Bateria ou híbrido? Nenhum dos dois!

O Brasil tem uma solução (doméstica) para evitar o elétrico com baterias. E o elevado custo do híbrido com seus dois motores

3 de 5

Como serão os carros do futuro ainda é uma discussão que agita o mundo, pois vai além da tecnologia específica dos veículos e envolve o próprio conceito de mobilidade.

Já existe uma sinalização aceita consensualmente de que:

  • Mais dia menos dia o carro será acionado por energia elétrica;
  • Vai se reduzir a interferência do ser humano em sua condução.

Mas ainda se discute como será gerada a eletricidade, que pode se originar dos ventos (eólica), rios (hidráulica), solar, térmica (combustível fóssil ou carvão), química (fuel-cell) ou nuclear. Além disso, o ritmo em que o motorista será substituído pelo computador não depende só da tecnologia do automóvel, mas da infraestrutura de cada país.

Vai se tornando claro também que  não haverá uma solução global para os carros do futuro, mas diversas regionais. Cada país (ou região) desenvolve uma tecnologia mais adequada aos seus recursos naturais. Países produtores de petróleo serão provavelmente os últimos a adotar integralmente o carro elétrico, mas deverão eletrificar um razoável percentual de sua frota para se ajustar ao rigor cada vez maior da legislação que limita as emissões de dióxido de carbono.

A presença do carro autônomo será também gradual nos países, em função das condições de infraestrutura para recebê-los. A KPMG, empresa internacional de consultoria e auditoria, pesquisou recentemente a adequação de um país para implantar a autonomia veicular e o Brasil ficou mal na foto.

A mudança do automóvel convencional, com motor a combustão, para um novo padrão nos carros do futuro, também está sendo questionada. Vai diretamente para o elétrico ou por uma transição com o híbrido, provocada pelos problemas das baterias?

E no caso do elétrico, de onde virá sua energia? De um pacote de baterias ou da célula a combustível (fuel-cell)? E para complicar mais um pouco: no caso da fuel-cell, o carro será abastecido com hidrogênio ou com outro combustível líquido (como um álcool, por exemplo) do qual se extrairá o H2?

Carros do futuro: hidrogênio extraído do álcool

Protótipo da Nissan com tecnologia Solid Oxide Fuel-Cell (SOFC)

Na minha opinião, solução do tipo “sopa no mel” para os carros do futuro no Brasil seria o carro elétrico movido por fuel-cell com o H2 extraído do etanol. A Nissan já levou um veículo que funciona exatamente assim para ser desenvolvido pela Unicamp. Vantagens?

  • Solução superamigável com o ambiente, pois o carro é acionado por motores elétricos e expele água pura pelo escapamento;
  • É um carro elétrico, mas sem o pesado e caro pacote de baterias: apenas duas ou três para o funcionamento de equipamentos e uma reserva para momentos em que os motores exigem uma dose maior de energia elétrica;
  • Nenhum problema de abastecimento nem demora na recarga, pois já existe uma completa rede de postos em todo o país com bombas de etanol;
  • Custo de manutenção tão reduzido como o elétrico com baterias pois também dispensam a parafernália exigida pelo motor a combustão: escapamento, injeção, polias, correias, alternador, catalisador, filtros, óleos, fluidos, velas e outras;
  • Não tem, como o elétrico, a autonomia limitada. Neste aspecto, ele se comporta exatamente como um carro com motor a combustão.

O automóvel elétrico com célula a combustível  (H2) já existe e é produzido pela Toyota (Mirai), Honda (Clarity) e Hyundai (Nexo). Só não alçou voo pela dificuldade da obtenção, armazenamento e distribuição do hidrogênio.

Por outro lado, o “calcanhar de Aquiles” do elétrico a fuel-cell abastecido com etanol é o reformador, equipamento que extrai o H2 do álcool. Grande, pesado e caro, inviabiliza sua presença no automóvel. Mas o reformador poderia ser instalado no posto e neste caso, receberia etanol da bomba de um lado e entregaria hidrogênio – do outro – no tanque do automóvel.

O reformador é pesado, caro e grande, alegam os que se opõem à ideia. Porém, mais leve, barato e menor que o compressor necessário em qualquer posto que tenha bomba de GNV!

Quer conhecer a Kombi do futuro? Veja o vídeo!

Foto Nissan | Divulgação

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Dê sua opinião

Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

Comentários

  • Gostei desse exercício de futuro, até que seria bem interessante se essa ideia vingasse, um carro com as vantagens do elétrico e do combustível.... Além de o Brasil já ter boa parte do caminho andado ainda criaria mais uma barreira natural contra os importados. Pode fazer, rsrsrs!!

