Quando trocar o óleo da caixa de marcha?

Câmbios manuais e automáticos têm necessidades diferentes... Mas se o nível do óleo baixar, procure logo um mecânico

Por BORIS FELDMAN11/06/18 às 10h30

Não existe uma regra geral para todas as caixas e deve-se consultar o manual do proprietário, pois os projetos são diferentes e as recomendações não são as mesmas para todos os automóveis. Cada caso é um caso… Mas, as regras gerais da troca de óleo da caixa de marcha são:

No câmbio manual, a maioria das fábricas diz que o óleo dura a vida inteira sem necessidade de troca, apenas uma verificação periódica para conferir o nível. E que, se baixar, é sinal de uma anormalidade, um vazamento. Vale a pena lembrar que, ao contrário do motor, o óleo da caixa não sofre grandes variações de temperatura, não é queimado e expelido pelo escapamento nem contaminado pelo combustível. Então, no motor é normal o nível do óleo lubrificante baixar e por isso se recomenda uma verificação periódica puxando-se a vareta indicadora. No caso das caixas de marchas, se o nível baixa é sinal de irregularidade. Quando ocorre, deve ser completado emergencialmente até o carro chegar na oficina para o reparo do vazamento.

O câmbio automático também requer manutenção conforme o manual. Alguns recomendam sua troca em elevadas quilometragens, de 50 a 100 mil quilômetros. E também checar o nível cada 20 ou 30 mil km devido à possibilidade de vazamento.

Não há uma data ou quilometragem estipulada para a troca de óleo da caixa de marcha. A regra, no entanto, é simples: deve-se conferir o nível do óleo. Se ele estiver baixo, é preciso procurar a ajuda de um mecânico.

O óleo da caixa de marcha automática deve também ser verificado, pois pode escurecer devido a um eventual super aquecimento dos componentes, perdendo suas características de lubrificação. Além disso, o atrito entre suas partes móveis pode gerar pequenas partículas ou limalhas que o contaminam. Se seu carro com câmbio automático já rodou mais de 50 mil quilômetros e nunca se efetuou uma verificação, pode levá-lo para a oficina.

O mesmo raciocínio do óleo do câmbio automático pode ser aplicado à direção hidráulica. Ela funciona com um fluido semelhante e que também não exige substituição periódica. Mas a recomendação é a mesma: verificar o nível que pode baixar em função de um vazamento. A troca deste fluido também não é sugerida a menos que apresente uma irregularidade, esteja contaminado com impurezas ou muito escuro devido a um eventual aquecimento do sistema.

Boris Feldman

Jornalista e engenheiro com 50 anos de rodagem na imprensa automotiva. Comandou equipes de jornais, televisão e apresenta o programa AutoPapo em emissoras de rádio em todo o país.

Boris Feldman

2 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Bito carlos Afonso Augusto 9 de setembro de 2018

    Caro Izaia,eu tenho corlla Fieder automatico,mas apresenta me com óleo um pouco escuro.

  • Izaias 3 de agosto de 2018

    No manual do corolla diz para trocar o óleo do câmbio automático com 80 mil quilômetros. E, a partir daí, a cada 40 mil. Como é um dos carros mais vendidos do mundo e tem fama de inquebrável (é verdade, tenho um) achei importante compartilhar a informação.

Deixe um comentário