Perder a garantia é conversa para boi dormir

Se o carro for levado à concessionária para revisão dentro do prazo ou da quilometragem recomendada pelo fabricante, não há como perder a garantia

Por BORIS FELDMAN05/05/18 às 11h45

A maioria das concessionária segue rigorosamente o prescrito pela fábrica ao fazer a revisão periódica. Executa e cobra exatamente os itens a serem verificados e revisados aos 10 mil km, 20 mil, 30 mil, etc. E o preço predeterminado pelo fabricante é respeitado, sem pedir um centavo mais ao dono do carro. Mas há aquelas que dizem que o carro pode perder a garantia.

Há casos, entretanto, em que a oficina percebe uma anomalia. As vezes, o próprio motorista pede que seja executado um item adicional. Algum reparo em função de um problema específico. O carro pode ter passado por um buraco e distorcido a suspensão, prejudicado um amortecedor ou afetado algum componente da direção.

Mas, tem também a “criatividade”. A concessionária que aproveita a presença do automóvel na oficina para enfiar a mão no bolso do dono empurrando o serviço desnecessário, o produto imprestável. A famosa empurroterapia: limpeza de bico injetor, descarbonização do motor, lubrificação de maçaneta, vitrificação da pintura e outras inutilidades do gênero.

Já criaram até categoria extra de revisão. Você chega com o carro na recepção da oficina e está lá o quadro explicativo: Tem a “Revisão Normal” pela qual se cobra o previsto e outras, do tipo “Revisão VIP”, Revisão “Premium” e outras modalidades diversas de se cobrar mais que o devido.

Se o carro for levado à concessionária para revisão dentro do prazo ou da quilometragem recomendada pelo fabricante, não há como perder a garantia.

Algumas concessionárias apenas sugerem os itens extras, na base do “sicola”: se colar, faz, caso contrário, executa apenas o previsto. Mas, outras, mais agressivas, chantageiam o dono do carro e até o ameaçam com perda de garantia caso ele não concorde com sua execução.

Mas, basta levar o manual dentro do porta-luvas e exibi-lo caso no caso de apelação da concessionária. Lá está uma lista com todos os itens a serem executados. Os demais ficam por conta da “empurroterapia”.

Se o carro for levado à concessionária para revisão dentro do prazo ou da quilometragem recomendada pelo fabricante, não há como perder a garantia. O dono do carro tem todo o direito de negar qualquer serviço extra, verdadeira conversa para boi dormir.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Marcos 7 de maio de 2018

    É verdade que se o carro é blindado a revisao deve ser feita de 6 em 6 meses!….senao perderia a garantia!!??….ou seria tambem uma sacanagem por parte da concessionária querendo que o carro troque oleo de motor …por exemplo em espaco tao curto de tempo…..meu carro tem 14.000 km…..e já foi na concessionária 4 xs.para a concessionária para que não perdesse a garantia!!….procede?….pode?…..em qual documento que diz que um carro por ser blindado teria que fazer mais revisões que outro carro que não é blindado?!

  • Ademir Santana 5 de maio de 2018

    Comprei um carro zero ônix Chevrolet.
    É verdade que tenho que trocar o óleo do motor com 5000 km para não perder a garantia da fábrica sobre o veículo?

Deixe um comentário