Cuidado com a “água dura” no radiador

Tanto no passado como no presente, é essencial utilizar água limpa no radiador, fugindo da "água dura" de determinadas regiões

Por BORIS FELDMAN30/06/18 às 13h00

Você sabe o que é agua dura? No passado, o que refrigerava o motor era a água do radiador. Hoje ficou bem mais chique e se chama líquido do sistema de refrigeração, que vem a ser uma mistura de água com um aditivo, o etilenoglicol. Sua função é de elevar a temperatura de ebulição da água, ou seja, fazer com que ela “tenha mais dificuldades” para ferver – e também de evitar a oxidação dos componentes do sistema.

água radiador motor água dura

Mas, tanto no passado como no presente, é essencial utilizar água limpa no radiador. Filtrada ou destilada, ela evita que a sujeira vá se depositando nos dutos do sistema de arrefecimento.

Especial cuidado deve ser tomado em algumas regiões onde existe a “água dura”. Que bicho é esse? É a água extremamente contaminada com cálcio. O problema de sua utilização é que, ao circular, este cálcio vai aderindo às paredes internas das galerias de refrigeração do motor.

O cálcio vai formando uma camada nos dutos, o que resulta numa verdadeira impermeabilização (ou vedação térmica) que impede a troca de calor com a água. O mais complicado é que o marcador de temperatura nada indica, pois não detecta o aquecimento, já que seu sensor está na água. E, sem mais nem menos, os pistões se aquecem excessivamente e travam nos cilindros. Sem aviso prévio.

Outro cuidado com o líquido de refrigeração é que, devido à sua evaporação, seu nível deve ser verificado e completado periodicamente. Neste momento, é importante usar a mistura água filtrada ou destilada/etilenoglicol, que é comercializada em frascos na proporção correta indicada pelo fabricante (cerca de 50/50). Na sua falta, pode-se usar a água pura, mas, se se ela for utilizada várias vezes sem o aditivo o percentual do etilenoglicol, o problema começa a ocorrer.

Confira também no manual qual é a frequência de troca do líquido de arrefecimento. Varia, mas, em geral, recomenda-se sua substituição cada dois anos.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Assis 30 de junho de 2018

    Usar somente água destilada ou desmineralizada e 50% de aditivo concentrado. Pode usar também 100% de aditivo não concentrado, sem adicionar água. Nunca usar água filtrada, de torneira ou mineral pois elas contém cloro ou sais minerais que aceleram a corrosão e a formação de depósitos, sendo esse o erro mais comum, mesmo de mecânicos profissionais!

  • Bruno nunes 27 de fevereiro de 2018

    No caso de um carro que sempre usou água pura, dizem que podem aparecer vazamentos caso comece a se usar o líquido refrigerante, isso é verdade ou mito?

Deixe um comentário