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • Acho que deveria ser movido a energia solar

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • Jamais vou confia numa máquina

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • Isso do reformador ser grande, pesado e caro é só uma questão de tempo para sua miniaturização. Nano tecnologia está aí para provar, o restante é desculpa esfarrapada!

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • É muito bom a gente sempre pensar no futuro para não sermos ultrapassados, desempregados ou alienados.
    Nós estamos passando por uma nova Revolução Industrial.
    Muitas mudanças estão ocorrendo todos os dias, em quase tudo, na tecnologia, na medicina e, até nos costumes.
    Num futuro muito próximo, estaremos vivenciando grandes transformações.
    Muitos já perderam empregos tradicionais. Mas muito mais gente perderá empregos e terão que se adaptar aos novos tempos.
    Nesta conjuntura, é difícil afirmar qual será a tecnologia que moverá os nossos veículos nos próximos 10-15 anos. Com certeza, nem mais precisaremos de carros com volantes e pedais, tudo será pela informática ou outra denominação.
    Ônibus, se existir, será sem motorista. Taxis não existirão mais, tudo será com drones com ou sem aplicativos. As congestionadas ruas das grandes cidades poderão desaparecer, porque os carros serão substituídos por veículos aéreos, tipo drones.
    É só uma * mental. Desculpem.
    [EDITADO]

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • O combustível do futuro pra mim é o gnv, não precisa plantar, colher ou refinaria vem do lixo de tudo que morre apodrece e vira gás afinal o que mais tem na terra é lixo e morte e pra pegar o gás é simples faz um buraco no solo puxa com compressor elétrico levado até o posto por tubulação pressurizado no posto e abastecido no carro e ainda polui menos que álcool e gasolina o problema é o governo e as gambiarras não fiscalizadas uso GNV desde 1997 e dá pra contar nos dedos os postos que pediram o selo do Inmetro e abriram o porta malas para abastecer está escrito na bomba mas os postos não fazem os procedimentos para abastecer

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

  • O carro do futuro será elétrico, não há dúvida - o problema é o que vai fornecer energia para ele. Baterias são inviáveis: caríssimas, pesadas, levam muito tempo pra carregar e duram pouco - imagine ter de trocar o pack de baterias, que custa mais da metade do carro, a cada 3 ou 4 anos como acontece com celulares, notebooks etc.
    Existe alguma esperança nos supercapacitores, que armazenam energia por atração eletrostática ao invés de reações químicas lentas e desgastantes como nas baterias, porém ainda tem muito chão pela frente antes que sejam viáveis.
    A melhor solução é gerar esta energia através de meios químicos, como nas células de combustível, mas até mesmo motores a queima de combustível podem ser muito mais eficientes que os atuais motores a explosão. Para se ter uma ideia, uma turbina do tamanho de uma garrafa térmica seria capaz de gerar energia suficiente operando com eficiência em próxima a 95% - muito melhor que os 35% dos motores a explosão atuais, e muito mais simples e leve.

    Cancelar Resposta

    Dê sua opinião

    Seu endereço de email não será divulgado. Campos obrigatórios estão destacados com *

Publicado por
Boris Feldman

Últimas Notícias

IPVA 2020 ES: calendário de pagamento e emissão do boleto

Secretaria da Fazenda divulgou informações sobre a taxa, que poderá ser paga em até quatro vezes; cota única garante 5%…

6 de dezembro de 2019 20:27

Retrovisor: versões do Onix, troca de embreagem, carros PcD

No Retrovisor AutoPapo desta semana, discutimos versões do Onix hatch, troca de embreagem, carros para PcD, e muito mais!

6 de dezembro de 2019 19:49

Embreagem está com problema? Sinais indicam hora da troca

O sistema pode durar de 10 mil a 100 mil quilômetros, mas se estiver com defeito e não for substituído,…

6 de dezembro de 2019 17:45

Barulho no freio: saiba o que fazer se ele começar a chiar

"De repente quando você pisa no pedal do freio, repara que ele está cantando, chiando, o que pode representar dois…

6 de dezembro de 2019 16:15

Estacionar em vagas para idoso ou PcD não deve virar crime

Projeto de Lei que queria estabelecer pena de detenção de seis meses a dois anos para os motoristas infratores foi…

6 de dezembro de 2019 14:19

Equinox 2020 chega com opções 1.5 mais baratas para ganhar o mercado

Com preço inicial de R$ 129.990, modelo concorre com Volkswagen Tiguan e Jeep Compass; novo propulsor entrega 172 cv

6 de dezembro de 2019 12:36