[0 km x usado] Honda City EX AT x Toyota Corolla GLi 1.8 CVT 2017/2018

A mais acirrada rivalidade do mundo automotivo ganha novo capítulo com dois sedãs de categorias diferentes, mas com preços próximos

Por Fernando Miragaya14/10/18 às 15h00
Especial para o AutoPapo

Honda e Toyota protagonizam uma rivalidade particular na indústria que favorece, principalmente, seus consumidores. Afinal, você pode desfrutar das mesmas reputações de “carro que não quebra” e que prezam pelo conforto, tanto se quiser um City 0 km como se preferir um Corolla 2017 / 2018. Ambos estão na faixa de R$ 77 mil. Confira qual “japonês” combina melhor com o que você precisa e analise quesito por quesito qual se sai melhor.

Desempenho e prazer ao dirigir

City Corolla
3 ★★★☆☆ 4 ★★★★☆

Quem quer arrojo e performance está no lugar errado. O Honda City 2019 e o Toyota Corolla 2017 / 2018  conquistam justamente pelo conforto no rodar e no desempenho normal, e isso fica claro no câmbio CVT com sete marcha simuladas que equipa os dois sedãs.

No caso do Honda City 2019, a caixa continuamente variável trabalha com o motor 1.5 16V de 116/115 cv com comando simples no cabeçote e variação de válvulas na admissão. Conjunto que empresta um desempenho bastante pacato e linear ao City, com saídas de semáforo e respostas ao acelerador suficientes para se trafegar pela cidade. Na estrada, o modelo demora a embalar e as retomadas requerem paciência, pois o motor só vem em sua plenitude acima das 4.000 rpm. O melhor nas ultrapassagens e na serra é apelar para as mudanças sequenciais nas aletas do volante.

Honda City EX enfrenta Corolla seminovo em comparativo
Honda City EX

O Corolla 2017 / 2018 vence neste quesito justamente pela calibragem da transmissão. Trata-se de um dos melhores acertos de câmbio continuamente variável do mercado, com marchas bem simuladas e sem aquela sensação de enceradeira. Apesar de não ter acelerações instigantes, o 1.8 16V de 144/139 cv é mais que o suficiente para o trânsito urbano e até faz sua graça na estrada. As retomadas, porém, também merecem atenção, pois o motor demora um pouco a responder antes das 4.000 rpm.

Toyota Corolla GLi enfrenta Honda City EX

Segurança

City Corolla
3 ★★★☆☆ 5 ★★★★★

A linha 2018 do City 2019 ganhou airbags laterais dianteiros, totalizando agora quatro bolsas. No entanto, deve em itens, principalmente o ESP. Só sai de fábrica com Isofix, repetidores de setas, câmera de ré e luzes de condução diurna. Essa segunda geração do sedã da Honda data de 2014 e usa a mesma boa plataforma do Fit, com eficiente rigidez da carroceria e comportamento dinâmico equilibrado na estrada. A comunicação entre rodas e volante se mostra precisa até 100 km/h e em curvas mais ousadas o carro faz menção de sair de frente. No Latin NCAP, antes de receber os airbags a mais, já tinha obtido a pontuação máxima de cinco estrelas na proteção a adultos e de quatro, para crianças.

A linha 2017 foi a redenção para o Corolla, que, finalmente, passava a ter controles de estabilidade e de tração e sete airbags para toda a gama. Assistente à partida em rampas, Isofix e repetidores de setas completam a tímida lista. Esta quarta geração brasileira também data de 2014 – muda no ano que vem -, mas se destaca pela qualidade de construção e estabilidade na estrada e na cidade. Nesse mesmo ano, recebeu o máximo de cinco estrelas nos testes do Latin NCAP na proteção para adultos, e quatro na proteção para crianças.

Espaço interno e conforto

City Corolla
3 ★★★☆☆ 4 ★★★★☆

A posição de dirigir é um dos destaques do Honda. O motorista fica bem alinhado e tem boa visibilidade externa e também dos instrumentos, bem dimensionados no quadro. O acabamento interno foi discretamente aprimorado nesta linha 2018, ainda com muito plástico de textura desagradável, mas com fechamentos e encaixes caprichados. O desenho do painel, porém, continua muito datado e pouco harmônico, com o sistema de ar sensível ao toque e digital destoando do restante do conjunto. No banco traseiro, dois adultos e uma criança têm espaço normal para pernas, joelhos e cabeças. A suspensão traseira por eixo de torção tem calibragem que filtra bem os buracos e melhor acerto que a dianteira McPherson, que reflete muito as vibrações da pista no volante. O isolamento acústico deixa a desejar em altas velocidades.

Motorista também tem boa vida a bordo no Corolla, com bom vão para ombros e joelhos, só que com posição mais altinha de dirigir. O banco traseiro acomoda com conforto dois adultos e uma criança, que desfrutam de bom espaço para cabeças, mas há limitações para pernas e joelhos. O acabamento interno é correto, porém carece de uma dose de sofisticação e de modernidade para o segmento de médios onde o modelo da Toyota compete. O acerto da suspensão lida bem com os buracos, valas e quebra-molas, sem chacoalhar a cabine. O isolamento acústico é eficiente.

