Mercedes-Benz C 300: apuro e performance

Por Roberto Nasser10/06/17 às 09h07

Novo modelo de topo dentre os Mercedes produzidos em Iracemápolis, SP: C 300 Sport. Número publicitário, nada a ver com cilindrada ou potência, pois motor desloca 2,0 litros, 16 válvulas, múltipla injeção direta e turbo, e produz 245 cv e impactantes 370 Nm de torque, entre 1.200 e 4.000 rpm. Preso a nova transmissão automática, carcaça em magnésio, 9 marchas, traz comportamento extremamente agradável a quem demanda reações: da imobilidade a 100 km/h em 5,9s, indo a 250 km/h quando as autoridades do trânsito cortam o motor.

O 300 Sport é a cereja do bolo, e a conformação, estamina e os R$ 241,900 anotado em sua etiqueta não o farão o mais vendido da linha C, mas faz parte do refinamento comercial. Marca suprimiu a versão 200, restando líder C 180 Avantgarde e Executive a R$ 171,900; C 250 por R$ 199,000. Conjunto quer ampliar atuais 47,5% no segmento, até abril vendera 915 unidades.

Caracterização Sport não se marca apenas pelo dinamismo, mas há identificação externa, com palpites da AMG, sua associada, especialista em performance: é 15 mm mais baixo; usa rodas em liga leve em aro 18“; volante com base ovalada e de ótima pega. Externamente acabamento preto nos retrovisores, frisos dos para choques. Na mecânica, denso pacote de segurança, quatro regulagens de comportamento, e nas duas Sport o som do motor exaure pelos auto falantes, coisa suave, integrando condutor e conduzido.

Há refinamentos mecânicos, como identificar posição de descanso do virabrequim e o pistão melhor posicionado para receber primeira injeção de gasolina, pegando imediatamente – o 300 não é flex. Outra, injeção, aperfeiçoa sistema anterior dos motores Alfa Romeo, com dois jatos. Agora são cinco, melhorando eficiência em consumo e disposição.

Suspensões auxiliam comportamento: dianteira com quatro braços, traseira independente com cinco ancoragens. Na prática, aderência e conforto.

Integra o bom projeto da Mercedes, tirar o rótulo de caretice de seus automóveis, rejuvenescendo a linha, baixando idade média dos compradores. Criou a linha A e permeou para faixa de clientela jovem antes não abordada. O 300 Sport é bom exemplo, marcado por refinamento da decoração e qualidade dos materiais, oferecendo boa recepção aos usuários. Ao motorista parece um casaco confortável.

Na prática um Mercedes, sedã performático, reativo, confortável no atendimento às demandas do condutor. Honesto, acelerou ele vai; virou o volante ele curva; pisou no freio, para. Transmite conforto e segurança, pela construção sólida mesclando aços e processos, além de redução de peso ante crescente uso de alumínio – portas, capô e tampa do porta malas.

Luzes em LEDs, tela de 22 cm. Alavanca de marchas mínima, delgada, na coluna de direção, e borboletas sob o volante.

As dúvidas quanto ao futuro

Qual o próximo ciclo do automóvel ? Motores a combustão interna alimentados com combustíveis não fósseis ? Eletrificação paralela ? Energia vinda de pequenos motores ? Painéis captadores de luz e/ou sol ? Reações químicas para gerar hidrogênio combustível ?

Muitas opções, caminhos vários, dúvida comum: é negócio de muito valor para ficar no atual limbo da insegurança.

Dentre os presidentes de grandes corporações Akio Toyoda, dirigindo a companhia familiar com nome assemelhado goza de respeito mundial, não apenas por disputar a primeira posição entre fabricantes, quanto por tê-la refrigerado com ares ocidentais – pegou Mark Hogan, ex-vice presidente mundial da GM e levou-o a lugar na mesa diretora. Vale citar ter enfrentado e superado a questão dos re-call para os carros da empresa; fazer o elétrico mais vendido, o Prius; e, dado não absorvido em Harvard, Oxford, escolas de negócios na Suiça, é do ramo. Quer dizer, senta no automóvel, acelera, autoriza e paga. É atrevido piloto de rallyes, tipo consultor sênior em dúvidas de comportamento dos veículos.

Toyoda-san contou ao importante Automotive News estar desapontado com a incerteza dos caminhos hoje existentes entre as duas gerações tecnológicas no mercado: os fabricantes tradicionais e os à procura de emissões Zero e carros autônomos – ou, como disse, carros comoditizados. E se declarou com forte sentimento de crise, sem saber qual o caminho a adorar para atender aos clientes, juntando as dúvidas empresariais entre a compressão dos lucros e o aumento dos custos; a necessidade de re equipar as fábricas.

Temor não mudou a postura de plantar sementes para vê-las florescer em 10 ou 20 anos, como o investimento na TNGA – Toyota New Global Platform, plataforma mundial, ou ter assumido pessoalmente o projeto de carros elétricos e o processo de descobrir e seguir o caminho. Como diz, a Toyota faz carros elétricos e a Tesla também, mas o deles é alguma coisa próxima do Iphone. Descobrir qual o caminho e o produto é a angustiante questão.

Nesta briga, quem apostar errado não apenas perderá – fechará.

Roda-a-Roda

De volta – Da Series 7, BMW fez evolução para a Series 8 e inicia, como em 1989, com modelo esportivo. Anunciou o conceito e versões cupê e conversível. Quer concorrer com equivalentes Mercedes S, entre 100 mil e 270 mil euros.

Na pista – Pré lançamento prepara versão M8 – M, de Motorsport, é sua divisão de performance. Quer levá-la às 24 Horas de Le Mans e de Daytona, janeiro 2018.

Conceito BMW 8 cupê

Lacuna – Agência P Motors, de Campo Grande, MS, supre lacuna da Ford e importa versão King Ranch, topo de linha do picape F 250. Imponente, motor diesel V8, 6,7 litros, 450 cv, transmissão automática 6M.

Como é – Cabine dupla, tração Fx4, mimos como massagem nos bancos, teto solar inteiriço, tampa traseira abre e retrovisores se alargam eletronicamente.

Dados – Automóvel de agroboy  e duplas sertanejas, a R$ 580mil. Dois registros a respeito: garantia de 12 meses dada pelo importador – na origem, 60 meses. Outro item, ante o peso exige Carteira de Habilitação C.

F 250 King Ranch. Safra boa, R$ 580 mil

Nacional – Primeiras unidades do Kicks produzidas em Resende, RJ, chegam aos revendedores ampliando leque de opções e cores. Versão básica S, básica, câmbio mecânico de 5M, R$ 70.500. SL, mais completa, valentes R$ 94.900.

Justiça – Problemática transmissão de dupla embreagem Ford provocou escritório norte-americano Stern Law LLC a reunir sete mil proprietários e acionar a companhia. Querem ser indenizados pelo tempo perdido sem utilizar seus Fiesta e Focus, 2011-2016, pelas idas à oficina, pela falta de solução, pelo desprazer em conduzir, por perda de valor de revenda.

Papo antigo – No Brasil empresa tentou solver o problema, sem êxito, emitiu circulares permitindo atendimento fora de quilometragem, estendeu garantia – inferior à oferecida nos EUA, de sete anos. Assunto demorado. Lá não buscam indenização global, mas personalizada, ante os problemas diferentes enfrentados por diferentes clientes.

Futuro – Porsche anunciou curioso investimento em Israel. Valor desconhecido em oito dígitos, finalidade não industrial. Diz, aplicará em fundos de investimentos e start ups. País é recordista mundial neste empreendedorismo. Quer saber de inteligência artificial aplicada aos automóveis.

Mercado – A curva ascendente das vendas no mercado doméstico continuou progressão iniciada mês passado. Agora números mais consistentes, pela Fenabrave, a união dos revendedores: venderam-se 190.131 automóveis e comerciais leves, 17,2% superiores a maio de 2016, e quase 25% sobre o mês anterior. No global vendas dos cinco primeiros meses superaram as do ano passado em 1,5%.

Surpresas – Queda de vendas do Ônix, esperada depois de sua reprovação em testes de impacto, não houve: continua líder. Segundo lugar, Ford Ka superando Hyundai HB 20. Promoções de vendas deram certo. Abaixo, Gol e Uno cresceram 49 e 97%.

