Troca de óleo com 3 mil quilômetros rodados?

Leitor disse que a concessionária recomendou trocar o óleo na revisão de 12 meses, mesmo não tendo atingido cinco mil quilômetros

Por BORIS FELDMAN07/07/18 às 09h00

Um dos itens mais importantes na manutenção do carro é também um que desperta mais controvérsias: óleo do motor. São tantas marcas, tipos e características que o motorista, às vezes, acaba confuso, sem saber qual usar. E ainda tem outra discussão: com que frequência deve ser substituído?

troca de oleo motor carro lubrificante Troca de óleo com 3 mil quilômetros rodados?

Como regra geral, o melhor óleo do mundo é aquele que já estava no cárter, principalmente se for o recomendado pela fábrica. Se não for possível usar o indicado no manual, compre outro que tenha mesmas características de viscosidade (SAE) e aditivação (API).

Outra dúvida é a da frequência da troca. Um leitor da coluna disse que levou seu carro para a revisão dos doze meses e que, apesar de ter rodado apenas 3 mil quilômetros, a oficina da concessionária insistiu na troca do óleo do motor. Ele pergunta se, com essa baixíssima quilometragem, vai ter que pagar pelo óleo e filtro. Não seria “empurroterapia”?

Não, não é pi-ca-re-ta-gem. A troca de óleo do motor deve ser feita por quilometragem e também por prazo. Mesmo que o carro tenha rodado apenas 3 mil quilômetros, o prazo de doze meses está vencido, o que exige sua substituição. Isto porque o óleo é como remédio, expira. Ele tem aditivos com prazo de validade, o que explica a troca com doze meses.

Além disso, existe também uma outra recomendação, a de observar se o carro não roda sob condições severas. É o caso de quem sai de manhã para trabalhar, anda alguns poucos quilômetros, deixa o carro parado o dia inteiro e só vai usá-lo novamente à noite, ao voltar para casa. A história do leitor deve se enquadrar nestas condições, pela baixa quilometragem em doze meses. Neste caso, a indicação para troca do óleo é na metade da quilometragem sugerida no manual.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • André 22 de julho de 2018

    Boris já ouvi falar de Golf TSI 1.0 com 3.000km perdeu 1,5L de óleo. E com Problema de SUPER aquecimento, o arrefecimento dele não dá conta do Turbo Compressor.
    Inclusive deixei de comprar um por esses comentários e um relato de um colega q teve um e resolveu vender p própria concessionária q comprou. Os concessionários dizem q não pode confiar este é o Motor do UP TSI Melhorado não dá problema, inclusive chefe de oficinas VW, difícil confiar por querem vender… Aí fiquei c a opinião do colega q teve um e este problema… Ele diz q uma vez chegou na concessionária e o carro tava até c o cabeçote desmontado… Qd viu resolveu deixar lá mesmo e comprou outro carro diferente. Pode me ajudar Boris?

  • Rodolfo 7 de julho de 2018

    Caro Boris, boa tarde!
    …. Excelente artigo o de hoje! Parabéns!
    …. Como você sabe eu estou fazendo manutenção preventiva através de análise de óleo do motor do meu carro conforme mostro no vídeo do link abaixo, onde o óleo ainda está bom mesmo após 5.600 km e 11 meses de uso, apesar dos pesares… pois infelizmente por ironia do destino abasteci no meu poto de “confiança” que eu era fiel a 6 anos (Shell) gasolina aditivada batizada que atacou severamente o óleo nas seguintes propriedades do mesmo: viscosidade caiu 2%, ponto de fulgor caiu, índice TBN caiu (reserva de combate a acidez/corrosão do óleo).
    https://www.youtube.com/watch?v=uDkRuhE7lds
    …. Eu achava que meu uso era normal, como disse no vídeo citado acima, mas na realidade meu uso era severo… pois a cada 15 dias fazia trajeto curto abaixo de 10 km ou 20 minutos, e o óleo perdeu muita viscosidade. Então corrigi o problema sempre deixando o carro funcionar por no mínimo 20 minutos e a viscosidade se manteu praticamente constante após 1000 km de uma análise para outra. Veja como trajetos curtos é um verdadeiro veneno para o óleo e para o motor.
    …. Assim veja que nos manuais dos carros devia ser devidamente expressado o seguinte, salvo melhor juízo:
    “Caso se obsserve que o carro foi abastecido com etanol ou gasolina batizado por solventes se deve abreviar a troca de óleo para menos de 1/3 do uso normal, ou seja, se para uso normal são 10.000 km, então usando combustível batizado seria apenas 3.333 km no máximo, salvo melhor juízo.
    …. Um forte abraço,

Deixe um comentário