Equipamentos

City Corolla
4 ★★★★☆ 2 ★★☆☆☆

Ar-condicionado automático, direção elétrica, trio, ajustes de profundidade e de altura do volante, computador de bordo, controle de cruzeiro, chave tipo canivete, banco do motorista com regulagem de altura, encostos traseiro rebatível e bipartido, rodas de liga leve aro 16” e comandos internos de abertura das tampas do porta-malas e do tanque são o principais itens de série do City EX. A central multimídia tem tela de 7”, espelhamento de smartphones, USB, Bluetooth e comandos no volante. Bancos de couro só na topo EXL (R$ 85.400).

O Corolla GLi 2017 perde nesse quesito não só para o City, mas também no segmento de médios. Tudo bem que é a versão de entrada da linha, mas só tem os previsíveis ar-condicionado (que é manual), trio, assistência elétrica da direção, alarme, computador de bordo e ajustes de altura e profundidade do volante. Se quiser central multimídia, terá de procurar um seminovo que tenha o equipamento instalado como acessório. Ou optar pela GLi Upper, que custa uns R$ 1.500 a mais, em média, e oferece som com Bluetooth e rodas de liga-leve.

Desvalorização

City Corolla
4 ★★★★☆ 4 ★★★★☆

Modelos das duas marcas costumam ter boa liquidez e desvalorização moderada. O City já traz a reestilização de meia-vida da linha 2018 e a perda após um ao, segundo a Fipe, é de 8,4%. O Corolla GLi passou por face-lift da linha 2018, porém, deve em itens de série. Mesmo assim, a depreciação é de 4% e é aquele modelo fácil de vender. Lembre-se que o sedã da Toyota ganha nova geração em 2019. O que deve acentuar a desvalorização deste ano/modelo.

Manutenção e pós-venda

City Corolla
3 ★★★☆☆ 3 ★★★☆☆

O City tem plano de revisões a preço fixo salgados para o segmento de compactos premium. As seis primeiras visitas até os 60.000 km cobram o total de R$ 4.886. A cesta de peças, contudo, é mais suave para o bolso. São 1.588 pelos quatro amortecedores, R$ 423 pelo kit com quatro pastilhas de freio dianteiras, R$ 443 pelo retrovisor externo, R$ 400 pela lanterna traseira e R$ 1.231 pelo farol.

Já o Corolla 1.8 traz manutenção bem competitiva para um médio. No total, R$ 3.254 pelas seis primeiras idas à revenda. Os componentes é que pegam. Um jogo com quatro amortecedores custa R$ 1.754 e o kit de pastilhas, R$ 295. Piora com as peças externas: o farol dianteiro custa R$ 1.588, o retrovisor sai por R$ 226 e a lanterna traseira tem preço R$ 1.208.

Consumo

City Corolla
4 ★★★★☆ 3 ★★★☆☆

Segundo o Inmetro, o City EX CVT se sai melhor principalmente no ciclo urbano. Faz, com álcool, as médias de 8,5 km/l na cidade e de 10,3 km/l, na estrada. Com gasolina, fica em, respectivamente, 12,3 e 14,5 km/l, notas B na categoria e na comparação geral. O Corolla GLi CVT faz médias de 7,8 e 9,2 km/l, com etanol, e de 11,4 e 13,2 km/l, com gasolina, nota A na categoria e nota B, na geral.

Porta-malas

City Corolla
4 ★★★★☆ 3 ★★★☆☆

O City comporta 485 litros no porta-malas, o que garante três malas médias, mais 51 litros de espaço abaixo da tampa do assoalho. Já o Corolla tem capacidade para 470 litros, também cerca de três malas médias.

Veredicto

City Corolla
27 27

Empate justo no desafio dos samurais. Com dois carros com a mesma lógica de conforto e confiabilidade, o City atrai principalmente quem quer um carro econômico para o dia dia e com mais equipamentos. Já o Corolla reserva o certo status de sedã médio e é aconselhado para quem procura condução discretamente (bem discretamente) mais entusiasmante.

4 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se identificar algo que viole os termos de uso, denuncie.
  • Sergio 16 de outubro de 2018

    COROLLA DISPARADO O MELHOR, ESQUECE CITY, MOTOR DE GELADEIRA

  • Alcyr Correia de Amorim 14 de outubro de 2018

    O carro ok sempre e melhor vai depender dá deferência e se e o que foi de vontade do comprador.

  • paulo e.f. diehl 14 de outubro de 2018

    pessoal , corolla é corolla , da toyota , que não é fábrica de motoskakaka

    • Ivan 15 de outubro de 2018

      Ainda bem que a Toyota não fabrica motos, imagino o tipo da lambreta porcaria que iria nascer.

Deixe um comentário