Mais – Em picapes Fiat continua líder com Strada e Toro. Lista indica como mais vendidos os primeiros degraus de preço, mas na Toyota a regra não vale, o Corolla, mais caro, supera o Etios.

Elétricos – Aneel, agência de energia elétrica, fará Audiência Pública para debater o formato da atividade de recarga de veículos elétricos. Se há dúvidas no mundo a respeito do tipo de energia sucedânea aos motores de combustão interna, aparentemente o governo federal já escolheu o caminho.

Parâmetro – Objetivo é reduzir óbices, ajustar normas, facilitar aos investidores, entregar um pacote aos usuários. Sugestões e trabalhos sobre instalações e estações até 31 de julho pelo e-mail ap029_2017@aneel.gov.br ou ao SGAN Quadra 603 – Módulo I Térreo/Protocolo Geral, CEP 70.830-110, Brasília–DF.

Captura – Após reprovar Chevrolet Ônix em teste de impacto – carro abriu porta traseira -, o LatinNCAP submeteu o Renault Captur e o aprovou com quatro estrelas de proteção aos passageiros frontais e três a ocupantes do banco traseiro.

Caminho – Alejandro Furas, secretário geral, carimbou: “O Captur mostra o potencial da indústria local para produzir e oferecer veículos mais seguros que ultrapassam os requisitos exigidos pelos governos e com bom desempenho mesmo com protocolos mais rígidos como os de hoje”.

Política – O Globo informa, nos anexos onde estão as referências fáticas lastreando depoimento do ex ministro Antonio Palocci, o Italiano dos controles de corrupção da empreiteira Odebrecht, há referências à Caoa Montadora. Lá o assunto já fez vítima: há meses Antônio Maciel Neto, presidente, pediu para sair.

Polêmica: carros novos em museu de carruagens

Museu dos Coches, em Lisboa, Portugal, melhor do mundo na especialidade, plantou dentre seu precioso acervo, unidades de carros elétricos, híbridos e de mobilidade inteligente na VExpo 2017. DGPC, ente oficial encarregado dos museus portugueses, enfatizou o fato de serem veículos não poluentes, exibindo a importância da mobilidade sustentada.

Causou confusão puxada pela jornalista Paula Pinheiro, dizendo da vergonha sentida ao ver o melhor acervo do mundo cercado por dezena de carros novos. Museólogo Luís Raposo, presidente do Conselho Internacional de Museus, desagradou-se, protestando contra a mistura e venda de produtos comerciais junto a peças de museu. Extra fronteira, a 7.300 km de distância, curador do Museu Nacional do Automóvel, em Brasília, lavrou sua opinião contra a mistura e transformar o mais relevante museu da especialidade em praça comercial.

Preciosas carruagens dividiram atenção com carros futuristas no Museu de Coches

Foi-se o Tom Tjaarda, pai de 84 automóveis

Um dos marcos da evolução estilística do automóvel foi-se aos 83. Tom Tjaarda, autor do Fiat 124, Ferrari 330, Ford Maverick, De Tomaso Pantera, e outras oito dezenas passou, derrotado por câncer.

Era a segunda geração dos Tjaarda. Seu pai, holandês imigrante, fora contratado por Edsel Ford para dar personalidade à marca e produto a partir de 1941. Tom formou-se em arquitetura nos EUA, foi para a Turim, Itália, e logo estava entre os principais na Pininfarina, depois Ghia. Ford assumiu-a e levou-o para Detroit chefiar seu departamento de estilo. Dele o Ford Maverick, projeto barato para aproveitar estrutura do Mustang, por si só evolução do velho Falcon. Seu projeto mais marcante foi o Pantera. Construção na Itália pela polêmica De Tomaso, chassis por Dallara, primeiro carro esportivo com motor entre eixos traseiro, no caso atracado a transmissão transaxle ZF, mecânica, 5M – aplicada pela Ford no mítico GT 40. Há quatro anos Tjaarda vendeu sua unidade por US$ 100 mil.


VEÍCULOS RELACIONADOS

Veja mais sobre:


0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário