fit
Versão topo de linha EXL (Honda/Divulgação)

Veja também: testes e comparativos no nosso canal de vídeo no Youtube

Design do novo Honda Fit

As mudanças de estilo não aproximam o modelo do WR-V, o irmão mais robusto lançado recentemente pela Honda. Aliás, destacam uma pegada um pouco mais esportiva do monovolume.

Os para-choques traseiros e dianteiros ficaram maiores e esticaram o Fit em 9,8 cm. A maior diferença está na traseira (8 cm). O objetivo é preservar a tampa do porta-malas de pequenos impactos, o que era uma falha no modelo anterior.

A grade dianteira recebeu detalhes cromados e faróis e lanternas ganharam contornos em LED. No interior, a principal novidade é o sistema multimídia com tela tátil de sete polegadas e GPS, compatível com Android Auto e Apple CarPlay. Nas versões EX e EXL o modelo ganhou apoio de braço integrado ao console central, com porta-objetos.

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (Seja o primeiro a avaliar)
Loading...
Clique na estrela para avaliar.
0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário