Troca de óleo: mitos e verdades

Óleo do motor só se substitui no prazo ou quilometragem recomendadas no manual

Por BORIS FELDMAN20/04/18 às 15h07

Até o motorista que faz questão de nada entender do automóvel só se preocupa com um item: prazo da troca de óleo do motor. Fácil explicar: tem consciência de, ao não atender a sugestão de prazo ou quilometragem do fabricante, ter uma consequência grave no motor. Aliás, muito mais que grave: extremamente danosa ao seu saldo bancário.

Uma das falsas dicas de muitas oficinas e postos de troca de óleo é de não se trocar o filtro de óleo toda vez que se troca o próprio. Pode-se deixar para substituir o filtro apenas a cada duas vezes que se troca o óleo, é o que costumam recomendar.

Nada disso: sempre se acumulam umas sujeirinhas no filtro. Se ele não é substituído, estas sujeirinhas do óleo velho podem contaminar desnecessariamente o óleo novo. Além do mais, é o que pode ser considerado como “economia de palito”, pois o custo do filtro é insignificante diante de outras despesas de manutenção.

Aliás, em dúvida, basta conferir no manual do proprietário a recomendação da fábrica, de se trocar o filtro simultaneamente com o óleo.

Boris explica em que condições a troca de óleo e a substituição do filtro são necessárias. E alerta: ninguém no mundo é capaz de aferir a viscosidade colocando uma gotinha entre os dedos.

Também ao encostar no posto o motorista costuma receber dicas estranhas. O frentista, quando abre o capô para verificar níveis dos fluidos, puxa a vareta do nível e costuma colocar uma gotinha de óleo entre os dedos e fazer o alerta: “Cuidado doutor, este óleo já perdeu a viscosidade e deve ser trocado imediatamente”. Ou então, ele traz a própria vareta e diz: “Madame, veja como seu óleo está escuro! Já passou do momento de substituí-lo!”

Nem sempre o motorista tem noção de que a troca de óleo do motor só deve ser realizada no prazo ou quilometragem recomendadas no manual. E ninguém no mundo é capaz de aferir a viscosidade do óleo colocando uma gotinha entre os dedos ou por sua coloração. Mas, muitos donos de postos chegam até a estimular (e comissionar) seus frentistas na ânsia de aumentar o faturamento.

Boris explica em que condições a troca de óleo e a substituição do filtro são necessárias. E alerta: ninguém no mundo é capaz de aferir a viscosidade colocando uma gotinha entre os dedos.

Fotos | iStock

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rogério 19 de junho de 2018

    Tenho um cobalt 1.8 comprei ele zero km. A consecionaria falou que tem que trocar os óleo a cada semestre. Independente da kilometragem . É verdade?
    Gostaria de saber se a verdade isso. Meu carro está 8 il km. Troquei já 3x. Cobalt 1.8 ano 2016/2016.. alguém pode ajudar. Obrigado.

    • Armando Bezerra de Menezes Junior 22 de junho de 2018

      Bom dia vc roda muito com carro basta troca filtro e óleo cada 10. 000 km agora se vc roda pouco basta troca a cada 5000 km

    • Francisco 19 de agosto de 2018

      Opa.
      Se você der uma olhada no manual vai ver que só precisa trocar assim se você fizer uso severo do carro. (Andar sempre poucas distâncias, sendo Uber. Etc) e pelo oq me explicaram não precisa ser na concessionária.

  • Tony Karlos Dias 19 de junho de 2018

    Muito bom o que acabei de descobrir sobre carro Flex

Deixe um comentário