Verdades sobre a ‘gasolina formulada’

Ela pode ter menos densidade e, por consequência, aumentar o consumo; os demais boatos não passam de especulação

Por Laurie Andrade04/04/18 às 14h15

Os combustíveis são fontes quase inesgotáveis de boataria. Muito se fala sobre fórmulas mágicas para aumentar potência e diminuir o consumo. A especulação da vez é sobre a gasolina formulada. Alguns postos de combustíveis estão tão preocupados com a má fama desse tipo de gasolina que até colocaram faixas afirmando que só vendem a gasolina refinada.

Mas, afinal, o que é a gasolina formulada?

Bem, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), toda a gasolina produzida no Brasil é formulada. Isso porque a gasolina é uma mistura de correntes de hidrocarbonetos que pode ser obtida por diferentes processos. Podendo ser feita por refinaria ou por outros agentes econômicos autorizados pela ANP, como formuladores e centrais petroquímicas.

O Diretor de Combustíveis da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), Rogério Gonçalves, explica que a afirmação está correta, mas que existe uma diferença entre os processos citados: a gasolina refinada é feita pelas refinarias e a gasolina apelidada de formulada é “montada” pelos formuladores.

“A ANP criou há algum tempo a função de formulador, que é a empresa que compra a matéria-prima das refinarias e monta um composto chamado de gasolina formulada” explica Gonçalves. Como a ANP não exige, desde 2015, um padrão de densidade para a gasolina, as empresas formuladoras podem fazer um composto mais leve, com menos massa e, consequentemente, menos energia.

O diretor de combustíveis completa “a ‘gasolina formulada’ produzida adequadamente, com matérias-primas de qualidade, não traz nenhum malefício para o carro. Isso porque as especificações da ANP valem também para esse tipo de gasolina. A única diferença possível é o pior consumo”. Para tentar sanar esse problema, a AEA propôs à ANP estabelecer limites de densidade na especificação do combustível. De acordo com o especialista, a Europa também adota massa específica para a gasolina. Gonçalves afirma, ainda, que fazer essa análise é fácil, os medidores poderiam, inclusive, ficar instalados nas bombas dos postos.

Um Projeto de Lei tramita na Câmara dos deputados com o intuito de obrigar os postos a informarem se a gasolina vendida é refinada ou formulada. Alguns Estados, como o Paraná, já exigem que os postos de combustíveis a indicar qual o tipo de gasolina estão oferecendo aos consumidores.

Já ouviu falar em gasolina formulada? Desvendamos os boatos mais comuns sobre esse tipo de combustível que nada mais é que uma gasolina feita com matéria-prima comprada nas refinarias por empresas autorizadas pela ANP.

Visto que é um direito do consumidor saber a origem dos produtos que compra, a AEA enxerga com bons olhos a iniciativa do PL. De acordo com a ANP, desde que a gasolina atenda às especificações estabelecidas, a origem da sua produção não interfere na qualidade do produto.

Formuladores

Para trabalhar como agente formulador de combustíveis, a empresa precisa atender aos requisitos técnicos, econômicos e jurídicos dispostos na Resolução ANP nº 5, de 26/01/2012. Atualmente apenas três instituições estão autorizadas pela ANP para produzir a gasolina formulada. São elas: Copape Produtos de Petróleo LTDA,  Decal Brasil LTDA e EGCEL, sendo que a última ainda está em construção.

A reportagem tentou entrar em contato com as duas empresas em operação para saber para quem as formuladoras vendem a sua gasolina, mas não obteve sucesso.

Veja, abaixo, as falácias mais comuns quando o assunto é gasolina formulada:

  • Rende de 10 a 15% menos que a gasolina comum

Não há pesquisas registradas que analisem uma quantidade suficiente de ‘gasolinas formuladas’ para confirmar o número. Mas é uma possibilidade.

  • É mais fácil de ser adulterada

A gasolina de fomuladores pode ser adulterada, assim como a refinada. Inclusive as duas possuem o mesmo comportamento no teste da proveta.

  • Uso a longo prazo pode entupir bicos injetores

Essa afirmação não faz sentido. Até porque, se a gasolina é mais leve, tende a depositar menos resíduos.

