Pneu mais fino é melhor em evitar aquaplanagem

Quanto mais largo for o pneu de um carro, mais tendência ele terá para cair na aquaplanagem quando estiver em uma pista molhada

Por BORIS FELDMAN12/07/18 às 19h00

Já comentamos nesta coluna sobre os perigos da aquaplanagem. Fenômeno que acontece quase sempre quando chove e se forma uma lâmina de água sobre o asfalto. Se acontece de o automóvel subir nesta água como se estivesse esquiando sobre ela, os pneus perdem o contato com o asfalto. E nessa hora não há o que fazer: nem virar o volante, acelerar, nem frear. Pois, como o carro não obedece, o jeito é rezar para que ele saia lá na frente alinhado com a pista.

pneu mais fino é melhor para aquaplanagem

O que alguns leitores questionam é se não existe algum jeito de se reduzir o risco da aquaplanagem. Existe:
O primeiro é a velocidade: quanto mais rápido, maior a possibilidade de os pneus “subirem” e esquiarem sobre a água. Exatamente como um esquiador sendo puxado por uma lancha. Ele só vai para a superfície da água depois de atingir uma determinada velocidade.

O segundo é o sulco dos pneus: quanto mais profundos estiverem, menor o risco de aquaplanar. É por isso que se recomenda, na época das chuvas, descartar os pneus que estejam com o sulco no limite mínimo de profundidade, determinado pelo TWI (Tread Wear Indicator). Este indicador de desgaste só aparece quando o sulco está com apenas 1,6 mm de profundidade. Nenhum problema na pista seca. Mas, na molhada…

Em terceiro lugar, a largura do pneu. Por incrível que pareça, quanto mais largo, tanto pior. Aqueles pneus de automóveis esportivos, que conferem extrema estabilidade nas curvas, são também os mais propícios a provocarem a aquaplanagem. Basta imaginar uma hipotética bicicleta entrando num trecho alagado: suas rodas fininhas terão muito maior probabilidade de “cortar” a lâmina de água que um carro com pneus super largos.

Então, como é impossível equipar um automóvel com pneus fininhos como os de uma bicicleta, vale pelo menos o raciocínio de que, quanto mais estreitos os pneus de um carro, menor a probabilidade da aquaplanagem.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodolfo 13 de julho de 2018

    Caro Boris, muito bom dia!
    …. Excelente artigo! Parabéns!
    …. Ayrton Senna era conhecido na sua época como o “Rei da Chuva”, porém nas pistas de corrida o perigo é muito menor, pois se o carro bater sempre terá algo para amortecer a batida ou o próprio carro de F1 em si irá amortecer a batida.
    ….. Já na vida real… nas nossas rodovias e nos nossos carros populares correr na chuva pode custar a própria vida. Assim sugiro que as pessoas tenham o bom senso na hora da chuva, pois chuva e velocidade nunca combinaram, muito menos nas curvas.
    …. Vou deixar uma homenagem ao “Rei da Chuva”… Ayrton Senna:
    https://www.youtube.com/watch?v=1OcOjTV08U4
    Um forte abraço,
    Rodolfo
    Engenheiro Mecânico

  • Armando 13 de julho de 2018

    Verdade se todos os pneus tivessem o mesmo desenho dos sulcos, porém mais do que a largura o que importa é a forma que o pneu joga a água para fora, os engenheiros inclusive filmam o pneu passando por uma placa transparente para verificar como os sulcos e a água interagem. Os veículos elétricos estão utilizando pneus mais finos não pela conta da aquaplanagem, mas para reduzir o atrito dinâmico aumentando assim a autonomia.

Deixe um comentário