Troller: Ford não perdoa as brechas da lei

Os policiais cearenses não sabem o risco que correm ao volante do jipe produzido pela “fábrica de incentivos” da Ford

Por Boris Feldman18/03/18 às 09h52

Brecha 1 – O que levou a poderosa Ford a comprar a minúscula fábrica de jipes Troller, no interior do Ceará (Horizonte), em janeiro de 2007? Para Mário Araripe, seu proprietário, parecia um conto de fadas: as centenas de milhares de reais que pagara pela empresa dez anos antes transformaram-se em centenas de milhões.

A marca norte-americana não tinha know-how para fabricar jipes? Ou se curvou diante de uma revolução tecnológica implantada na Troller por Araripe?

Nada disso. Os inconfessáveis motivos que levaram a Ford a comprar a Troller foram os incentivos fiscais que a isentavam de pagar boa parte dos impostos gerados na linha de montagem. Quem sabia da verdadeira história dizia que a Ford tinha comprado uma “fábrica de incentivos”, pois a isenção passou a valer para qualquer unidade industrial instalada no Nordeste. Era onde a Ford queria chegar com sua peripécia tributária: em seu gigantesco complexo industrial em Camaçari, na Bahia.

Não se tratava, portanto, de deixar de recolher aos cofres públicos alguns trocados provenientes da fabricação de 2.000 ou 3.000 jipes por ano, mas os bilhões de reais gerados pela produção de 250 mil Ecosport, Ka e Ka+ por ano na Bahia. Esta foi a “esperteza” da Ford: aproveitar-se de uma brecha da lei e “convencer” governantes a viabilizar os incentivos do Ceará também na Bahia. Um gigantesco calote de bilhões rigorosamente dentro da lei.

Aliás, repetido pela Fiat que gostou da maracutaia e comprou uma pequena fábrica de peças no Pernambuco para fazer jus à isenção de impostos na fábrica da Jeep, em Goiana.

A rigor, o jipe Troller era um fiasco tecnológico e as poucas unidades vendidas de sua problemática versão picape (Pantanal) acabaram sendo recompradas aos donos pela Ford. Mas o governo do Ceará exigiu, para aprovar a negociata, que a empresa norte-americana mantivesse a linha em operação para garantir os empregos da fábrica. O que obrigou a Ford a investir para modernizar a linha de montagem e despejar tecnologia e engenharia para conferir um mínimo de qualidade ao jipe. Mas jamais colocou nele seu logotipo.

Brecha 2

No mês passado, a Ford iniciou a entrega de 50 jipes Troller T4 para diversas unidades de fiscalização do governo do Ceará. O que os policiais ao volante do T4 não imaginam é que estarão correndo sério risco, pois os jipes não contam com airbags para protegê-los em caso de acidente. Mas, não existe desde 2014 a obrigatoriedade de airbags em todos os veículos vendidos no país?

Troller é fábrica de incentivo para a Ford

Sim, mas vai aí outra brecha da lei espertamente aproveitada pela Ford: a legislação que tornou obrigatório o airbag isenta os veículos off-road do equipamento. O argumento: ao rodar em trilhas, eles se deparam com obstáculos e solavancos que podem disparar involuntariamente as bolsas infláveis. Concorrentes como o Jeep Wrangler ou o Suzuki Jimny oferecem os airbags. Alguns jipes permitem desligá-los quando entram na trilha.

O Troller T4 não é apenas um jipinho bom no off-road, mas a Ford caprichou no acabamento da nova geração para que seja visto pelo mercado como um utilitário esportivo de verdade, com maior porta-malas, ar-condicionado, som estéreo, direção assistida, bancos em couro e outras mordomias, para justificar o preço de R$ 130 mil. Tem freios ABS e um motorzão diesel de 200 cv, mais potente que muito SUV importado e que acelera para valer o Troller.

Houvesse no Brasil uma legítima preocupação com a segurança veicular, bastaria exigir um simples comando (manual ou automático) para desligar as bolsas infláveis dos fora de estrada quando estivessem em trilhas. Caso provável dos policiais cearenses a bordo do Troller perseguindo bandidos em ruas e estradas.

Mas, lamentavelmente, o foco do governo e das empresas brasileiras não está exatamente na segurança veicular…

Foto Troller | Divulgação

SOBRE

36 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • DÁRIO 20 de março de 2018

    Ivan Vasconcellos parabéns pelo comentário. Já os demais distorceram o brilhante comentário do Boris.

