Etanol aditivado traz benefícios? Não, é propaganda enganosa

Como o percentual de carbono do etanol é muito inferior (cerca de apenas 1/3) em relação ao da gasolina, a possibilidade de formação de depósitos carboníferos nas câmaras de combustão do motor é quase nenhuma

Por BORIS FELDMAN28/04/18 às 15h07

Uma leitora do AutoPapo diz que parou recentemente num posto para abastecer seu carro flex com etanol e o frentista sugeriu o aditivado. Ela ficou em dúvida, mas autorizou o frentista, na certeza de estar protegendo o motor.

A pergunta: fez bem ou mal? A resposta: depende… Para o dono do posto de combustíveis, fez muito bem. Para o bolso da leitora, muito mal.

Etanol aditivado traz benefícios? Não, é propaganda enganosa

No caso da gasolina, a aditivação é muito importante pois os aditivos detergentes dispersantes são elementos químicos que evitam a formação de depósitos carboníferos e mantêm limpa a câmara de combustão. Estes depósitos ficam incandescentes em elevadas temperaturas e provocam a auto-ignição (“batida de pino”), que prejudica o funcionamento e pode até danificar o motor.

No caso do etanol, seu percentual de carbono é muito inferior (cerca de apenas 1/3) em relação ao da gasolina. Ora, se o teor de carbono do etanol é muito baixo, a possibilidade de formação de depósitos carboníferos na câmara de combustão é quase nenhuma. Ou seja, usar etanol aditivado até não faz mal, mas é desnecessário. É jogar dinheiro no lixo.

Outra propaganda enganosa nos postos é sobre a gasolina aditivada. Ela é importante por manter limpa a câmara de combustão. Mas as distribuidoras anunciam gasolinas “especiais”, do tipo Grid daqui, Nitro dali, Power dacolá que aumentariam a potência do motor.

Conversa para boi dormir: a única gasolina que aumenta de fato o desempenho é a que tem maior índice de octanagem, Podium ou Premium. Mesmo assim, desde que o motor tenha uma elevada taxa de compressão (veja no manual), característica de carros esportivos e de alto desempenho. Usar gasolina de maior octanagem em motores de baixa compressão também é jogar dinheiro no lixo.

Foto iStock

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Hudson Gonçalves 9 de julho de 2018

    Belo comentário 👏👏👏

Deixe um comentário