Carros caros e ultrapassados: 5 modelos para não comprar

Com projetos defasados, esses veículos serão atualizados ou descontinuados em breve; apesar disso, seus preços são elevados

Por AutoPapo03/11/18 às 09h57

Eles estão no fim do ciclo de vida. Com vários anos de mercado, sentem o peso de concorrentes mais atuais e tecnológicos. Quando um automóvel chega a essa situação, costuma ficar com preços mais competitivos, para compensar a compra, certo? Geralmente, é isso que acontece, mas há exceções. É o o caso dos cinco exemplos listados pelo AutoPapo: apesar de ultrapassados, são carros caros em vista do que oferecem. Confira:

1. Fiat Doblò Adventure: R$ 96.990

Fiat Doblò Adventure é um dos carros caros apesar de ultrapassados do mercado brasileiro
Início do fim: apenas 692 unidades do Fiat Doblò foram produzidas em dezembro de 2017

Não, nós não erramos o preço do Doblò: a versão top de linha Adventure custa inacreditáveis R$ 96.990. E ainda passa de R$ 100 mil caso o comprador adquira pintura metálica e bloqueio de diferencial Locker. Ele tem o valor de compra mais alto entre todos os carros caros da nossa lista.

É verdade que desde que o Renault Kangoo deixou o mercado brasileiro, o modelo da Fiat é o único do segmento das multivans. Mas isso não justifica o valor, principalmente quando se considera que o utilitário é fabricado há 16 anos sem mudanças significativas. Tampouco há contrapartida no motor, o 1.8 E.torQ de até 132 cv de potência, ou na lista de equipamentos de série.

2. Fiat Weekend Adventure: R$ 79.290

Fiat Weekend Adventure é um dos carros caros apesar de ultrapassados do mercado brasileiro
Foto Fiat Chrysler | Divulgação

Em comparação ao Doblò, os R$ 79.290 cobrados pela Weekend Adventure nem assustam tanto. Mas a perua é ainda mais antiga que o utilitário: lançada em 1997, tem 21 anos de mercado. São dois carros caros, porém defasados, que a Fiat comercializa no país

A mecânica, formada por motor 1.8 e câmbio manual de cinco marchas, é a mesma nos dois modelos. A lista de equipamentos também é parecida. De série, há somente itens que atualmente são básicos, como ar-condicionado manual, direção hidráulica, vidros, travas e retrovisores elétricos, computador de bordo e sensores de ré. A mais, o modelo oferece apenas faróis de milha e auxiliares, painel com bússola e inclinômetros e rodas de liga leve.

3. Ford Fiesta Titanium Plus: R$ 75.190

Ford Fiesta Titanium Plus é um dos carros caros apesar de ultrapassados do mercado brasileiro
Ford Fiesta

O Fiesta sempre foi uma opção acima do Ka na gama Ford. As coisas mudaram com a chegada da linha 2019 do Ka, que ganhou versões mais equipadas, novo motor 1.5 de três cilindros e câmbio automático. Já o Fiesta passou por uma discretíssima reestilização em 2017, que envolveu, basicamente, o para-choque dianteiro. E só. O investimento apenas em um dos produtos é um forte indício de que o outro deve sair do mercado. Apesar disso, o modelo mais antigo continua com preços maiores que os do irmão.

Sob seu capô, em vez de propulsor novo, há o 1.6 da família Sigma, capaz de gerar até 128 cv. Trata-se de uma unidade sem tanta tecnologia embarcada, mas ainda atual. O problema é que ela vem associada à transmissão automatizada de dupla embreagem Powershift. Problemática, ganhou má-fama devido a vários casos envolvendo defeitos. Eis mais um dos carros caros do país. Pelo menos o conteúdo é vasto: há sete airbags (frontais, laterais, do tipo cortina e para os joelhos do motorista) e chave presencial com botão de partida.

