Prisão de Carlos Ghosn pode ter sido conspiração, dizem especialistas

Economistas franceses afirmam que "espetáculo" pode uma estratégia para afastar o executivo do comando da Aliança Renault-Nissan

Por AutoPapo22/11/18 às 17h03

O executivo Carlos Ghosn, presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, teve prisão prolongada para dez dias nessa quarta-feira (21), em Tóquio. Nesta quinta (22), a Nissan aprovou sua demissão. Especialistas franceses afirmam que processo pode ter sido uma armadilha da fabricante japonesa para enfraquecer a aliança Renault-Nissan.

De acordo com as autoridades japonesas, Ghosn conspirou contra a Nissan deixando de declarar a metade de sua renda por quatro anos. Economistas da escola europeia ESCP apontam o “espetáculo” construído durante a prisão do executivo por fraude fiscal como uma estratégia para tirá-lo do poder. A motivação seria o controle da Renault Nissan.

Histórico de Carlos Ghosn e Renault Nissan

A parceria entre as fabricantes aconteceu em 1999, quando a Nissan estava à beira da falência e a Renault venceu a disputa por parte de suas operações por ter o Estado francês como acionista. À época, Carlos Ghosn promoveu uma revolução gerencial e fez com que a empresa voltasse a dar lucros em três anos.

Depois de uma década de aliança sem fusão, ou seja, que as duas empresas eram independentes uma da outra, a aliança cresceu. Em outubro de 2016, a Nissan anunciou a aquisição de 34% do seu concorrente japonês Mitsubishi Motors. Juntas, em 2017, as três montadoras se tornam a maior fabricante de automóveis do mundo, com mais de 10,5 milhões de veículos vendidos apenas no ano passado.

De acordo com a Folha de São Paulofoi nesse momento que o equilíbrio de poder se inverteu. O jornal Libération lembra que no momento da aliança, em 1999, a Renault era lucrativa. Quase 20 anos depois, a Nissan fatura 100 bilhões e pesa quase o dobro da Renault (58 bilhões).

Segundo o professor de estratégia da escola ESCP Europe, Frédéric Fréry, depois de os japoneses passarem vários anos de cabeça baixa, a tensão com os franceses aumentou. Isso em razão da ampliação da participação do Estado francês como acionária na Renault.

Ghosn era o elo entre as duas fabricantes e mais do que isso, continuou representando um estrangeiro para os japoneses. Um estrangeiro que mantinha o poder da aliança nas mãos dos franceses.

Economistas europeus acreditam que escândalo envolvendo Carlos Ghosn pode ser uma estratégia japonesa para enfraquecer a aliança com a Renault.
Carlos Ghosn | Divulgação

“Existe uma dimensão política poderosa e violenta em Ghosn: ele eliminou sistematicamente seus números 2, inclusive do lado japonês. Ele sempre deu um jeito de fazer com que não existissem sucessores possíveis”, assinala o economista da ESCP.

Ainda de acordo com reportagem da Folha, a ameaça de integração da Nissan teria motivado o motim japonês, que também se incomodava com a troca de recompensas entre a Renault e Carlos Ghosn.

O executivo estaria trabalhando para tornar “irreversíveis” os laços entre as duas montadoras, de acordo com uma nota de Kentaro Harada, analista da SMBC Nikko Securities.

Para o pesquisador Sébastien Lechevalier, entrevistado pela Rádio Internacional da França, o caso também tem “ares de um acerto de contas”.

“Ghosn foi muito bem-sucedido em tudo o que fez na Nissan, mas, mesmo se o acordo com a Renault é oficialmente uma aliança, existe uma forte relação hierárquica entre as duas empresas, que está invertida porque a Renault domina enquanto a Nissan é muito mais importante”, explica o especialista da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (EHESS) de Paris, estudioso do capitalismo japonês.

Nobutaka Kazama, professor da Universidade Meiji, em Tóquio, disse em entrevista que a divulgação de elementos relacionados aos ganhos de Ghosn “poderia ter sido planejada na esperança de rejeitar uma integração por iniciativa da Renault”.

Renault

Por enquanto, a Renault não substitui o executivo. Outras autoridades francesas sinalizaram apoio a Ghosn, Stéphane Richard, CEO da Orange, condenou o linchamento público do presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

O ex-ministro da Economia ThierryBreton também se referiu a Ghosn como um “grande empreendedor” e disse ter ficado surpreso com a”extrema violência” de sua prisão.

Desfecho

O processo ainda não chegou ao fim. Para garantir que as relações entre as fabricantes não fique muito abalada, o ministro da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, vai se reunir com o ministro japonês das Finanças, Hiroshige Seko, nesta quinta-feira (22), para tratar do futuro da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Renato dos Passos 22 de novembro de 2018

    Existe sim um claro desconforto entre o pensamento hegemônico japonês e o brilhante processo de expansão econômica francês frente aos japonês da Nissan, que sonham um futuro próspero como o das irmãs Honda e Toyota,
    Entretanto os japoneses parecem simplesmente esquecer de quem os salvou da bancarrota

  • paulo 22 de novembro de 2018

    Joguei ele por ser brasileiro mas vejo que tudo faz sentido o cara é inocente.

Deixe um comentário