Asfalto derrete, gruda em rodas e faz carros carros atolarem

Cerca de 60 veículos foram atingidos na Austrália; segundo autoridades do país, fenômeno foi causado por uma rara combinação de fatores climáticos

Por AutoPapo12/07/18 às 20h53

Imagine a seguinte cena: um motorista está dirigindo seu carro tranquilamente por uma estrada quando nota que os pneus do veículo não estão respondendo normalmente. Então, ele para e desce para verificar as rodas, quando percebe que elas estão completamente cobertas de piche, proveniente do asfalto, que simplesmente derreteu. Pois essa situação, aparentemente surreal, aconteceu de fato no Estado de Queensland, na Austrália.

Segundo informações da rede de TV australiana ABC, cerca de 60 veículos que circulavam pela rodovia que liga as cidades de Millaa Millaa e Malanda. Muitos deles ficaram imobilizados, tamanho o estrago provocado pelo piche. Alguns motoristas publicaram fotos e relatos sobre o caso nas redes sociais.

Veja a galeria de fotos:

O fenômeno que aconteceu na estrada australiana é extremamente incomum e, segundo as autoridades locais, foi provocado por uma rara combinação de fatores: a rodovia havia sido recapeada recentemente e, nos dias que se seguiram, a região registrou fortes chuvas, frio e muita umidade. Logo em seguida, porém, as condições climáticas mudaram drasticamente, com muito sol e temperaturas elevadas. Tamanha variação térmica fez com que o asfalto não secasse e se acomodasse da maneira correta.

Alguns veículos ficaram com as rodas e os pneus completamente cobertos pelo piche. Vários sofreram danos também em outros componentes, como paralamas e para-choques, e na pintura. A estrada foi fechada e as autoridades locais informaram que os motoristas afetados pelo problema terão o prejuízo ressarcido pelo governo o mais rapidamente possível.

Fotos ABC News | Reprodução

1 Comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • marcus mendes 14 de julho de 2018

    País sério é outro departamento. Se fosse no Brasil as, ” toridades”, não reconheceriam o que aconteceu, e os prejudicados seriam forçados à entrar na justiça para receber 10 ou 20 anos depois.

Deixe um comentário