A curva em que o Chevette novinho perdeu o rumo e as rodas

"O Chevette, quando comparado a Brasília, fazia mais curvas, freava melhor e era um carro muito mais equilibrado para uso diário"

Por Douglas Mendonça05/11/18 às 16h00

Como sempre, o “causo” é absolutamente verídico. Aconteceu, exatamente, no segundo semestre de 1977, mais precisamente nos últimos três meses do ano. Os protagonistas são o Chevette 1977, aquele com a primeira frente do modelo, e o meu amigo Antônio Carlos Machado, o Toninho, que cursou comigo o segundo grau do Colégio Técnico em Mecânica e depois o período que cursamos juntos a Faculdade de Engenharia Industrial FEI.

Amigo de longas datas e de muitas aventuras automobilísticas. Na época do causo, nosso intrépido amigo estava prestes a iniciar seu curso de Engenharia Mecânica e, por isso, ganhou de seu pai um Chevette novinho em folha.

O Chevette chegou em boa hora e veio substituir sua Brasília 1974 que, apesar dos ótimos serviços prestados ao longo do tempo que serviu ao Toninho e a nossa turma, tinha no Chevette um concorrente superior, dinamicamente falando. O Chevette, quando comparado a Brasília, fazia mais curvas, freava melhor e era um carro muito mais equilibrado para uso diário. Esses fatores, aliás, fizeram com que o Toninho trocasse sua querida Brasília pela novidade do Chevette.

Devo confessar que tenho muito a ver com essa escolha. Meu pai havia comprado, em 1975, um Chevette 1973 modelo 1974, daqueles com câmbio alemão com anel para engatar a marcha à ré. Esse carro, apesar de utilizar ainda os pneus diagonais, era excelente quando o assunto era contornar curvas.

Na época, fiz o maior alarde da excelente dinâmica do carrinho e meu amigo Toninho se impressionou com o meu relato. Não faltaram oportunidades para eu mostrar para os meus amigos a ótima dinâmica do Chevette. O carro era muito ágil ao comando do volante e contornava curvas como ninguém.

Como estávamos acostumados com o comportamento instável da plataforma Fusca/Brasília, ficamos impressionados com o que o Chevette, na época, era capaz de fazer. As minhas propagandas do carro de meu pai, surtiram efeito e, na primeira oportunidade, Toninho trocou sua Brasília por um Chevette.

No segundo semestre de 1977, o Chevette lançado no segundo semestre de 1973 receberia sua primeira reestilização da dianteira. Era uma boa oportunidade de se comprar o carro com a frente antiga, zero km com um superdesconto nas revendas Chevrolet. Foi aí a oportunidade que o Toninho esperava para ter o seu Chevette novinho em folha.

Chevrolet Chevette 1973: Raio X
Raio-X de um Chevrolet Chevette 1973

Em poucos dias, um pouco antes do final do ano de 1977, Toninho já desfilava com o seu Chevette branco novinho em folha. Toda turma aplaudiu, em nossa turma ele tinha o carro mais veloz em curvas. Certamente! Mas, foi justamente nesse aspecto, que teve início o seu causo com o Chevette que ele tanto aguardou.

Um sábado a tarde, o Chevette ainda não tinha completado os 500 km de uso, nosso piloto amigo se deliciava com a capacidade de fazer curvas do seu novo carro que já vinha de fábrica com pneus radiais. Na zona norte da cidade de São Paulo, o intrépido piloto fazia curvas no limite de aderência do seu nervoso Chevette. Em um trecho, havia uma curta reta de cerca de 150 metros e uma fechada curva a esquerda. Nosso amigo Toninho pensou: “O Douglas me disse que esse carro faz muita curva e chegou a hora de comprovar isso”.

Chevette “vesgo”

O trecho que citei era em ligeiro declive, que serviu para embalar ainda mais o audacioso Chevette. Quando ele iniciou a curva a esquerda, descobriu que o carro não estava indo para onde o volante de direção mandava. Ele estava derrapando na curva e o carro rumava em alta velocidade derrapando de lado para uma gloriosa guia.

A violência do impacto foi tão grande das rodas do lado direito com a guia, que nosso intrépido piloto, sem o cinto de segurança, foi jogado no banco do passageiro, onde ele, provisoriamente, tinha colocado um alto-falante ligado a um rádio improvisado no painel de instrumentos. Com a bunda, ele simplesmente esmagou o tal alto-falante e quando o carro parou ele estava sentado no banco do passageiro com as mãos no volante e as pernas no lugar do motorista. Um tremendo susto!

Toninho apressou-se em descer do carro para avaliar os prejuízos. Estranhou ao abrir a porta do motorista que o chão estava pertinho da soleira da porta. Esse não era um bom sinal. Desceu rapidamente e descobriu que na parte traseira não existia mais rodas. Colocou as mãos na cabeça em desespero. Mas ficou ainda mais desesperado quando um garoto da favela que existia logo após o local onde o carro parou, saiu dela com uma roda e um pneu dizendo a ele: “Olha moço, a outra roda do seu carro”. Junto com a roda e o pneu que o garoto trazia, vinha a panela de freio e um pedaço do semieixo que havia quebrado.

Nesse momento, o desespero foi completo. Ele descobriu que havia arruinado seu Chevette novinho! Na dianteira as rodas apontavam uma para cada lado… Ficaram vesgas, uma fritava o peixe e a outra olhava o gato. Não é preciso dizer que o seu Horácio, seu pai, quase o matou quando descobriu que ele simplesmente arrancou as suspensões do Chevette novinho em uma única manobra mal-feita.

Por sorte do nosso amigo, ninguém se machucou e seu pneu perdido com rodas e peças não feriu ninguém na comunidade que invadiu. Nem com um guincho o carro poderia ser levado embora. O carro tinha seguro que pagou todo esse prejuízo e a concessionaria que o arrumou fez um trabalho perfeito, pois nosso amigo nunca reclamou de problemas de alinhamento ou comportamentos estranhos quando o carro se locomovia. Sinal de que foi bem consertado.

Toninho ficou com esse carro por mais de 60 mil km sem problema algum. E esse causo, acabou se transformando em piadas e brincadeiras da turma para com ele, que sempre aceitou o seu erro com gargalhadas e gozação dele próprio. Infelizmente nem todos os acidentes de automóveis terminam só nos danos materiais, mas, nesse causo, a história terminou com boas risadas. Ainda bem!

SOBRE

3 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Reinaldo Manfrin 5 de novembro de 2018

    Dirigi Chevette de 1973 a 1986 trocava de carro todo ano , devido à sua suspensão dianteira o Chevette saia de frente e vc tinha que esterçar mesmo , mas em 1976 em direção ao bairro da Casa Verde pelo acesso Viaduto do mesmo nome o Chevette não só saiu de frente para lado oposto como continuou reto a sorte que estava devagar e depois do susto abrindo o capo vi que o parafuso da caixa de direção estava solto corrigido apertado pela gentileza concessionária Anhembi nunca mais tive qualquer problema com esse Carro só alegria .

  • Miriam 5 de novembro de 2018

    Kkkkkk muito bon

  • Antonio Carlos Machado 5 de novembro de 2018

    Realmente foi uma grande sorte os prejuizos serem somente materiais. Hoje dou boas risadas dessa história. Esse mesmo carro andou no velho circuito de Interlagos.

Deixe um comentário