Harley-Davidson CVO Road Glide: tubarão mecânico

Equipada com o maior motor V2 da marca e sistema de entretenimento, a CVO Road Glide encara as estradas com muito conforto e carenagem nariz de tubarão

Por Teo Mascarenhas26/06/18 às 15h25

Exclusividade é uma das mais marcantes características da centenária marca norte-americana Harley-Davidson, instalada oficialmente no Brasil. É que os modelos são personalizados, assim que saem da vitrine, incorporando os milhares de acessórios e equipamentos disponíveis, tornando cada exemplar com customização “única”.

Para reforçar a personalização  (e também mais dólares que iriam para o mercado paralelo), a Harley-Davidson criou a divisão Custom  Vehicle Operations (CVO), que garante a exclusividade de fábrica, com sofisticação de equipamentos, pintura e decoração, além de maior desempenho.

Harley-Davidson CVO Road Glide é tunada de fábrica

O modelo Road Glide, versão CVO, chega ao mercado nacional, equipada com o maior propulsor já utilizado em linha pela marca. O tradicional V2, inclinados em 45 graus, com refrigeração a ar e óleo, fornece um torque digno de caminhão “trucado”, atingindo 17,23 kgfm a apenas 3.500 rpm. O motor é derivado do projeto “Milwaukee-Eight”, só que ampliado para 117 polegadas cúbicas, com a chancela Screamin’ Eagle (também preparadora de fábrica), que corresponde a 1.923 cm³ de cilindrada.

‘Tubarão’

A CVO Road Glide é uma touring, preparada para encarar as estradas, com visual Bagger. A frente bem mais alta com carenagem de faróis duplos batizada de nariz de tubarão, enquanto a traseira é mais baixa, com as bolsas laterais, para a bagagem.

A carenagem abriga também um pequeno para-brisa fumê. Para melhorar o conforto aerodinâmico e ventilação, a peça conta com entrada de ar frontal, além de laterais que podem ser abertas. Porém, o grande painel é o destaque, equipado com um sofisticado sistema multimídia.

Para entretenimento, a CVO Road Glide conta com quatro alto falantes de 150 watts de potência (dois na carenagem dianteira e dois nas bolsas traseiras), marca Boom, além de fones de ouvido sem fio com bluetooth, que permite a conversação com o passageiro e também com os pilotos das motos ao redor (até 10) em caso de viagens em grupo.

O sistema também recebe comandos vocais, além dos comandos no guidão em forma de joystick. Também conta com sistema GPS em tela digital colorida de 6,5 polegadas, que é sensível ao toque, mesmo de luvas.

Road Glide CVO na pista

Além da tela, o painel conta com instrumentos convencionais, com relógios para o velocímetro, conta-giros, nível do combustível e bateria. O banco baixo não dificulta o embarque e desembarque e encaixa o piloto para grandes quilometragens, em “parceria” com uma ergonomia de pés em plataformas e guidão mais largo.

As rodas são de liga leve, com 21 polegadas de diâmetro na dianteira. A roda maior deixa as mudanças de direção um pouco mais lentas, mas também suporta melhor as irregularidades do piso e “corta” as estradas como uma locomotiva.

Na hora de acelerar, o “vedoizão” 117 faz diferença. Empurra forte e não discute, especialmente nas retomadas, porém o câmbio continua ruidoso. Na estrada, a sexta marcha mais longa, permite velocidades mais elevadas com giros mais baixos. Os freios contam com dois discos na dianteira e um na traseira.

As suspensões também foram revistas, enquanto o peso em ordem de marcha, ou abastecida atinge 425 kg. A decoração tem ainda faixas vermelhas exclusivas e escape com acabamento nas ponteiras. A exclusividade da CVO Road Glide tem o preço sugerido de R$ 153.380.

Teo Mascarenhas

Especialista na cobertura do mercado de motocicletas e competições com mais de 30 anos de experiência.

Teo Mascarenhas

3 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Vinicius Francisco 28 de junho de 2018

    Que moto fantástica! Maravilhosa. Ainda bem que a H-D trouxe ao Brasil essa moto, depois de os clientes pedirem por tantos anos…

  • Guilherme Campos 27 de junho de 2018

    Credo! Nunca vi nada tão feio

    • Benedito J. Santos 27 de junho de 2018

      Também não!

Deixe um comentário