Ducati Monster 1200S: Monstro feliz

Com um motor mais forte e potente, porém, mais progressivo, a Monster 1200S, tem suspensões ajustáveis, muita eletrônica, agilidade e um visual clássico renovado.

Por Teo Mascarenhas25/09/17 às 13h28

A italiana Ducati apresentou a nova Monster 1200S equipada com muita eletrônica e um motorzão de dois cilindros com a tradicional disposição em “L” ainda mais potente, com preço promocional de R$ 59.900. Tudo embalado por um visual que conservou o clássico desenho projetado por Miguel Galluzzi ainda em 1993 e que deu origem a toda uma família monstruosa com diversos tamanhos de motor. A inspiração preserva a essência da moto, sem artifícios de carenagens e outros recursos. Uma motocicleta com cara de motocicleta, que mais recentemente convencionou-se batizar de naked, ou em bom português: pelada.

Ducati Monster 1200S

O formato foi mantido, mas ganhou atualizações. O farolzão arredondado, como nos modelos tradicionais está presente, porém, tem a luz de posição diurna com leds, o chamado DRL (Daytime Running Light). Além disso, a traseira é mais curta, com alças do passageiro embutidas. As rodas em liga leve ganharam um desenho com três raios em forma de “Y” e para-lama dianteiro em fibra de carbono. O escape ganhou novas ponteiras duplas, o tanque ficou ligeiramente menor, perdendo 1 litro de capacidade (16,5 l), mas manteve o desenho curvo original, assim como o tradicional quadro com tubos em treliça, com o motor fazendo parte da estrutura para garantir leveza e rigidez.

Coração

O motor ganhou força e torque. Batizado de Testastretta 11º DS, tem comando desmodrômico e fornece 150 cv a 9.250 rpm e um torque de 12,9 Kgfm a 7.750 rpm. 15 cv a mais que a Monster 1200 anterior e 5 cv a mais que a versão S anterior. Com uma curva de torque mais plana, ficou mais progressivo, deixando a Monster 1200S, também mais amigável e fácil de pilotar. A cavalaria também é domada por um complexo pacote eletrônico herdado da superesportiva Panigale 1299, que permite “customizar” a tocada, conforme a disposição do piloto, transformando a Monster 1200S em um verdadeiro monstro, através de uma simples seleção nos comandos do guidão.

Ducati Monster 1200S

Leia também: testamos o Fiat Argo 1.0

A eletrônica conta com três mapas de motor. Sport, que despeja os 150 cv, com menor interferência do controle de tração e do freio ABS. O modo Touring, também conta com 150 cv, mas o nível de interferência do controle de tração e ABS aumentam. No modo Urban, a potência é reduzida para 100 cv, o controle de tração passa para o nível 6 entre os 8 disponíveis e o sistema ABS funciona com máxima capacidade, assim como controle de empinadas que atua no nível 7. Tudo gerenciado por uma central que percebe a inclinação lateral e longitudinal da moto, a aceleração, marcha engatada, pressão dos freios e vários outros parâmetros, que são processados instantaneamente.

Como anda a Ducati Monster 1200S

O piloto fica bem encaixado. Nada de contorcionismos, apenas com o tronco levemente inclinado para frente. A reduzida distância entre eixos (1.485 mm) também contribui para maior agilidade, em conjunto com rodas de 17 polegadas de diâmetro e do ângulo da suspensão dianteira. A Monster 1200S “dobra” mais facilmente, permitindo atacar as curvas mais agressivamente. Por outro lado, um motor mais progressivo e redondo, proporciona as retomadas de velocidade mais precisas, aumentando o prazer na pilotagem. As suspensões Ohlins também convidam a “enrolar” o cabo, que na verdade é eletrônico, “ride-by-wire”.

Ducati Monster 1200S
Fotos: Mario Villaescusa/Johanes Duarte/Ducati/Divulgação

Na dianteira, garfo invertido com tubos de 48 mm de diâmetro e 130 mm de curso e na traseira, sistema mono em balança de um braço, com 149 mm de curso. Ambas plenamente reguláveis. Os freios também são “monstruosos”, capazes de brecar um caminhão trucado. Na dianteira, dois discos de 330 mm com pinças Brembo radiais e sistema ABS de curvas. Na traseira, disco de 245 mm. O painel, totalmente digital, pode selecionar em destaque as funções mais importantes para o piloto, destacando o conta-giros, por exemplo. O banco pode ser ajustado na altura, entre 795 e 820 mm, o câmbio tem seis marchas com embreagem deslizante e o peso a seco é de 185 kg.

Siga nossa página no Facebook e fique ligado nas principais notícias

Teo Mascarenhas

Especialista na cobertura do mercado de motocicletas e competições com mais de 30 anos de experiência.

Teo Mascarenhas

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário