Quando devo desligar o controle de estabilidade?

Há alguns sistemas de assistência eletrônica que podem ser desligados a gosto do freguês, mas outros quase nunca!

Por BORIS FELDMAN14/07/18 às 13h00

Alguns dos novos dispositivos eletrônicos permitem serem desligados pelo motorista. Entre eles, uns vão ser questão de gosto. Mas, por exemplo, quando pode desligar o controle de estabilidade?

posso desligar o controle de estabilidade?
(Ford/Divulgação)

O “Hill Holder”, por exemplo, é o sistema que segura o automóvel parado na subida mesmo quando o motorista tira o pé do freio. O que facilita extremamente sua arrancada, principalmente no automóvel com câmbio manual, quando o motorista tem que demonstrar habilidade ao deslocar o pé direito do freio para o acelerador (enquanto o esquerdo está acionando a embreagem) sem deixar o carro voltar de ré.

Com câmbio automático a operação é mais simples, porém mesmo assim existe o dispositivo. O freio só é desligado alguns segundos depois ou quando o motorista pisa no acelerador. O sistema pode ser desligado em algumas situações, bastando acionar um botão no painel.

Outro sistema eletrônico recente que pode ser desligado é o Start/Stop, que desliga (e liga) automaticamente o motor quando o carro para por alguns segundos. A finalidade é reduzir consumo e emissões no trânsito urbano. Pode também ser desligado, em algumas situações em que o motorista prefira manter o motor em funcionamento, como num calor extremo, para evitar que se desligue também o aparelho de ar condicionado. Embora o próprio Start/Stop tenha sensores para ligar o motor se a temperatura interna subir exageradamente.

Sistema de segurança importante é o ESC (ou ESP), o controle eletrônico de estabilidade. Quando é desligado por um comando no painel ou no console, aparece uma luzinha de alerta com o desenho da traseira de um carro e as marcas de um zigue-zague na estrada. O alerta é pela importância deste sistema que evita a derrapagem do carro numa curva. E o perigo de mantê-lo desativado.

Alguns motoristas questionam em que condições pode-se desligar o controle de estabilidade. A rigor, nunca: só mesmo em situações muito especiais, como, por exemplo, um piloto profissional testando um componente do carro ou numa estrada com neve. Em condições normais, jamais deve-se desligar o controle eletrônico de estabilidade.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Rodolfo 16 de julho de 2018

    Caro Boris, muito bom dia!
    …. Existe um aspecto muito importante a ser levado em conta no controle eletrônico de estabilidade: se o controle pifar o que será do motorista se ele não souber a manha de tomar as rédeas do carro quando ele perde o controle?
    …. Assim será que algumas pessoas vão morrer porque não sabiam retomar o controle do carro e o controle de estabilidade as deixou na mão? Na minha opinião é um erro fatal confiar 100% em um controle de estabilidade, salvo melhor juízo.
    Um forte abraço,
    Rodolfo
    Engenheiro Mecânico

Deixe um comentário