Com o freio do carro não se brinca

O nível baixo do fluido sempre indica algum problema a ser resolvido na oficina. Ou se trata de um desgaste normal das pastilhas e lonas do sistema (e, quando o mecânico os substitui, o nível do fluído volta ao normal) ou é sinal de um vazamento do fluído em algum ponto do circuito hidráulico.

Por BORIS FELDMAN09/05/18 às 14h59

Quando se verifica o nível do óleo no cárter, puxando-se a vareta do motor, se ele estiver abaixo da marca de “Mínimo”, o motorista deve completá-lo. Com o fluido do freio é o contrário: ele é fácil de verificar, pois seu reservatório é transparente e fica sempre num local bem visível, perto do motor. Mas, se ele estiver abaixo do mínimo, não se deve completá-lo mas levar o carro direto para a oficina.

Claro que, se o reservatório não indica fluido abaixo do nível mínimo, mas pior, se encontra quase completamente vazio, deve-se completá-lo com o fluido para evitar de o carro ficar sem nenhum fluido antes de chegar na oficina e sem o sistema de freios.

freio a disco pastilhas mecanico

O nível baixo do fluido sempre indica algum problema a ser resolvido na oficina. Ou se trata de um desgaste normal das pastilhas e lonas do sistema (e, quando o mecânico os substitui, o nível do fluído volta ao normal) ou é sinal de um vazamento do fluído em algum ponto do circuito hidráulico. Cabe à oficina detectar sua origem e repará-lo. Quanto antes, melhor…

No caso da troca das pastilhas, poucos mecânicos se lembram de recomendar certo cuidado ao motorista, pois o freio não terá toda sua eficiência.

Que cuidado é esse?

É ter noção de que o carro vai demorar um pouco mais para reduzir a velocidade.

Por quê?

Quando se pisa no freio, o esforço do motorista no pedal é transmitido até a roda por um circuito hidráulico e as pastilhas (ou lonas) são pressionadas contra os discos. Este atrito é que faz o carro parar. Mas faz também surgir irregularidades no disco, riscos ou frisos.

Então, nos primeiros cem ou duzentos quilômetros com pastilhas novas, é preciso ir com certo cuidado até seu assentamento, até que haja um acasalamento entre pastilha e disco. Alias, se esta recomendação vale para o carro zero, onde as pastilhas e discos estão novos, ele é ainda mais importante no caso de uma pastilha nova com o disco usado.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário