Roda à prova de buraco e freio automático

Os engenheiros não param de inovar... Mas será que as tecnologias darão conta das estradas brasileiras?

Por BORIS FELDMAN12/05/18 às 18h30

Desde que começou a se movimentar com motor a combustão, em 1852, o automóvel não parou de evoluir. Foram muitas as alterações adotadas para que andássemos com mais segurança e conforto. Existem protótipos até de carros sem volante e pedais… Aqui, apresento, duas novidades mais próximas: a roda à prova de buraco e a frenagem automática.

A última série da Mercedes Classe S, a maior e mais sofisticada da marca, tem uma câmera na dianteira, sob o chassis, identificando as condições do asfalto à frente e regulando a suspensão para o tipo de piso que o carro vai encontrar. Mas, quem deu agora um passo além, foi a Ford em seu novo Fusion: ele tem 12 sensores nas rodas dianteiras que enrijecem a suspensão quando a roda está prestes a cair num buraco. Ou seja, com a suspensão daquela roda quase imobilizada, evita-se o impacto do pneu contra o fundo do buraco. Nesse momento, as três outras rodas continuam em contato normal com o asfalto, mas a quarta passaria como que flutuando sobre o buraco, imobilizada pela suspensão. Em termos práticos, o carro roda macio e sem trancos. Eu só gostaria de saber se os engenheiros da Ford vieram ao Brasil testar este sistema do Fusion nas nossas precárias e abandonadas estradas. Caso contrário, será que a roda à prova de buraco “dá conta” das nossas múltiplas crateras asfálticas?

Os engenheiros automobilísticos trabalham para deixar os carros mais seguros e confortáveis. Já disponibilizam até roda à prova de buraco, mas será que a tecnologia vai funcionar por aqui?

Freio – Você sabe como funciona o freio automático de um automóvel? É um dispositivo eletrônico que já existe em alguns modelos mais sofisticados e que percebe, através de sensores, câmeras e radares instalados na dianteira, a iminência de um acidente. Ou seja, prevê que o carro está prestes a bater em outro veículo ou num pedestre. Em velocidades mais baixas, até 40 km por hora, o sistema percebe também que o motorista não vai acionar os freios e interfere no sistema hidráulico do freio parando o carro e evitando o acidente. Este é um dos dispositivos que já foram desenvolvidos pelas fábricas para integrar o automóvel autônomo (sem motorista) que será lançado comercialmente dentro de alguns anos. Mas, percebendo a importância desse dispositivo para a segurança, o governo dos EUA convocou todas as fábricas lá presentes para um acordo que prevê a instalação deste dispositivo até 2022. Praticamente todas o assinaram, não por serem “boazinhas” mas porque, entre outras, os automóveis com esse dispositivo terão desconto ao contratar um seguro, por motivos óbvios.

Os engenheiros automobilísticos trabalham para deixar os carros mais seguros e confortáveis. Já disponibilizam até roda à prova de buraco, mas será que a tecnologia vai funcionar por aqui?

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Fernando R 12 de maio de 2018

    A tatica capitalista é: deixe as estradas ficarem horriveis e depois a gente privatiza e vende a ideia que o pedagio é uma maravilha. E os trouxinhas embarcam. SP começou a onda q se espalha pelo país. E pagam o pedagio rindo.

Deixe um comentário