Coronavírus afeta fabricação de automóveis na China

Wuhan, um dos principais polos de produção de veículos no país, registrou mais de mil casos da doença e teve atividades fabris reduzidas

Por AutoPapo 28/01/20 às 10h54

Wuhan, marco zero do surto de coronavírus, é dos polos de produção de veículos na China. Sede de marcas como General Motors (GM), Nissan, Renault, Honda e PSA, a cidade abastece o mercado interno e exporta carros para diversos países. Acontece que, em razão do surto, as fabricantes operam em mínimas condições.

A cidade, com 11 milhões de habitantes, está parcialmente bloqueada depois que o aeroporto e as estações ferroviárias foram fechadas para passageiros que partiam com medo do surto se espalhando. Todos os serviços de transporte público da cidade foram suspensos e algumas das principais rodovias foram fechadas.

Foram confirmados 1.300 infectados e 41 mortos por coronavírus na chamada Detroit chinesa.

As interrupções no transporte, de acordo com a CNN, prejudicam as empresas em um momento em que as montadoras já estão lutando com a queda nas vendas. A indústria automobilística global está em recessão. O número de carros vendidos na China, o maior mercado do mundo, caiu 2,3 ​​milhões em 2019, segundo a LMC Automotive.

Conhecida como Detroit chinesa, Wuhan tem fabricação de véiculos comprometida pelo coronavírus. Cidade é sede de GM, PSA, Nissan...

As autoridades chinesas disseram que as vendas podem cair novamente este ano. Espera-se que os desligamentos relacionados ao coronavírus atinjam gastos durante o próximo feriado do Ano Novo Lunar, quando os consumidores normalmente gastam mais em viagens, entretenimento e presentes, informou a agência de classificação S&P Global.

A Renault vendeu quase 180.000 veículos na China no ano passado, ou cerca de 5% de suas vendas globais de carros. Ela fabrica seus principais veículos utilitários esportivos – os modelos Kadjar e Koleos 2 – na fábrica de Wuhan.

Segundo o site da Renault, a fábrica de Wuhan possui uma força de trabalho de 2.000 pessoas e capacidade anual de 300.000 veículos.

O Grupo PSA vende suas marcas Peugeot e Citroën na China. No ano passado, a empresa vendeu cerca de 117.000 veículos no país. A empresa não respondeu ao pedido de comentário sobre o tamanho de suas operações em Wuhan, mas disse que está “aplicando a recomendação das autoridades chinesas”.

A joint venture da Honda em Wuhan contribuiu com cerca de 11% para a receita do grupo no ano até março de 2019 e representou a maior parte de sua receita asiática de automóveis. A empresa abriu uma terceira fábrica em Wuhan em abril, de acordo com um comunicado à imprensa. Dado o próximo Ano Novo Lunar, as empresas podem não sentir o efeito do bloqueio por um tempo.

A Renault e a Honda disseram que suas fábricas em Wuhan já estavam fechadas para o feriado. Um porta-voz da Honda disse que sua fábrica estará fechada de 23 de janeiro a 2 de fevereiro.

“Estamos estudando cuidadosamente a questão por meio de diferentes departamentos e da China”, disse Yamane, da Renault à reportagem da CNN.  “Obviamente, estamos respeitando os regulamentos das autoridades chinesas”, acrescentou.

A GM diz que está acompanhando o desenvolvimento e aconselha os funcionários que não estão se sentindo bem para não virem ao trabalho. “O mais importante é conter o coronavírus – a produção é secundária à saúde da equipe e da comunidade”, disse o representante da GM, Jim Cain.

Foto Tyrone Siu | Agência Brasil

0 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Comentários com palavrões e ofensas não serão publicados. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Avatar
Deixe um comentário