Presidente da FCA argentina critica carros brasileiros

Em entrevista, Cristiano Rattazzi também disse que o acordo econômico entre Mercosul e União Europeia pode não ser tão bom para o Brasil

Por AutoPapo 05/07/19 às 17h03

O presidente da FCA para a Argentina, Cristiano Rattazzi, criticou os carros brasileiros em vista do novo acordo entre o Mercosul e a União Europeia. “Os carros europeus são melhores e até mais baratos que os brasileiros”, declarou ele, em entrevista a publicação argentina. Para o executivo, acordo é positivo para o país vizinho.

cristiano rattazzi en la fiesta de fiat por los 100 anos en tequila punta del este
Cristiano Rattazzi, presidente da FCA para a Argentina

O acordo entre os dois blocos econômicos foi celebrado na semana passada após uma negociação que durou 20 anos. O trato garante livre comércio entre os continentes, e ainda terá alguns termos a serem definidos.

Entre as indústrias que devem sofrer impactos com as novas regras, está a automotiva. Assim, os carros brasileiros, largamente exportados para a Argentina através de um acordo econômico próprio, sofrerão consequências, tanto positivas quanto negativas.

Carros brasileiros podem sofrer com o acordo, segundo Rattazzi

Em sua fala, o presidente da FCA argentina deixou claro que enxerga desafios para o Brasil. “Hoje, nós temos uma invasão de veículos brasileiros. Portanto, é melhor termos uma invasão de carros europeus, que são melhores, têm mais qualidade e podem até ser mais baratos” disse ele, em entrevista ao La Nación, repercutida pelo Autoblog da Argentina.

“Creio que o que vem por aí é muito saudável para a Argentina. O acordo com a União Europeia pode não ser tão bom para o Brasil em alguns aspectos, mas para a Argentina, é muito saudável”, continuou Rattazzi.

fabrica fiat fca goiana pernambuco 4
Fábrica da FCA em Goiana, Pernambuco

Por fim, o presidente da FCA argentina também falou sobre competitividade, e sobre a exportação exclusiva para o Brasil. “Nós, da FCA, temos uma fábrica na Sérvia que vende carros para todo mundo, e o mesmo na Turquia, Itália, México, Estados Unidos e Canadá. Elas fazem carros para todo mundo.

“A Argentina, ao contrário, ao invés de ter uma fábrica para todo o mundo, só produz para exportar para o Brasil. Seria melhor e menos arriscado fazer carros para todos. Obviamente, haverá um período de determinados anos, que serão muitos, quando teremos que trabalhar para sermos mais competitivos”, analisou Rattazzi.

Fotos FCA | Divulgação

Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (6 votos, média: 3,67 de 5)
loadingLoading...
Clique na estrela para avaliar.
2 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Aroldo 6 de julho de 2019

    Que genio esse presidente da Fca na Argentina. Engraçado que muitos brasileiros nao gostam de carros feitos na Argentina justamente pela qualidade de montagem. Quem vai definir de o de eles irão importar se será do Brasil ou Europa é a matriz, pois às vezes o carro europeu pode realmente custar menos e ser melhor, mas com uma rentabilidade menor também. Pramim, ele abriua boca pra falar bobagem.

  • Avatar
    Fabio 6 de julho de 2019

    Só tem gênios nesse mercado. Quem define o que se produz, e para onde vende, chama-se matriz/governo. Se a FCA definir que o entrevistado volta amanhã para a Itália ou para os EUA, ou ele volta ou perde o emprego. Cabe ao nosso governo agir com mão firme com todas as montadoras, já que não temos carro nacional. Quer vender aqui, td bem, mas tb tem que fazer xis milhares de dólares de exportação. Simples assim.

Avatar
Deixe um comentário