Honda Biz 110i e 125 2018: Assombrando os japoneses

Reformulada, a motoneta ganhou atualizações no visual, porta-objetos maior e freios combinados, que distribuem a frenagem entre as rodas, além de nova posição de pilotar

Por Teo Mascarenhas19/12/17 às 18h24

Descendente do veículo mais vendido no mundo, a Cub C 100 Dream, com mais de 100 milhões de unidades comercializadas desde 1958, a brasileira Honda Biz completa 20 anos em 2018, inaugurando uma nova geração, reformulada no visual e na técnica. Ganhou novas carenagens, novo bloco de farol, nova lanterna e setas traseiras integradas, novo painel digital e porta-malas embaixo do banco ainda maior. Destaque também para o sistema de freios combinados, tanto na versão 110i, equipada com tambor nas duas rodas, quanto na 125, com freio a disco na dianteira e rodas de liga leve.

Teo Mascarenhas testando a nova Honda Biz

Porém, para nascer, a Honda Biz contou com a criatividade da engenharia nacional, que venceu a resistência da matriz japonesa. A proposta de criar um modelo em que o piloto iria montado como nas motos, mas com a praticidade e o porta-malas dos scooters, esbarrou na falta de espaço. A equação foi solucionada de forma tão simples quanto genial, assombrando os japoneses. Reduzir o diâmetro da roda traseira, que também exigiu a criação de uma nova medida de pneu de 14 polegadas. Outra resistência vencida foi a adoção do escudo frontal, como nos scooters, para proteger as pernas.

Teo Mascarenhas testando a nova Honda Biz

NOME E de tanto “martelar” os novos conceitos do projeto, batizado internamente de “Brazil’s Cub”, de forma abreviada também virou o nome do modelo: Biz. A nova geração manteve a essência, aprimorando itens de comodidade e segurança. A trava do porta-malas embaixo do banco agora é na própria chave de contato, facilitando o acesso. O volume interno também foi ampliado, com redimensionamento da forração, comportando um capacete ou outros objetos. Também ganhou uma tomada 12V para carregar o celular e outros aparelhos.

Teo Mascarenhas testando a nova Honda Biz
O porta-malas ganhou mais volume e tomada 12 V

A capacidade de transportar cargas leves conta ainda com um redesenhado gancho no escudo frontal para pendurar sacolas, com trava de segurança. O painel do modelo 125 agora é totalmente digital e inclui uma luz que indica quando a condição de economia de combustível é a ideal durante a tocada. O modelo 110i continua com o painel analógico. As diferenças também estão nas rodas. Enquanto a Honda Biz 125 está equipada com aros de liga leve, embora calçada com pneus com câmara, a 110i tem as tradicionais rodas raiadas.

Teo Mascarenhas testando a nova Honda Biz

Guiando a nova Honda Biz

A pilotagem é facilitada pela embreagem centrífuga semiautomática, que dispensa o manete e possibilita o câmbio rotativo de quatro marchas, com pedal que não maltrata o calçado. As marchas são acionadas pressionando-se a ponta do pé e reduzindo com o calcanhar. Os dois modelos contam com partida elétrica e aboliram o pedal de partida, porém, ganharam o sistema de freios combinados. Ao acionar o freio traseiro, uma parte da pressão também vai mecanicamente para o dianteiro, a disco de 220mm na Honda Biz 125, e tambores de 130mm na 110i, independentemente da vontade do piloto.

Teo Mascarenhas testando a nova Honda Biz

Curiosamente, a diferença de motor não é tão sentida (como nos freios), embora só a 125 seja flex, com torque maior e mais precoce, facilitando as retomadas. Com um cilindro, injeção eletrônica e refrigeração a ar, desenvolve 8,3cv a 7.250rpm e 9,2cv a 7.500rpm e torques de 0,89kgfm a 5.500rpm e 1,04kgfm a 3.500rpm, na 110i e 125, respectivamente. O banco espaçoso e a posição de pilotagem mais em pé, como nas motos, permitem conforto sem comprometer a ótima agilidade, como nos scooters, em uma quase fusão. O preço sugerido da Honda Biz 110i é de R$ 7.590, e o da 125, de R$ 9.390.

.

Teo Mascarenhas

Especialista na cobertura do mercado de motocicletas e competições com mais de 30 anos de experiência.

Teo Mascarenhas

5 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Carlos Robertobatista Menezes 31 de maio de 2018

    Sr. Rodrigo acabei de ver um motociclista que comprou uma BIZ 110i ele disse , que esta fazendo 45km a 50km com um litro de gasolina boa noite abraços…paz..

  • Carlos Roberto Batista de Menezes 31 de maio de 2018

    Minha esposa comprou uma bis 110i e sem o pedal de partida, agora agente vendo este comentário do sr. Paulo ficamos preocupado. moto pode descarregar a bateria si ficar muito tempo sem funcionar, que bomba a gente pegou nas mãos.. misericórdia como mecânico de motos nunca gostei de motos sem o tradicional pedal de partida para mim melhor do que ficar carregando baterias e si a gente estiver na rua, estamos ferrados pode a moto afogar e ai ficamos imobilizado a não ser que tenhamos 02 bateria 01 sempre carregada em casa. que bomba essa moto bis 100i sem pedal de partida..

  • Mixel temr da silva 30 de maio de 2018

    *,isso é feito na China e deixa de enganar o povo já existe internet no brejil precária mas existe

    EDITADO

  • Paulo 13 de maio de 2018

    Tiraram o pedal da Biz,com painel digital e tomada 12v vai arriar a bateria toda hora,tava pensando em trocar a minha que uso vez ou outra(chega a ficar 2 semanas parada)melhor desistir do que ficar empurrando a moto toda hora.

  • Rodrigo M 12 de março de 2018

    Teo, boa tarde! Não encontro lugar nenhum falando da economia das duas.

    Estou só nessa dúvida pra finalizar a compra, qual o consumo da 110i e da 125?

Deixe um comentário