Pneus mais largos ou sistema de monitoramento de pressão?

Maior estabilidade - e consumo - versus mais segurança

Por BORIS FELDMAN09/05/18 às 16h34

Por que os carros de corrida e modelos esportivos saem de fábrica equipados com pneus mais largos? Quais as vantagens e desvantagens dessa escolha? Sempre existem prós e contras…

O pneu mais largo é importante num carro como um Fórmula 1, Porsche ou Ferrari que rodam mais rápidos, pois confere maior estabilidade, aumenta a aderência entre a borracha e o asfalto. Mas desnecessário num automóvel “de rua” (que não vai andar a mais de 200 km/h) pois trazem desvantagens. Quais? Quanto maior o atrito entre pneu e asfalto, maior também o consumo de combustível e emissões pois se exige mais potência do motor. Outra desvantagem do pneu mais largo é que ele facilita a aquaplanagem, o perigoso fenômeno que ocorre quando o carro chega a um trecho com uma lâmina de água no asfalto: quanto mais largo o pneu, maior a tendência de o carro sair esquiando sobre á água. Neste momento, os pneus perdem o contato com o asfalto e o motorista fica então sem nenhum controle sobre o automóvel com óbvias possibilidades de se acidentar. Para evitar a aquaplanagem, quanto mais estreitos os pneus, tanto melhor.

Para além dos pneus mais largos, outras opções podem resguarda o motorista. Pneu que se esvazia é um perigo, pois prejudica a estabilidade, o espaço de frenagem e a dirigibilidade do automóvel. É por isso que em vários países já é obrigatório o TPMS (em inglês, “sistema de monitoramento da pressão dos pneus”). Ele indica quando um ou mais deles estão perdendo a pressão. O dispositivo já existe em alguns modelos brasileiros, mas ainda não é obrigatório. É importante portanto que o motorista fique atento para um pneu que esteja perdendo a pressão. Nas rodas dianteiras é mais fácil de se perceber a tendência, pois o carro “puxa” a direção, mesmo que seja assistida hidráulica ou eletricamente. Porém, numa roda traseira é mais difícil sentir o problema. Exige mais sensibilidade do motorista para perceber um ligeiro galeio do carro na reta e principalmente na curva. É por isso que se recomenda colocar pneus mais novos no eixo traseiro: ao contrário das traseiras, no caso de um problema, o motorista tem a direção para controlar as rodas dianteiras.

Boris explica o que há de positivo e negativo na escolha por pneus mais largos. Além disso, comenta a importância do sistema de monitoramento de pressão.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário