Motor a combustão: tão moderno, tão arcaico

O funcionamento dos motores é o mesmo há cem anos - a perda de eficiência também!

Por BORIS FELDMAN24/04/18 às 17h24

O motor a combustão que equipa centenas de milhões de automóveis pelo mundo já deveria ter ido há tempos para o museu. Mas resiste heroicamente – há mais de cem anos – com o mesmo mecanismo de funcionamento e irracionalidade. Sua eficiência é tão baixa que, da energia de um litro de gasolina colocado no tanque, aproveita-se cerca de 30% a 40% para gerar potência. O resto é jogado no lixo sob forma de atrito e calor.

Além disso, ainda exige tempo, paciência e recursos do motorista com procedimentos de manutenção para evitar que uma pane mecânica não o deixe a pé nem tenha seu saldo arruinado. Um dos mais importantes e de periodicidade semanal é a verificação do nível do óleo do motor. Completá-lo quando abaixa. Substituí-lo rigorosamente nos prazos indicados. Como explicar esse hábito arcaico de puxar a centenária vareta de óleo nos moderníssimos automóveis de hoje?

Boris explica a razão pela qual o motor a combustão é tão arcaico. Há cem anos sem grandes mudanças, o componente tem baixo aproveitamento e requer muita manutenção.

O problema é que apesar de toda a moderníssima tecnologia eletrônica incorporada aos automóveis, seus motores ainda funcionam exatamente como em seus primórdios no fim do século 19, com pistões subindo e descendo dentro de cilindros, recebendo no alto do curso uma martelada da explosão de uma mistura e movimentando um virabrequim lá em baixo. E exigem uma película de óleo entre os pistões e cilindros para lubrificá-los. Um pouquinho deste óleo acaba sendo também queimado na câmara de combustão, sai pelo escapamento e por isso o nível do óleo vai baixando no cárter.

Nos motores novos, com todos os componentes móveis ajustados, a queima de óleo é mínima e mal chega a um litro cada 5 mil km. Quando vão envelhecendo, as folgas aumentam e o nível do cárter vai baixando mais rapidamente, devendo ser completado com maior frequência. Em certos casos, recomenda-se até o uso de óleo de maior viscosidade (mais “grosso”) para compensar o desgaste. Neste caso, o motor a combustão que usa o óleo, por exemplo, 10W 30, poderia passar para um mais viscoso do tipo 15W 40, podendo-se assim reduzir a frequência de se completá-lo no cárter.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Olmir 19 de outubro de 2018

    Faz parte é do sistema, usando sistemas que teve evolução, a exemplo dos sistemas de cabeamentos em cobre para dados, é de se esperar que ainda existe espaço para a criação e ou a inovação, qual será esse ponto de partida e ou motivação, ainda não se sabe, só que não resta muito tempo, pois as mudanças e substituições e novas tecnologias já estão ai e expandindo, e mesmo se tornando mais acessíveis. Qual e o modo de usar, aproveitar todo o potencial, não tenho a menor ideia, mas o certo é que o nosso país é um dos maiores interessados, a razão é o etanol, e ai seu futuro e de toda a indústria, e enormidade de pessoas que dependem desse item. Em termos de país e do item o certo é que temos bons pensadores e capacidade criação, coisas muito maiores do que qualquer pontualidade é crise na economia. Qual a solução, eficiência, isolamento, modo,….. as soluções precisam aparecer, e creio vir em médio prazo.

Deixe um comentário