Para marcar posição

Uno chega à linha 2017 com novos motores, pacote tecnológico de respeito e com objetivo de se distanciar do recém-lançado Mobi

Por Marcus Celestino16/09/16 às 17h05

As similaridades entre Uno e Mobi, a princípio, serviram como tentativa para alavancar as vendas do pequenino modelo lançado em abril deste ano. No evento de lançamento do Mobi ele chegou a ser chamado de “Mini-Uno” por executivo da Fiat. Depois de muitas críticas, a fabricante minimizou a declaração e deu novo enfoque à comercialização do veículo. Além disso, tratou rapidamente de fazer mudanças tecnológicas e retocar o estilo do Uno velho de guerra (no mercado desde 1984, com nova geração nascida em 2010) a fim de distanciá-lo ainda mais do novato.

O Uno 2017 agora parte de R$ 41.840, quase R$ 2 mil a mais que seu predecessor, na versão Attractive 1.0 e chega até os R$ 53.690 na configuração Sporting 1.3 equipada com câmbio Dualogic.

São duas novas opções de motorização que substituem os antiquados Fire (que seguem equipando Palio e Mobi); incluindo, enfim, o tão aguardado 1.0 tricilíndrico do grupo FCA. O hatch também ficou mais tecnológico, ganhando itens como controles de tração e estabilidade, sistema antideslizamento e assistente de partida em aclives. A Fiat também deu uma leve mudança no visual do modelo – que já havia passado por pequena reestilização em 2014. Com nova grade e para-choques, a dianteira mudou sem abdicar da inconfundível identidade. Quanto ao interior, apenas grafismos para o quadro de instrumentos fazem as vezes de novidade.

A nova família de motores da Fiat promete ao consumidor mais eficiência e confiabilidade. Produzidos na planta da montadora em Betim, Minas Gerais, os propulsores Firefly (que receberam tal alcunha para remeter aos antigos Fire) 1.0 tricilíndrico e 1.3 de quatro cilindros aspirados têm significativa taxa de compressão de 13,2:1, favorecendo a queima do etanol.

O sistema de partida a frio deixa de lado o famigerado tanquinho e o condutor tem de dar aquela pisada na embreagem (agora semi-hidráulica) a fim de ligar o veículo. A dupla conta também com cabeçote de duas válvulas por cilindro. A solução é datada, mas a Fiat assume os riscos e afirma que seus motores são de excelência sem par nesta configuração e adotou tal medida para oferecer força máxima em baixas rotações. Vale frisar que os tricilíndricos presentes no mercado nacional têm quatro válvulas por cilindro.

Em termos de potência e torque os novos motores mostram ao que vieram. O 1.0 entrega 72cv de potência quando abastecido com gasolina e 77cv no álcool a 6.000 rpm. Contudo, 10,4/ 10,9 kgfm de torque são entregues na casa das 3.250 rpm. Já o 1.3 rende 101/ 109 cv de potência a 6.250 rpm e 13,7/ 14,2 kgfm, com gasolina e álcool respectivamente.

O Fire 1.0 atingia 73/ 75 cv e 9,5/ 9,9 kgfm e o propulsor 1.4 8V do Chevrolet Onix, por exemplo, gera 106 cv e 13,9 kgfm quando abastecido com etanol. Na transmissão nenhuma alteração. As opções ainda são a manual de cinco velocidades (com relação de diferencial mais alongada) e a automatizada Dualogic com seletor de teclas.

Conduzindo

A reportagem do AutoPapo teve contato com as versões 1.0 Way e Sporting 1.3. No 1.0 percebe-se rapidamente que não é mais aquele modorrento Fire, sem pegada alguma, engessado, que está debaixo do capô. O tricilíndrico aspirado faz o compacto rodar com desenvoltura no ciclo rodoviário e também pelas vias urbanas. O torque entregue em baixa rotação e o assistente de partida em aclives (oferecido como opcional nesta configuração dentro do Kit Tech, que sai por R$ 3.340) têm o sabor do manjar dos deuses na topografia acidentada da capital mineira, onde foi realizado o teste.

É claro que, como todo três cilindros, o motor é ruidoso, podendo causar certo incômodo aos ouvidos mais exigentes. O câmbio manual ainda decepciona com seus engates imprecisos, desajeitados e curso excessivamente longo. Como em todo Fiat, destaque para a suspensão, muito bem acertada e com ótima absorção das imperfeições. A manobrabilidade do Uno também é outro destaque. A nova direção assistida eletricamente trabalha bem e garante ao condutor certo conforto sem deixar de lado a precisão nas curvas.

Quanto ao Sporting, parece que finalmente a versão poderá gozar de sua alcunha. O motor 1.3 rendeu muito bem na estrada e a suspensão – 1 cm mais baixa que nas outras configurações e com amortecedores de maior carga – ajuda a propiciar condução esperta. Tudo bem que você se pegará reclamando vez ou outra do atrapalhado câmbio manual, mas certamente a performance do trem de força será melhor que a da configuração equipada com a Dualogic, caixa que transforma o habitáculo num liquidificador tamanha a indecisão (especialmente se você der aquela “sapatada” no acelerador, provocando o kick-down). Ainda assim, é boa opção ante ao que é oferecido pela concorrência.

O Uno 2017 oferece pacote razoavelmente generoso de itens. Tudo bem que os opcionais ainda são caros (o Sporting 1.3 Dualogic, com todas as plumas e paetês, pode sair por quase R$ 60 mil), mas o que vem de série agrada. Ar-condicionado, faróis de neblina, direção assistida eletricamente, vidros elétricos dianteiros com one touch, trava elétrica nas portas, computador de bordo e comandos no volante para o controle das funções já estão presentes desde o Attractive 1.0 – que responderá, segundo a fabricante, pela maior fatia do mix de vendas do modelo.

O Way 1.0 ganha barras longitudinais no teto, detalhes em grafite no interior, retrovisores com luzes indicadoras de direção, faróis com máscara negra e outros mimos. O Way 1.3 soma rádio RDS com entradas auxiliar e USB, start-stop e chave canivete com telecomando para os vidros elétricos. Quando equipado com transmissão Dualogic ganha ainda controles de estabilidade e tração, sistema antitravamento das rodas e aletas para trocas manuais. Para completar, a versão Sporting 1.3 tem suspensão com acerto esportivo, pseudo-spoiler na tampa traseira, rodas de liga leve aro 15’’ e outros pequenos acabamentos exclusivos da configuração. ESC, TC, ASR e Hill Holder são itens de serie apenas com câmbio Dualogic.

Confira os preços de todas as versões do Uno 2017:

Novo Uno Attractive 1.0 – R$ 41.840

Novo Uno Way 1.0 – R$ 42.970

Novo Uno Way 1.3 – R$ 47.640

Novo Uno Way 1.3 Dualogic – R$ 51.990

Novo Uno Sporting 1.3 – R$ 49.340

Novo Uno Sporting 1.3 Dualogic – R$ 53.690


VEÍCULOS RELACIONADOS

Veja mais sobre:


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário