Fim das concessionárias de automóveis?

Vou começar a pensar em outra profissão, pois o futuro do jornalista que escreve sobre automóveis também é sombrio...

Por Boris Feldman 01/07/18 às 10h42

O que devem ter pensado os fabricantes suíços quando sugiram os primeiros concorrentes japoneses produzindo relógios de extrema precisão, acionados por minúsculas baterias e custando alguns poucos dólares?

Provavelmente  previram a derrocada da relojoaria suíça. Ou pensaram em mudar de ramo. Mas o futuro foi muito mais risonho do que imaginaram e nunca seus relógios foram tão cobiçados no mundo inteiro, diante de uma mudança conceitual que os  transformou em joias, ou objetos de coleção. Aliás, a rigor, ninguém nem precisa mais de um relógio no pulso, pois até o mais mambembe dos celulares informa corretamente as horas.

Este foi o raciocínio de uma fábrica europeia de automóveis premium numa recente convenção com proprietários de concessionárias, preocupados com as ameças e consequência do carro autônomo. Um diretor da fábrica comentou que o foco da empresa era no design de produtos cada vez mais sofisticados, sem deixar de acompanhar a evolução técnica, eletrificação e conectividade dos automóveis. Mas previa complicações para as grandes multinacionais do setor, as chamadas “generalistas”, que baseiam a quase totalidade de seu faturamento em carros compactos e acessíveis. Disse não ter dúvida de que os clientes de seus automóveis, caros e sofisticados, terão eternamente o desejo do objeto de luxo. Seja relógio ou carro.

Faz lembrar uma história semelhante no Brasil. A Puma vinha de vento em popa no início dos anos 70 com seus esportivos com mecânica do Fusca. Quando a Volkswagen confirmou o lançamento de seu próprio esportivo, o SP2, foi um deus-nos-acuda entre os diretores da Puma. Certos de que não teriam chance de enfrentar um concorrente da toda-poderosa germânica, correram para projetar outro esportivo, capaz de superar o VW SP2 em seu ponto fraco, a minguada potência do motor do Fusca.

Lançaram o Puma Chevrolet com o baita motor seis cilindros do Opala, mas um desastre em termos de suspensão, acabamento, etc. Entretanto, imaginaram jamais que iriam bater recordes de faturamento logo depois do lançamento do SP2: quase todos que o compravam se decepcionavam e optavam pelo carro da Puma, artesanal, exclusivo e de maior performance, pois oferecia diversas opções de motorização e câmbio.

Futuro das concessionárias generalistas

Se o raciocínio do diretor da fábrica de carros premium estiver correto, como será o futuro das generalistas? O mercado vai sofrer uma mudança radical e a primeira baixa sensível será das concessionárias, pois suas vendas irão definhar. Seus clientes, ao invés de comprar um carro, irão apenas se cadastrar numa empresa de compartilhamento e a ter direito de uso.  Apanha um carro (elétrico) num estacionamento e o devolve horas ou dias depois no mesmo ou em outro local. Será debitado pelo tempo ou quilometragem rodada.

Ou vai se utilizar do Uber ou outro sistema de carros com motoristas. Estes grandes frotistas e locadoras é que determinarão o perfil dos futuros automóveis e os receberão diretamente dos fabricantes. Até a manutenção será simplificada com a eletrificação, que reduzirá substancialmente a necessidade de intervenções nos sistemas elétrico ou mecânico. E também nos reparos de carroceria, pois, com a entrada em cena dos autônomos vai ser raro um acidente que exija reparo.

Então, a previsão é de que Ferrari e Rolls Royce continuam a ser produzidos e comercializados em concessionárias. Mas, Gol e Palio sumiriam do mapa, assim como suas redes de revendas.

Eu mesmo já vou pensar em outra atividade profissional, pois quantos automóveis vão sobrar para serem testados, além dos premium? Como será o test-drive de um carro autônomo, ou para compartilhamento,  fabricado pela Volkswagen, Fiat ou Renault exatamente de acordo com as especificações da Uber, Google ou da “Localiza Share a Car”?

O prêmio de consolação é que muitas outras profissões serão extintas ou modificadas: motoristas, tratoristas, maquinistas, pilotos de testes, manobristas, frentistas de postos, mecânicos, taxistas…

Turbulências como essa já existiram no passado. Mas nunca tão radicais como essa que se aproxima.

Como será o futuro das concessionárias?
Avalie o conteúdo:
PéssimoRuimRegularBomExcelente (Seja o primeiro a avaliar)
loadingLoading...
Clique na estrela para avaliar.
SOBRE
6 Comentários
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Avatar
    Samarone 4 de julho de 2018

    Boris, nem você nem eu que sou razoavelmente mais novo, veremos isso acontecer, agora pras gerações que estão no berço, isso é muito provável, observo que já tem alguns jovens do sexo masculino que não tem interesse por carros, as moças então, 80% não estão nem aí pra possuírem carros, faça uma pesquisa em sua própria família e verá.

  • Avatar
    Rodolfo 2 de julho de 2018

    Caro Boris, bom dia!
    …. Não se preoculpe… isso mais parece uma teoria apocalíptica… e se fosse verdadede tudo isso no dia do juízo final o carro autônomo seria banido da face da Terra!
    …. Quase todo homem gosta de carro, assim como nós homem sempre vamos gostar de mulheres, então essa teoria apocalíptica caiu por terra.
    …. E o emprego dos profissionais desde jornalismo a manutenção de automóveis está garantido para sempre, pois sempre terá quem ame ler artigos sobre carros em especial de Boris Feldmann, assim como sempre carros elétricos ou híbridos vão precisar de manutenção preventiva ou corretiva, afinal não existe ma´quina indestrutível.
    …. Com relação a aluguel de carros e Uber, cabe ao bom senso e gosto da pessoa, pois eu ainda acho vantajoso ter um carro na garagem para ter o prazer de dirigí-lo a hora que eu quiser, e o carro é meu, eu tenho afeto por ele, já um alugado não dá para se apegar…
    Um forte abraço!

  • Avatar
    Kleber 1 de julho de 2018

    O direito de propriedade estará restrito a um grupo minimo de mega corporações, as relações de trabalho e consumo serão afetadas profundamente. A grande questão é: O que os poderosos de todos seguimentos farão com a grande massa “improdutiva” e sem finalidade?

  • Avatar
    Henry 1 de julho de 2018

    Teoricamente a propriedade de automóveis pode ser perfeitamente dispensável e substituída com vantagens relacionadas a sustentabilidade. Porém, contraria a necessidade humana de realização em ser proprietário do seu tão sonhado carro, de cuida-lo, de dirigi-lo, de personaliza-lo, de ter a liberdade de deixar alguns pertences de uso pessoal dentro dele. Um automóvel é uma extensão móvel da sua casa e esse conforto é insubstituível.

  • Avatar
    Antero Coelho 1 de julho de 2018

    A “pose” de um carro…por mais barato que seja é uma ideia, a principio, idiota…um absurdo disperdicio de matéria prima e energia…que só se sustenta peloa inexistência de transportes coletivos descentes…aqui e no mundo todo..

  • Avatar
    Carlton Fernando veiga 1 de julho de 2018

    Sou de Curitiba PR,sou muito fã de seus comentários,sigo sempre,acho muito útil é muito proveitoso,bom dia!!!

Avatar
Deixe um comentário