Você está abastecendo do jeito errado?

Por BORIS FELDMAN03/05/18 às 13h20

Fico impressionado com a quantidade de frentistas que teima em continuar abastecendo do jeito errado, enchendo o tanque até o gargalo. Às vezes, tomam eles mesmo a decisão e nem perguntam antes: “É para encher direto, madame?”

No passado, o maior problema provocado pela gasolina até o bocal do tanque era a possibilidade de o combustível vazar pela tampa e manchar a pintura.

Hoje, tem um problema mais grave, o do canister. É como se chama um filtro que recebe os gases do tanque para evitar a poluição da atmosfera. Estes gases são formados pelo combustível e chegam ao canister por um tubinho que fica no alto do tanque. Por isso, deve-se deixar vazio o espaço de alguns litros de combustível, já previsto pelas fábricas de automóveis e das bombas dos postos.

Ora, se o frentista “engana” o sistema automático que trava o abastecimento e enche o tanque até a boca, o canister vai receber combustível líquido ao invés de gases. Além de se danificar, ainda prejudica o funcionamento do motor por estar conectado à central eletrônica. Muitas vezes a marcha-lenta falha, o motor tosse, espirra, o mecânico faz de tudo e não descobre a causa do problema. Pois se esquece de verificar o canister.

É difícil identificar o porquê desta mania: talvez o dono do posto estimule o frentista a continuar abastecendo mesmo até a boca, para faturar mais alguns litros: no final do dia pode fazer diferença.

Outros o fazem para arredondar a quantia a ser paga e evitar o troco, embora quase todos paguem hoje o abastecimento com cartão de credito. Em alguns casos, o próprio motorista pede para encher até a boca para aumentar a autonomia, poder rodar mais alguns quilômetros antes do próximo abastecimento.

O fato é que essa “mania” já criou até algumas habilidades dos frentistas, que manipulam o bico injetor do combustível no gargalo, de modo a evitar o desarme automático do abastecimento. Ou seja, o que os fabricantes de automóveis e bombas dos postos fazem o possível para evitar, frentistas e motoristas fazem o possível para ludibriar.

frentistas insistem em continuar abastecendo do jeito errado

Foto Marcelo Camargo | Agência Brasil

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

3 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Julio Chaves 4 de maio de 2018

    Como sempre, a culpa sempre é do frentista.
    É isso que deixa https://www.facebook.com/frentistasdepressivos/

  • Julio 10 de março de 2018

    Já fui frentista e sempre odiei está prática, mas como eu trabalhava no último posto da cidade antes da rodovia os motoristas me obrigavam a encher o tanque até a boca o que sempre gerava o medo de derramar combustivel na pintura , pior de tudo que na época tinham uns modelos de carros que pegavam muito combustível depois do primeiro desarme do bico ex: Monza pegava 5 litros!

  • Jerrie Alves Pereira 21 de fevereiro de 2018

    Eu não sabia disso..
    1 pergunta…eu enchi o tanque do meu carro até boca…depois percebi que ele ficou xoxo….deu uma enfraquecida..eu gostaria de saber…se deixar com o tempo ele retoma a força sozinho…

Deixe um comentário