4. Renault Stepway Dymanique Easy’R: R$ 68.390

Renault Stepway Dynamique é um dos carros caros apesar de ultrapassados do mercado brasileiro

O preço do Renault Stepway Dynamique, por si só, está equiparado aos de outros hatches aventureiros nacionais. Mas há dois poréns: o primeiro é que a linha Sandero deve passar por uma reestilização no ano que vem. Além de atualizar o visual externo, a mudança deverá trazer melhorias ao interior. O segundo ponto a ser considerado é que, em vez de transmissão automática, o compacto da Renault traz o sistema Easy’R, que é automatizado de uma embreagem. Além de ser um câmbio mais limitado, ele também será substituído em 2019, por um mecanismo do tipo CVT.

O que faz do Stepway Dymanique um dos carros caros é, majoritariamente, a iminência de uma atualização, que trará aperfeiçoamentos, e não apenas retoques estéticos. Isso pesa, em especial para a versão mais cara da linha. O motor continuará sendo o 1.6 16V de até 118 cv. Atualmente, o aventureiro vem equipado com ar-condicionado automático, direção eletro-hidráulica, travas, vidros e retrovisores com acionamento elétrico, controles de estabilidade e tração, sistema start-stop, assistente de partida em rampa, central multimídia e câmera de ré.

5. Volkswagen SpaceFox I-Motion: R$ 67.050

Volkswagen Spacefox é um dos carros caros apesar de ultrapassados do mercado brasileiro

A linha Fox está com os dias contados. A produção deve durar, no máximo, até 2020, quando uma geração completamente nova do Gol deverá ser lançada. O hatch da gama passou a ser vendido unicamente com motor 1.0 desde a chegada do Polo no ano passado, para evitar concorrência interna. Já a SpaceFox segue com o antigo motor 1.6 de 8 válvulas, conhecido como EA-111, cuja potência máxima é de 104 cv. Por isso, não é beneficiada pelo IPI mais baixo concedido a veículos de baixa cilindrada. Já deu para perceber porque ela é um dos carros caros do mercado, certo?

Menos competitiva que o irmão, seu futuro é ainda mais incerto. É que o segmento das peruas caminha para a extinção no Brasil, e não há planos de uma sucessora direta. Com câmbio manual, seu preço sugerido, de R$ 63.460, é até aceitável. Mas a opção pela limitada transmissão automatizada I-Motion eleva o montante para R$ 67.050. Opte por todos os opcionais, que são pintura metálica e um pacote que inclui rodas de liga leve, faróis e lanterna de neblina, computador de bordo, sistema multimídia e volante multifuncional e veja o valor chegar a R$ 71.632.

Fotos | Divulgação

8 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • IVAN FERNANDO BARBOSA DA SILVA 17 de novembro de 2018

    Não concordo em relação ao giesta, é muito atual ainda basta ter um câmbio automático

  • FLAVIO JORGE DA GRAÇA MARTINS 6 de novembro de 2018

    Vi no face um anuncio de um aparelho que ligado a porta de checagem do veiculo faz economizar combustível. Isso e verídico ou só uma gerigonça a venda como tantas outras inútil na internet.

    • WENDELCERUTTIDASILVA 17 de novembro de 2018

      sem dúvida , geringonça mesmo .

  • André 5 de novembro de 2018

    No caso da Doblô, o principal problema é o preço, por ser líder nesse nicho, a Fiat joga o preço que quiser.

  • Antônio Pedro Gouveia 3 de novembro de 2018

    Infelizmente, mais uma fritura. Após a QR, agora a AP, promovendo boicote a compra da Doblo Adventure. Mas a seguir será lançada Toro 7 lugares. DUVIDO que a Toro venha mais barata ou mais espaçosa que a Doblo. Aí um “esperto” defende que o projeto é mais novo. Isso nada mais é do que chantagem

  • Gleyson 3 de novembro de 2018

    Para o dia qual melhor carro custo/benefício

  • Sigma7 3 de novembro de 2018

    Convenhamos que em termos de perua e custo, a SpaceFox parece uma boa opção, e com projeto mais atual a Weekend.

    • Joelson dantas 3 de novembro de 2018

      A Spacefox eh infinitamente melhor q a terrivel Palio adventure. Sobre todos os aspectos

Deixe um comentário