Para que serve o pino na base do retrovisor interno?

Item extremamente simples é útil para evitar que a visão do motorista seja ofuscada pelos faróis dos veículos que seguem na retaguarda

Por AutoPapo26/09/18 às 07h07

Muita gente nem repara, mas, na base do retrovisor interno, há uma pequena alavanca ou pino. Se você ignora ou desconhece esse recurso, saiba que ele pode ser extremamente útil: serve para evitar ofuscamento. Se outro veículo estiver circulando com faróis altos atrás de você, basta acioná-la para minimizar o desconforto.

O equipamento funciona de maneira bastante simples: ao ser acionado, ele altera o ângulo da lente do retrovisor, apontando-a para baixo. É o suficiente para impedir que a luz forte incida diretamente nos olhos do condutor e prejudique sua visão.

Para quê serve o pino na base do retrovisor interno?


“É um recurso simples, que existe nos carros há 20 ou 30 anos, mas eficaz. Funciona muito bem”, explica Ricardo Dilser, consultor técnico do Grupo FCA (Fiat-Chrysler Automobiles). O especialista confirma que não há nenhum componente elétrico ou eletrônico nesse dispositivo: o funcionamento é puramente mecânico.

Ter boa visibilidade é fundamental para evitar acidentes de trânsito. As estradas, onde os veículos desenvolvem maiores velocidades, são justamente as vias nas quais o uso do farol alto é mais comum. Por isso, um ou dois segundos de ofuscamento bastam para que o motorista dirija dezenas de metros às cegas. Acredite: reposicionar o retrovisor interno por meio do pino, quando for preciso, é questão de segurança.

Apesar de não ser um item obrigatório pela legislação brasileira, a alavanca para evitar ofuscamento é muitíssimo comum. Esse item está presente na grande maioria dos automóveis vendidos no país, inclusive nos modelos populares. Isso porque, como seu funcionamento é extremamente simples, o custo para o fabricante é mínimo.

Retrovisor eletrocrômico

Vale lembrar que existe também o retrovisor eletrocrômico, que é mais sofisticado, mas desempenha a mesma função. Nesse caso, dois sensores comparam a luz projetada no espelho com a do ambiente. Se ela for excessiva, correntes elétricas acionam um gel eletrocrômico presente na lente, escurecendo-a e impedindo que ocorra projeção no rosto do condutor.

A vantagem desse sistema é que a posição do retrovisor não é alterada. Além disso, nos carros atuais, seu funcionamento é automático, evitando que a luminosidade incomode o motorista mesmo que momentaneamente. Todavia, trata-se de um equipamento presente apenas em automóveis mais sofisticados, com preços menos acessíveis.

Foto: Shutterstock | Reprodução

5 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Antônio Carlos 26 de setembro de 2018

    Como meu carro tem o retrovisor com sensor fotocromico, não tenho este problema.

  • Antônio Carlos 26 de setembro de 2018

    Como meu carro tem o refletor fotogromico, não tenho este pobrema .

  • jose 26 de setembro de 2018

    até meu chevelho tem…

    • Marcos 26 de setembro de 2018

      Mas, como grande maioria dos motoristas mal sabem dirigir, é de grande valia explicar.

      • Diego Queiroz 26 de setembro de 2018

        Falou tudo.

Deixe um comentário