  • Paulo soraggi 20 de março de 2018

    Nao sejamos hipocritas. Afinal somos brasileiros. 100% daqueles que esceevem neste espaco e inclusive o reporter vive buscando brechas nas leis para benefícios. E vamos falar de tributacao? Ora. O pais com maior tributacao do mundo tambem tem brechas. Quantos de vcs que escrevem aqui ja foram ao Paraguai ou compraram pridutos de la oubda China? Reflitam.
    Qualque um aqui se estivesse na Ford faria o mesmo

  • Felipe 20 de março de 2018

    Primeiro o troller nao tem aibag mas pq nao falou do space frame? Uma caiola de proteção a qual eu ja vi acidentes de capotamento em que se nao fosse isso nao teria salvo a vida dos ocupantes. Aaah deve ser porque o airbag se tornou algo comercial, te enfiam guela abaixo 12 airbag mas num capotamento de serra o qual o teto do seu carro será totalmente achatado não há airbag que proteja. Aahhh mas por que um botao pra desligar o aor bag? Claro ai tu entra num rio com o carro queima meia dúzia de sensores que nao ira garantir o funcionamento do airbag, autor do texto mandou bem quando falo de impostos, mas comeu * com sucrilhos quando falou em segurança, se airbag fosse bom carro de rally usava ao invés do space frame, conheça o carro antes de falar besteira

    EDITADO

  • Jorge Luiz Hammes 20 de março de 2018

    A rigor, o jipe Troller era um fiasco tecnológico e as poucas unidades vendidas de sua problemática versão picape (Pantanal) acabaram sendo recompradas aos donos pela Ford. Isso deveria ter sido feito também com os consumidores “TROLLADOS” que adquiriram o modelo TGV 3.2.
    O meu jipe ja estourou 21 bicos injetores .

  • SIDNEY melo 20 de março de 2018

    Já possuí troller. O veículo tem muitos pontos positivos mas, esse ponto do AIRBAG é só m absurdo. De toda forma, o que o jornalista deu ênfase foi à manobra oportunista de uma multinacional numa negociação predatória e danosa para o país. Parabenizo pela clareza e honestidade do texto.

  • Maurício 20 de março de 2018

    Q baboseira

  • Anderson 19 de março de 2018

    O nome disso chama-se : POLÍTICA

    A visão de toda empresa hoje é , produzir mais com menos , ou seja , se o Brasil quer escravizar a sua população por alguns trocados com certeza muitos investidores estrangeiros vão lucrar com essa opção dada pelos chefes de estados !

  • Victor 19 de março de 2018

    Policiais nem usam cinto de segurança. Pra que reclamar de air bag? Outra coisa: ninguém é obrigado a computar Troller. Compre um Chery QQ com airbag e bata num Troller pra ver quem está melhor protegido.

  • Vitor filho 19 de março de 2018

    Kkkkkkkk.. impressionante, ler a manifestação passional, de alguns funcionários da “Forde”, sobre a matéria. Boris, PARABÉNS pela sua matéria, que é bastante exclarecedora.

  • Alex 19 de março de 2018

    O autor desse artigo claramente não sabe o que tá falando. Vá estudar mais sobre automóveis antes de escrever.

  • Ricardo Aparecido 19 de março de 2018

    Olá galera, bem em relação ao Troller acho um carro excelente, sobre a segurança fica um ponto de interrogação pois erbag é bom mas também é falho, minha opinião é que o Troller deveria ter sim ou senão ter o valor mas barato pois pagar 130 mil num carro, deveria ser completo ou pelo menos ser mais baratos, mas é uma máquina muito boa.

  • Cássio Murakami 19 de março de 2018

    Xingar o autor ou qualquer pessoa é lamentável. Isso não é democracia.
    As pessoas querem por que querem que seus carros tenham 4, 6, 7 air bags e controle de tração e estabilidade, mas não falam nada quando um T4 não tem nem air bags? Acho que tem algo de errado aí…
    Wrangler e Jimny, que são puro off-roaders, têm air bags e o T4 não tem? Acho que tem algo de errado aí…
    Acho que o Bóris exagerou ao falar mal do carro, que mesmo precário, se mostrou bem competente, mas parece que ele tocou no cerne da questão.

  • Cássio 19 de março de 2018

    Comentários xingando o Bóris são realmente lamentáveis.
    Mas pera lá, o brasileiro exige por que exige de pé junto que todo carro tem que ter 4, 6, 7 air bags e controle de tração e estabilidade, mas defende que o T4 não precisa tê-lo? acho que tem algo de errado aí…
    Como o Boris falou, Wrangler e Jimny são off-roaders puros e têm air bags, e o Wrangler não? acho que tem algo de errado aí…
    Acho que o Boris exagerou ao falar mal do T4, mas parece que ele tocou no cerne da questão mesmo.

  • Max Rúfilo 19 de março de 2018

    Matéria ruim, perdi meu tempo…que tal colocar pneus offroad em sedã normal para andar em trilhas no intuito de fazer policiamento em locais de dificil acesso??
    Troller é fantastico, gostaria muito de ter um!

  • Nil Araújo 19 de março de 2018

    o repórter deve ter feito a pesquisa nos fóruns do marruá. rsrs que reportagem idiota! literalmente o repórter não tem o mínimo de conhecimento de causa.

  • Leonardo Barros 19 de março de 2018

    Muito boa reportagem ! Essas montadoras multinacionais são mesmo muito espertas, exploram a economia dos países em desenvolvimento, lucrando bilhões anualmente. Enquanto que o que oferece,em termos de automóveis de qualidade, fica muito, muito a desejar ! As autoridades federais deveriam investigar isso ! Alô MPF ! Povo brasileiro vos clama!

  • Michael 19 de março de 2018

    Se eu fosse a Ford faria o mesmo!

  • Daniel Otávio 19 de março de 2018

    Certa está a Ford. Pagar imposto nesse país é financiar o crime organizado. A lógica de qualquer empresa é sempre o lucro. O que realmente faz o carro brasileiro ser caro é o nosso mercado ser fechado. Tente importar um carro para ver o preço com que ele vai chegar até você. Não que as montadoras não tenham um dedinho nessa maracutaia mas o nosso governo é o sócio majoritário da coisa. Tudo fica mais óbvio quando analisamos a proibição de importação de carros usados com menos de 30 anos. A única razão para tal proibição é que mesmo com as taxas absurdas tais carros fariam as vendas dos zero km daqui despencarem. Vejam quanto custa um Camaro seminovo com dois anos de uso e apliquem as taxas de importação para ficarem com raiva. Muita raiva!

  • Iran 19 de março de 2018

    Qual o empresário que respeita as leis do Brasil?

  • Julio 19 de março de 2018

    Boris, mais uma vez você se superou em mostrar tamanha ignorância no setor automobilístico. Meu caro, você está falando de segurança por airbags? Para o propósito da aquisição feita pela policia cearensrque, esse tipo de carro nao serve para fazer perseguições policiais e sim, no máximo, patrulhas de fiscalização. Porque você não se aposenta e larga de falar abobrinhas??? Tenho certeza que você nunca andou em um Troller e nem sabe o quanto é prazeroso dirigi-lo. Só pra você saber, fiz uma expedição pela América do Sul com meu Troller e curti muito por onde andei. Sabe porque? Porque não é um carro projetado para correr e sim para encarar desafios e curtir a vida. Entenda o propósito do produto antes fe fazer a crítica. Outra coisa, trata-se de licitação pública e a Troller ganhou. Se nao houve exigencia de airbags no edital, qual o problema dos carros virem sem? Entao, na sua opinião medíocre, a culpa é da Troller ou de quem montou o edital? Bem vindo ao mundo dos negocios!!!! É assim que funciona, caro Boris!!! Pare e pense antes de escrever suas asneiras!!!!!

  • Luan Moura 19 de março de 2018

    Que reportagem podre, só para começar a fábrica da Jeep foi feita do zero e a isenção de impostos é a mesma que a Moura tem, que a VW no ABC tem, todas tem e nem deveria existir para começar, pq é um absurdo esse sistema de parece ser bonzinho enquanto enfia a faca com impostos em cima de impostos e tira 5% disso para ser bonzinho. Outros 500 é essa da segurança, a maioria dos policiais não usam cinto de segurança, se o guru do portal não sabe, o airbag acionado e o passageiro sem cinto pode causar mais lesões que sem o dispositivo, a falta do airbag é ruim mesmo para o consumidor comum, que muitos hoje compram um Troller para andar nas cidades e estradas iguais aos consumidores do Ford Bronco no EUA criando a onda de SUV parudão.

  • Vitor filho 19 de março de 2018

    O brasileiro tem síndrome de “Macunaíma”…. Conheço bem este veículo, ainda cheio de arranjos e quebra galhos. Não existe rede de assistência técnica competente, apenas alguns oportunistas. No seu país de origem, a Ford nunca venderia esse produto e é, por isso mesmo, a toda poderosa, nunca botaria sua grife estampada no “jipão”.

  • Gilson Campos 19 de março de 2018

    Claramente a segurança não é preocupação do Denatram e das montadoras…. Sob este foco, tenho que é um absurdo a venda de veículos com step temporário, um pneu de dimensões diferentes dos demais e que traz a advertência de limite de velocidade o que comprova a falta de segurança. Em minha opinião tal prática deveria ser proibida

  • Jabez Soares 18 de março de 2018

    O escritor do blog comeu mosca agora, hein?
    Tá chamando os policiais de burros ao dizer que eles não sabem o risco que correm (só por não ter a bola de ar?).
    Outra, no Wrangler tem registro de acionamento da bolsa de ar mesmo estando desativado o recurso. É seguro?

    Procurar os meios legais para pagar menos impostos é errado? Errado é quem fez uma lei porca dessa.