  • É feita a partir das sobras do processo de refinamento de outros combustíveis

A ‘gasolina formulada’ é feita a partir de matérias-primas compradas das refinarias

  • Deve ser vendida por preços inferiores

Não há nenhuma determinação na lei que obrigue os postos a discriminar os dois tipos de gasolina

Na dúvida, abasteça em postos de confiança.

Irrelevante

Em fevereiro, os dois agentes econômicos denominados formuladores – Copape e Decal – produziram cerca de 12 mil m³ de gasolina, enquanto a produção total do país foi de cerca de 4,2 milhões de m³. A quantidade de ‘gasolina formulada’ corresponde a 0,2% do total do combustível produzido no mês.

7 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Marcelo Ferreira 3 de junho de 2018

    A Shell que introduziu esse lixo no mercado, seus postos são 100% formulada.

  • Rodolfo 6 de abril de 2018

    Eu estava pensando agora… já que essa gasolina “formulada” não faz mal algum ao motor, então o “Auto Papo” podia entrevistar um produtor e distribuidor de renome mundial, como por explemplo a própria “Shell”, e perguntar pra “Shell” porque eles não usam a gasolina “formulada” para passar a todos os postos de gasolina que possuem a sua bandeira.

  • Rodolfo 5 de abril de 2018

    “Bem, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), toda a gasolina produzida no Brasil é formulada. Isso porque a gasolina é uma mistura de correntes de hidrocarbonetos que pode ser obtida por diferentes processos. Podendo ser feita por refinaria ou por outros agentes econômicos autorizados pela ANP, como formuladores e centrais petroquímicas”.

    Mas gasolina é hidrocarnoneto, assim como solventes (querosene, diesel, tiner, aguarras, etc) são também hidrocarbonetos, ou seja, derivado de petróleo é um hidrocarboneto. Mas uma coisa é certa: “gasolina é gasolina” e “querosene é querosene”…

  • Rodolfo 5 de abril de 2018

    Corrigindo o texto acima…

    Onde se lê: “Gostaria de saber se a gasolina “formulada” pode causar danos”

    Leia-se: “Gostaria de saber se a gasolina “formulada” pode causar danos ao óleo do motor”.

  • Rodolfo 5 de abril de 2018

    Bom artigo!

    Gostaria de saber se a gasolina “formulada” pode causar danos, pois li na tese de mestrado abaixo que a gasolina “batizada” pode estragar o lubrificante do motor, então a logo ou médio prazo pode provocar a temida borra de óleo que pode fundir o motor por falta de lubrificação.

    Veja os seguintes trechos da referida tese:

    “Em motores de combustão interna, os estudos dos efeitos da adulteração do combustível se concentram nos problemas que ocorrem no sistema de alimentação, porém pouca atenção é dada ao lubrificante. Esta análise avalia esta degradação precoce do lubrificante a partir das alterações físicas e químicas sofridas por este ao utilizar gasolina adulterada em um motor de combustão interna”.

    “Foram utilizados combustíveis adulterados com etanol, querosene e thinner nas proporções de 5%, 10%, 15% e 20%, além de um teste com gasolina adulterada com querosene na razão de 1% até 8%. Os ciclos foram de 40 horas cada, o que equivale a aproximadamente 2.000 km rodados”.

    “Os resultados mostraram as alterações de rotação conforme o esperado, quanto aos outros testes, foi mostrado que o lubrificante também sofreu alterações. Alguns elementos aditivos foram consumidos com a adulteração. O desgaste de máquina foi pequeno, porém os níveis de sulfatação, nitretação e oxidação foram alterados indicando a degradação do óleo lubrificante”.

    Grato,

    ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEL NA DEGRADAÇÃO DO LUBRIFICANTE E DO MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA
    Autor: RONALDO LOURENÇO FERREIRA
    Ilha Solteira
    2017

    Disponível em:

    https://repositorio.unesp.br/handle/11449/149975

  • Leirto Eliad 4 de abril de 2018

    Oi Boris, gostaria de saber sua opinião sobre o do vapor de gasolina, traz alguma consequência ao motor do carro?

Deixe um comentário