BMW M1: superesportivo alemão completa 40 anos

Desenvolvido para as pistas, modelo chegou ao mercado em 1978, se tornou um dos mais icônicos da marca bávara e ajudou a moldar a divisão M

Por AutoPapo28/08/18 às 08h30

Você conhece o BMW M1? Se não, saiba que trata-se de um esportivo icônico que acaba de completar 40 anos. Lançado em 1978, trazia, em posição central, o consagrado motor 3.5 de seis cilindros em linha e 24 válvulas da marca alemã, afinado para gerar 277 cv de potência 33,6 kgfm de torque. Se, ainda hoje, esses números são respeitáveis, imagine quatro décadas atrás?

A mecânica vinha embalada por uma carroceria desenhada por Giorgio Giugiaro. O projeto foi baseado em um carro-conceito: o BMW Turbo, projetado pelo francês Paul Bracq. As linhas do designer italiano, todavia, deram ao M1 uma identidade marcante, com elementos como faróis escamoteáveis, saídas de ar pretas na parte posterior da carroceria e, claro, a releitura da grade frontal em duplo rim da marca.

BMW M1: superesportivo alemão completa 40 anos

Segundo o fabricante, a velocidade máxima de 265 km/h fazia do BMW M1 o esportivo alemão mais rápido de sua época. A aerodinâmica era favorecida pela altura de apenas 1,14 m da carroceria. Já o peso de 1.300 kg era distribuído igualmente entre os dois eixos (50:50), o que assegurava boa estabilidade.

Inicialmente, a BMW pretendia utilizar o M1 no Campeonato Alemão de Automobilismo (Deutsche Rennsport Meisterschaft). Entretanto, mudanças no regulamento e atrasos no desenvolvimento do projeto acabaram impedindo a participação do esportivo. O fabricante, então, criou uma categoria monomarca só para ele: a BMW M1 Procar.

Versão de corrida do BMW M1 era ainda mais potente

O BMW M1 Procar diferia da versão de rua pela presença de spoilers dianteiro e traseiro e para-lamas alargados. O motor era baseado na versão de produção, mas atingia 470 cv. Assim, o bólido acelerava de 0 a 100 km/h em 4,5 segundos e atingia velocidades de até 310 km/h. Mais tarde, para enquadrar o esportivo ao regulamento do Grupo 5 (carros de turismo especiais), o propulsor ganhou turbo, que proporcionava potências entre 850 cv e 950 cv.

O M1 é lembrado hoje não apenas por sua performance excepcional para os padrões dos anos 70, mas também por ter ajudado a a moldar a divisão M, responsável pelos modelos esportivos do BMW Group. O modelo ganhou destaque até no campo das artes, após uma unidade Procar ganhar uma pintura feita pelo americano Andy Warhol, considerado o pai da Pop Art.

Apenas 460 unidades do BMW M1 foram produzidas, entre 1978 e 1981, de forma artesanal, com base em especificações de homologação do Grupo 4 (carros de turismo e rali) e de acordo com os regulamentos da Federação Internacional de Automobilismo (FIA). Hoje, o preço de um exemplar em bom estado ultrapassa facilmente a bagatela de meio milhão de dólares.

Fotos BMW | Divulgação

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Deixe um comentário