Renault Fluence sobe no telhado e não terá substituto

Com vendas em queda e dirigidas apenas para frotistas, sedã deixará o mercado

Por AutoPapo08/11/17 às 15h34

O Renault Fluence já há algum tempo era praticamente um zumbi. O sedã, que passou por sua última atualização em 2014, só estava sendo vendido para frotistas. Com queda nas vendas, teve seu fim sacramentado hoje (8) pela própria fabricante.

Existem poucas unidades do Fluence nas concessionárias Renault. O modelo, equipado com motor 2.0, que gera 143 cv, e transmissão automática do tipo CVT beira a casa dos R$ 100 mil. Sobe no telhado muito por conta do domínio de Toyota Corolla e Honda Civic no segmento.  Os franceses admitem não terem um substituto para o Fluence. Praticamente jogaram a toalha ante a força de seus adversários nipônicos.

O Fluence é um veículo imponente, com design típico da Renault e detalhes luxuosos que conferem status a quem o conduz. No entanto, o perfil encurvado e arredondado não apaixona os brasileiros, que preferem linhas retas e ângulos bem marcados, especialmente neste segmento. O porta-malas tem ótimo tamanho, com 530 litros, e o modelo vem equipado com seis airbags, cintos de três pontos para todos os ocupantes, faróis com lavador, controle de estabilidade e tração, e sistema Isofix para fixação de cadeirinhas. Mesmo assim, Fluence, o telhado é logo ali.

Renault Fluence
Para facilitar a vida do leitor que deseja um carro novo, fizemos a lista sedãs médios automáticos e consumo. Veja quais são os mais beberrões da categoria.

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Marcelo Renato Jakubiu 1971918-9 28 de novembro de 2017

    Boa tarde. Sou ouvinte da Ouro Verde e escuto sempre o AutoPapo. Sou proprietário de um Fluence 2011. Carro que comprei, desta vez, pela “razão” e não pela “emoção”. Devido à sua segurança dos 6 airbags (tenho 2 filhas), conforme e também pelo design. E como proprietário fiquei frustado com o fato que ele sairá de linha. E pergunto: isto decreta uma desvalorização maior do veículo ou os seus benefícios superam isto?

Deixe um comentário