Fique atento à faixa de rotação do motor

Por BORIS FELDMAN17/02/18 às 09h01

Leitor do AutoPapo diz ter ficado impressionado, pois trocou recentemente seu carro usado por um novo, ambos com motor de mesma cilindrada: 1.600 cm3. Os dois veículos pertencem à mesma categoria, têm tamanho e peso similares. Como gosta de desempenho, fez questão de conferir a ficha técnica de ambos e comparar os motores: potência e torque declarados são também semelhantes.

Mas, o novo carro o impressionou por ter um desempenho muito superior ao antigo. Diz ele que basta “encostar o pé no acelerador” para ter respostas vindo rapidamente. Ou seja, ele ficou agradavelmente surpreso ao reparar que o carro novo é bem mais ágil que o anterior, apesar da ficha técnica sugerir que fossem semelhantes em desempenho.

A explicação não é difícil: se os dois carros têm mesmo peso e motores de potência e torque semelhantes, teoricamente eles deveriam também ter desempenho similar.

Entretanto, talvez tenha passado despercebido pelo nosso leitor um detalhe importante na ficha técnica dos dois motores: em que faixa de rotações eles oferecem potência ou torque máximo?

Aí está o “pulo do gato”: se o motor do antigo automóvel do nosso leitor só oferece potência e torque em elevadas rotações, (cinco a seis mil rpm, por exemplo), seu desempenho será inferior ao do outro que tem mesma potência e torque, porém em baixas rotações (1500 a 2.000 rpm, por exemplo).

subaru conta-giros faixa de rotação

Seu carro mais novo não exige pisar fundo no acelerador e “esgoelar” o motor, levando-o a altas rotações para oferecer desempenho. Aliás, se o motorista tiver que pisar para valer, pode saber que o consumo de combustível será elevado. Ou seja, o motor de seu novo carro, além de responder melhor, consome (e emite) menos.

Confirma-se portanto a dica de que, ao comparar fichas técnicas de dois motores, pouco importa se potência e torque são semelhantes, pois o que vale é a faixa de rotação em que eles ocorrem. Quanto mais baixa, tanto melhor.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Dalmo Junior 24 de outubro de 2018

    Em qual rotação devo trocar as marchas, na de torque máximo, a de potência máxima ou na que for menor?

  • Geraldo 17 de fevereiro de 2018

    Meu veículo atinge 116cv em 5500rpm não acelero nem 4000rpm, dancei!

Deixe um comentário