  • Arnaldo 18 de março de 2018

    Quanto menos dinheiro pro estado melhor.

  • Vladimir 18 de março de 2018

    É bem verdade q tah caro o troller, bem verdade q a Ford deu uma boa sacada em relação aos impostos, mas dizer q a troller não era nada antes da Ford compra lá ,isso não é verdade, pois a troller conquistou muitas vitórias no Rally Dakar , isto lá no continente Africano, devemos e precisamos valorizar a capacidade Brasileira,

  • Jhones 18 de março de 2018

    Meu irmão tem uma oficina de 4×4 desde 2000, importados e nacionais… Desde sempre o troller se destacou nos rallyes e principalmente nas dunas praianas! Quantas e quantas vezes ele não teve que pegar o troller “negão” (apelido do troller) e ir rebocar Hilux, Discovery e outros carros atolados nas dunas de Jericoacoara! Troller pode ser muitas coisas, mas ruim é uma coisa que ele não é.

  • NORDESTINO E ORGULHOSO 18 de março de 2018

    O excesso de crítica me parece que é devido ao fato da Troller ser uma empresa originalmente nordestina. O pessoal do centro-sul acha que a região não merece qualquer desenvolvimento ou que seus habitantes são menos capazes que os de outras partes do país. Muito antes da Ford o T4 já reinava no fora de estrada do Nordeste. E outra, é graças as isenções fiscais que hoje milhares de pessoas, a maioria oriunda dos estados do NE, são qualificadas e empregadas nas fábricas do Ceará, Bahia e Pernambuco, caso contrário essas fábricas teriam se instalado nos mesmos locais de sempre (São Paulo, Minas e algum estado do Sul). E o Brasil não se resume a SP, RJ e Sul, o Nordeste também tem seu valor, mesmo que vocês, aí de “baixo”, achem isso ruim, talvez porque perde a graça da famigerada piada do nordestino analfabeto que anda de jumento e come cacto pra não morrer na seca.

  • DANILO SANTOS MARCO ANTONIO 18 de março de 2018

    Creio que tudo que foi feito pelas montadoras foram dentro da lei, movimentos de negócios permitido e estimulado pelo governo. E houveram resultados, agora o Troller é um produto melhor com mais vendas, mais empregos. A FCA tbm investiu muito com a nova fábrica e estas geraram empregos. Creio que esse é o foco a ser dado.

  • Ciro 18 de março de 2018

    Reclamar de um air-bag no Troller. É realmente coisa de quem não usa carro off-road.
    Troller é o veículo com mais problemas de fábrica que existe, cheio de defeitos, Mas que todos são felizes proprietários mesmo sabendo dos problemas.
    E se achar que precisa de air-bag olha no YouTube os acidentes com Troller e veja se realmente faz falta.
    Horrível esses comentários sobre segurança em carro off-road. Eu não usaria um Troller com air-bag e acho que não parte dos proprietários trilheiros também não.

  • Felipe 18 de março de 2018

    Veja como eu sou burro, jurava que era pra patrlhar as dunas o não as estradas. Nas estradas e melhor usar um Renegade, com airbag.

  • Bob 18 de março de 2018

    Lamentável a matéria, pela chamada pensei em algo muito, muito sério, então veio a decepção!

  • Antero Coelho 18 de março de 2018

    Ivan…as montadoras só seguem o que, um dia, um ex-presidente da Volkswagen Brasileira afirmou…
    Ao ser perguntado sobre os altos preços dos automóveis no Brasil…depois de argumentar sobre os altos impostos, e questionado pelo jornalista sobre o lucro liquido das montadoras no Brasil ser um dos mais altos do mundo, ele respondeu: As montadoras cobram o preço que o cliente está disposto a pagar.
    Ou seja: Se o otário quer pagar caro pelo meu automóvel…F***-se…
    O mesmo ocorre com a segurança…

  • Marcilio 18 de março de 2018

    Não é bem assim Ivan, essa questão do Troller é um caso a parte. O EcoSport 2017/2018 saiu com 7 air bags em todas as versões, controle de estabilidade e tração. Foi o diferencial que fez com que eu o comprasse comparando a concorrência na mesma faixa de preços.

  • IVAN VASCONCELLOS 18 de março de 2018

    Boa Boris! Mai uma vez estou te aplaudindo, de pé.
    Me sinto decepcionado e triste com as montadoras americanas, principalmente a Ford, com relação à segurança embarcada nos carros vendidos no Brasil. A velha história dos projetos para “emergentes”.
    Enquanto os brasileiros continuarem comprando carros só porque são “bonitinhos”, elas (montadoras) vão continuara a “deitar e rolar”.

  • Cesiro 18 de março de 2018

    Enquanto nós, míseros viventes deste país pagamos impostos abusivos, outros ganham isenção dentro da lei.
    Paizinho merrecas!

Deixe um comentário